PDA

You are viewing a trimmed-down version of the SkyscraperPage.com discussion forum.  For the full version follow the link below.

View Full Version : Copa do Mundo 2014 - Noticias do Evento



Pages : [1] 2 3

pesquisadorbrazil
Sep 25, 2011, 5:51 PM
Noticias relacionadas ao evento desportivo que será realizado em 2014

pesquisadorbrazil
Sep 25, 2011, 5:52 PM
Fifa pode tirar Copa do Brasil e entregá-la aos EUA

247 – No dia 26 de maio deste ano, o 247 foi a primeira publicação a alertar sobre o risco de que o Brasil perdesse a Copa do Mundo de 2014 para os Estados Unidos, em razão dos atrasos nas obras dos estádios e dos projetos de mobilidade urbana. Naquele momento, já estava claro, para quem acompanha os movimentos da Fifa, a entidade máxima do futebol mundial, que os Estados Unidos, organizadores da Copa de 1994, vencida pelo Brasil, já se articulavam para sediar também o evento de 2014. Neste fim de semana, diversas publicações alertam que o risco é real. Eis os motivos:

• As obras de praticamente todos os estádios estão atrasadas. Em muitos casos, os problemas são superfaturamento e esquemas com empreiteiras.

• Os projetos de mobilidade urbana não saíram do papel e a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, já falou até em decretar “feriados” nos dias dos jogos – o que apenas evidenciaria a incapacidade do País em organizar um evento de porte mundial.

• A Lei Geral da Copa, enviada ao Congresso Nacional no último dia 19 pela presidente Dilma, desagradou, e muito, a Fifa, que pretende ter o controle total sobre temas como credenciamento de jornalistas, vendas de ingressos, gratuidades (a Fifa é contra meia entrada para idosos, por exemplo) e proibição contra o marketing de emboscada – como a entidade tem acordos globais com cervejarias e outras marcas, pretende defender seus parceiros comerciais.

• Além de tudo isso, é péssima a relação entre o governo Dilma e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira, que sonha em assumir o comando da Fifa após o Mundial de 2014.

Jerome Valcke já perdeu a confiança no ministro dos Esportes, Orlando Silva, e admite a interlocutores que pensa num plano B. Este plano B existe e foi publicado aqui no 247, em maio: USA.

Leia a reportagem anterior do 247:

Marcio Kroehn_247 – Já houve um precedente. Em 1986, a Copa do Mundo estava prevista para acontecer na Colômbia, foi cobiçada pelos Estados Unidos e terminou com o México. Agora, os atrasos na construção dos estádios, os escândalos da Fifa e a letargia nas obras de infraestrutura podem fazer com que a história se repita. E os Estados Unidos, que perderam os Jogos Olímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro, já se articulam para tomar a Copa de 2014 do Brasil. Isso explicaria até a revelação do maior escândalo da história do futebol mundial, apontando a distribuição de propinas de mais de US$ 100 milhões pela Fifa e pela CBF (leia mais).

Essa especulação já se tornou motivo de apostas no mercado financeiro. Os operadores da bolsa de valores iniciaram nos últimos dias uma espécie de bolão sobre o destino da Copa do Mundo de 2014. O objetivo é acertar qual país será o substituto do Brasil como anfitrião do torneio. Motivos não faltam: o Ministério Público começou a investigar o possível superfaturamento das obras do Maracanã, o principal estádio brasileiro para o torneio; São Paulo, a capital financeira do País, corre perigo de não receber os jogos pelos problemas no futuro estádio do Corinthians; a reforma completa e necessária dos aeroportos foi descartada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada); e Ricardo Teixeira perdeu a força e caiu em desgraça na Fifa depois que um dirigente inglês o acusou de pedir propina para votar na Inglaterra como sede de 2018.

Todos são ingredientes pesados o suficiente para levar a Fifa a tomar uma atitude drástica, embora pouco usual. E agora os Estados Unidos aparecem, mais uma vez, como a saída possível. E, pelas condições, muito provável. Mais do que repetir a festa de 1994, os EUA querem reforçar o crescimento do futebol e substituir o Brasil. Nos últimos anos, a Major League Soccer (MLS) registrou crescimento de público e de receita. Os dirigentes da liga americana miram os principais torneios europeus como meta para daqui a alguns anos. Os investimentos em infraestrutura estão prontos e a carta de intenções está na mesa.

Para o Brasil virar o jogo, o clima de atraso e, principalmente, de descaso precisa se dissipar. Os problemas dos estádios estão se acumulando. O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou quatro prováveis elefantes brancos, ou seja, dinheiro que será gasto sem utilização futura. Natal, Cuiabá, Manaus e Brasília são as sedes criticadas pelo órgão público. A Capital Federal, aliás, protagonizou cenas bizarras há duas semanas. O estádio Mané Garrincha deveria ter sido implodido, mas as milhares de bananas de dinamite só conseguiram levantar poeira. As arquibancadas ficaram no mesmo lugar e novos estudos estão sendo preparados para colocar a estrutura no chão. Além delas, o Maracanã entrou na lista negra do Ministério Público por suspeitas de superfaturamento. As obras foram orçadas em R$ 600 milhões e já custam R$ 1 bilhão. O orçamento de Fortaleza, Curitiba e Recife também está em xeque. Para completar, prometido estádio do Corinthians, que precisa ser erguido na zona leste de São Paulo, ainda enfrenta discussões sobre a viabilidade do terreno.

O histórico da África do Sul é um ponto a favor do Brasil. Um ano antes do Mundial de 2010, os principais estádios estavam inacabados. Na Copa das Confederações, que acontece um ano antes para checar a estrutura local, muita areia e cimento estavam espalhados pelo país africano. Parecia impossível ver a Copa do Mundo acontecer ali, mas no final deu tudo certo. É importante lembrar que a Fifa fechou os olhos para os atrasos pelas boas intenções sociais depositadas nos sul-africanos. Para o Brasil, perdões parecem improváveis. Ainda mais nesse momento que Ricardo Teixeira perde prestígio na Suíça. O dirigente brasileiro, que já havia brigado com o presidente Joseph Blatter pela cadeira da federação de futebol, está entre os acusados pelo ex-dirigente da federação inglesa, David Triesman, de pedir suborno para votar na Inglaterra como sede de 2018. Se precisar de apoio, Teixeira não terá. E de preferido mundial, o País pode sair como o vilão. Façam suas apostas.

Fonte: http://www.mundopositivo.com.br/noticias/futebol/2011/28557

pesquisadorbrazil
Sep 25, 2011, 5:56 PM
Se Dilma não tomar cuidado, a Copa e a Olimpiada vai cair no colo dos EUA, querem apostar, ainda mais que os EUA estão fazendo um fortissimo lobby para que isso ocorra. E o rico é REAL, não é conversa para boi dormir.

MAMUTE
Sep 25, 2011, 8:38 PM
Mil e uma desculpas para a falta de planejamento


Governo recorre ao famoso "jeitinho brasileiro" para acelerar obras da Copa e Olimpíada



Faltando mil dias para a abertura da Copa do Mundo, o Brasil ainda tem pela frente diversos desafios originários do crescimento e da realização dos megaeventos esportivos de 2014 e 2016. O governo, porém, utiliza há anos ferramentas totalmente inadequadas de gestão pública devido à ausência de uma cultura de planejamento, ausência essa fruto das décadas de inflação elevadíssima, das crises econômicas e da preocupação dos administradores públicos com o curto (ou curtíssimo) prazo.

http://www.copa2014.org.br/midia/noticias/thumb_mil_e_uma_desculpas_para_a_falta_de_planejamento_1492011-170755-1.jpg
Londres planejou com antecedência obras para Olimpíada


Como consequência, o governo federal tenta driblar essa falta de planejamento recorrendo ao famoso “jeitinho brasileiro” na busca de atalhos, como o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), em tese destinado a acelerar as obras necessárias à realização da Copa 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 e recentemente aprovado no Congresso.

Não há jeitinho ou atalho que substitua o planejamento rigoroso e eficientemente desenvolvido e aplicado. Ao contrário, a “gambiarra”, como sabemos, tende a provocar curtos-circuitos mais à frente, além de elevar a conta paga pela sociedade, que tem como contrapartida empreendimentos e serviços públicos de qualidade sofrível, nem sempre dimensionados da melhor forma e localizados no lugar mais adequado, com manutenção cara e menor durabilidade.

Em suma, os cidadãos/contribuintes pagam mais caro por empreendimentos mal dimensionados, projetados e construídos, enquanto poderiam ter, até por custos menores, obras e serviços de qualidade, com baixo custo de manutenção e muito maior durabilidade.

"O governo federal tenta driblar a falta de planejamento recorrendo ao famoso “jeitinho brasileiro” na busca de atalhos, como o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), em tese destinado a acelerar as obras necessárias à realização da Copa 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 e recentemente aprovado no Congresso"

A falta de planejamento repercute em diversos setores, mas com maior intensidade, em tempos de crescimento e elevação da demanda, no de infraestrutura. Nessa área, as consequências podem ser medidas por alguns dados: o Brasil foi escolhido como sede da Copa 2014 em 30 de outubro de 2007, há exatos 46 meses, portanto.

O plano de investimentos da Infraero em aeroportos para os últimos cinco anos só conseguiu aplicar 44% do previsto, enquanto a demanda crescia 10% ao ano, em média, no mesmo período (em 2010, cresceu 20%!); os planos relativos à mobilidade urbana, especialmente os relacionados às linhas de metrô nas principais capitais brasileiras, desenvolvidos em grande parte com recursos federais, estão estacionados há vários anos, alguns há mais de uma década. Da mesma forma, as áreas de energia e transporte, essenciais ao desenvolvimento sustentável do país, sofrem com os apagões cada vez maiores.

Nas obras listadas como essenciais à realização dos eventos de 2014 e 2016, pode-se dizer que em quase 70% delas – oito capitais – as obras de mobilidade urbana sequer foram iniciadas. Em muitas delas, nem mesmo existe projeto contratado ou em desenvolvimento. Levantamento de 2011 do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), órgão do governo federal, mostra que 17 dos 20 maiores aeroportos do país estão operando acima de sua capacidade e que dez dos 13 aeroportos relacionados à Copa não estarão prontos em 2014. E, se concluídos a tempo, deverão ser inaugurados com capacidade defasada, aquém da necessária já em 2011.

As obras de saneamento, que incluem tratamento e distribuição/coleta de água e esgoto, incluídas nos PAC 1 e 2, não alcançam 20% de execução. Aeroportos, mobilidade urbana, saneamento e limpeza urbana, segurança, energia e tecnologia da informação e comunicação (TIC), ao lado da hospitalidade (hotéis, pousadas e atrações turísticas), são alguns dos elementos essenciais para que o Brasil aproveite as extraordinárias “janelas de oportunidade” que se abrem para a promoção do país no exterior com a realização da Copa do Mundo de Futebol e dos Jogos Olímpicos.

"O plano de investimentos da Infraero em aeroportos para os últimos cinco anos só conseguiu aplicar 44% do previsto, enquanto a demanda crescia 10% ao ano, em média, no mesmo período (em 2010, cresceu 20%!)"

Estima-se que, além de 600 mil turistas estrangeiros, mais de 20 mil jornalistas do mundo todo virão ao Brasil para cobrir os dois megaeventos esportivos, com destaque para a Copa 2014 – o evento da Fifa é o de maior efeito midiático do planeta, com bilhões de espectadores, antes, durante e no imediato pós-evento, nos cinco continentes.

O Sinaenco discute o tema desde 2007, antes mesmo do anúncio oficial pela Fifa da escolha de nosso país como sede do Mundial. Cunhamos, desde então, o slogan “Vitrine ou Vidraça” como o símbolo dos desafios que o Brasil enfrenta ao ser escolhido para sediar os dois maiores eventos esportivos mundiais. E alertávamos, também desde essa época, sobre a necessidade urgente de os governos federal, estaduais e municipais diretamente envolvidos com a preparação para a Copa e Olimpíada se prepararem, com o planejamento, para realizar adequadamente as obras de infraestrutura, esportivas e geral, necessárias à realização desses eventos. Isto se não quisessem virar “vidraça”, ou seja, que o país saísse pessimamente na foto e desperdiçasse a oportunidade do século para que o Brasil se consolidasse como uma potência emergente e um destino turístico para o resto do mundo, assim como fez Barcelona, na Olimpíada de 1992, ou está fazendo Londres, para sediar os Jogos de 2012.

Em vez de planejamento rigoroso e eficiente, contratação de estudos e projetos no prazo adequado, com antecedência de mais de dois anos, permitindo a execução de obras de qualidade, necessárias e que deixaram/deixarão um legado às suas populações, pós-eventos, como fez Barcelona e está fazendo Londres, os governos brasileiros foram deixando o tempo passar. Agora, quase quatro anos depois de ter sido escolhido como sede da Copa 2014, o governo federal aprova o RDC, com a desculpa de que “é necessário para acelerar a realização das obras para a Copa e Olimpíada”.

Um cidadão comum, leigo, poderia de boa-fé perguntar se situações emergenciais não exigiriam medidas equivalentes. Certamente esse cidadão teria toda a razão se a questão fosse de catástrofes naturais, como um tsunami, por exemplo. Obviamente, este não é o caso em questão.

A apologia do planejamento como instrumento essencial para a realização de bons empreendimentos públicos não pode ser examinada sob a ótica da “crítica pela crítica”. Houve tempo mais do que suficiente para o planejamento sério e eficaz. Para a contratação de estudos e projetos que permitissem dimensionar e conceber obras de qualidade, construídas de forma, no prazo e ao custo adequados. Obras que permitiriam deixar um legado por muitas décadas para a sociedade.

"Quase quatro anos depois de ter sido escolhido como sede da Copa 2014, o governo federal aprova o RDC, com a desculpa de que é necessário para acelerar a realização das obras para a Copa e Olimpíada"

Para isso, os projetos de arquitetura e engenharia, contratados previamente pela melhor solução técnico-econômica, no prazo adequado ao seu bom desenvolvimento e de forma independente da construção, são o melhor instrumento de controle e aferição de prazos, qualidade e custos para os administradores públicos e órgãos de controle, como os Tribunais de Contas, federal, estaduais e municipais.

Esse instrumento, o projeto completo, está ao alcance de todas as administrações públicas e o Brasil conta com mais de 20 mil empresas de arquitetura e engenharia distribuídas por todos os estados brasileiros, com conhecimento e competência técnica para desenvolvê-los. Há um detalhe, claro: é necessário planejamento, que significa pensar antes, para fazer melhor. Essa receita, em tese, está à disposição de todo administrador público.

Em vez de planejamento, o governo recorre ao RDC, que pretende contratar obras públicas que, juntas, somam bilhões de reais, com base em um anteprojeto, etapa anterior à do projeto básico, que antecede o projeto executivo, completo. O RDC representa dar um tiro no escuro, em meio à multidão, com as conseqüências potenciais previsíveis dessa atitude. Significa também jogar no lixo o conhecimento acumulado pela arquitetura e pela engenharia brasileiras. O governo federal não pode alegar ignorância a respeito dessas consequências.

Recentemente, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, em pronunciamentos a respeito da crise vivida pelo Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit), que culminou com a demissão do então ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, enfatizaram que “a solução para o Dnit reside na contratação de obras com base no projeto executivo”. E o general Jorge Ernesto Fraxe, que assumiu como diretor-geral do Dnit, resumiu sua visão sobre essa questão: “Primeiro ponto: projeto. Temos de ser mais exigentes na qualidade desse projeto, porque 90% das obras estão no projeto, na qualidade, na precisão. Vai levar mais tempo, mas é preferível gastar mais tempo no projeto, do que depois, aditivando o prazo da obra”.

Em concordância com essas opiniões dos ministros, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ressaltaram que não farão uso do RDC para a realização de obras para a Copa/Olimpíada.

Estes são exemplos de como, se seguidos à risca, o Brasil pode desenvolver sua infraestrutura, esportiva e geral, para a Copa e Olimpíada, deixando um legado positivo e duradouro para a sociedade.






http://www.copa2014.org.br/noticias/8009/MIL+E+UMA+DESCULPAS+PARA+A+FALTA+DE+PLANEJAMENTO.html

GMF
Sep 26, 2011, 2:25 AM
Fifa pode tirar Copa do Brasil e entregá-la aos EUA

Acredito que a notícia seja plantada pela própria FIFA (não duvido que paguem a grandes grupos de telecomunicação para publicar isso), de modo a pressionar o governo.

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 5:28 AM
Acredito que a notícia seja plantada pela própria FIFA (não duvido que paguem a grandes grupos de telecomunicação para publicar isso), de modo a pressionar o governo.

Espero que tenha razão. Pois pode ocorrer em 2014 novamente igual aquela COPA que estava prometida para um país e depois teve que ser realizada em outro.:shrug:

GMF
Sep 26, 2011, 12:46 PM
Expectativa é usar estádios que serão erguidos para a Copa para acolher os espetáculos que hoje se concentram no eixo Rio-SP

Priscilla Arroyo

O mercado de shows internacionais nunca esteve tão aquecido no Brasil. Na última semana, passaram por aqui - para citar apenas três exemplos - Red Hot Chili Peppers, Katy Perry e Elton John (os dois últimos atrações do Rock in Rio no final de semana). E as expectativas são ainda mais otimistas quando se olha para o longo prazo. A previsão é que as 12 cidades-sede da Copa do Mundo, que terão suas arenas reformadas ou receberão estádios novos poderão, além de jogos de futebol, receber grandes eventos culturais.

"Existe mercado potencial no Centro-Oeste, Norte e Nordeste que ainda não são explorados", diz Helder de Castro, diretor geral do festival Starts With You (SWU) que trará ao país, em novembro, nomes como Black Eyed Peas, Megadeth e Snoop Dogg. "O Brasil se destaca como um dos mercados de maior crescimento no mundo até 2015, junto com a China", afirma Fernando Alterio, diretor presidente da Time for Fun (T4F)-que abriu capital em abril deste ano e captou R$ 173 milhões.

A T4F, líder sul americana do mercado de entretenimento, tem 66% da sua receita líquida proveniente do Brasil, sendo que 80% vem de espetáculos apresentados em São Paulo e Rio de Janeiro. O número de produções da empresa no país é crescente: em 2009 foram 36 shows internacionais; em 2010, 81 shows e neste ano, até novembro, a agenda já soma 75 atrações.

Na esteira da Copa

A explicação dada para tanto otimismo por quem atua no mercado de shows - um dos mais rentáveis e promissores da chamada Economia Criativa - é a maior oferta de estádios a partir da Copa do Mundo de 2014. Isso, dizem os empresários do setor, abre a possibilidade do artista percorrer o país fazendo várias apresentações, o que facilita a negociação para a vinda das atrações. Assim, o interesse dos talentos pelo país deve crescer, turbinando ainda mais um mercado já em ascensão.

"O que mais encarece a vinda do artista é o transporte.

Uma vez que eles estão aqui, faz mais sentido que façam o maior número de shows possível.

Na Europa é recorrente a banda percorrer os países fazendo uma apresentação a cada dois dias e isso é uma tendência no Brasil", afirma Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio. E, com os estádios, a partir de 2014, as produtoras poderão contar com novas locações em cidades como Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Natal (RN), entre outras.

Renda e estabilidade

Para Willian Crunfli, vice-presidente de shows da XYZ, os brasileiros estão mais receptivos aos shows internacionais. "Hoje o mundo está interligado, isso contribui para provocar o interesse do público", diz o empresário que nos anos 1980 trouxe ao Brasil, pela primeira vez, a banda britânica Queen. "Naquela época muita gente nem conhecia o grupo", lembra.

Além da globalização, o bom momento da economia nacional, com o aumento do poder aquisitivo e a valorização do real, é essencial para fermentar as negociações. Além disso, o atual cenário mundial, com as crises no Estados Unidos e Europa, também contribui para aumentar o interesse dos artistas pela América do Sul - onde o Brasil tem a maior fatia de mercado, pois 60% da receita das bandas é proveniente de shows.

Na esteira

O bom momento alimenta também negócios de empresas especializadas em comercializar os ingressos. A Ingresso.com do grupo B2w, por exemplo, foi responsável pela venda das entradas para todas as apresentações do Paul McCartney no Brasil e pela pré-venda dos bilhetes para o Rock in Rio 2011. A Ingresso Rápido observou crescimento de 30% entre 2009 e 2010 na venda de bilhetes para shows.

Aproveitando o bom momento do mercado, a empresa fechou pareceria com a Totalcom, produtora do festival SWU, para a venda exclusiva dos bilhetes.

Colaborou Micheli Rueda

-------------------------------------------------------------------

"Existem mercados potenciais no Centro-Oeste, Norte e Nordeste que ainda não são explorados.

Nós carecemos de arena de eventos"

Helder de Castro, Diretor geral do festival Starts With You (SWU)

FONTE: http://www.linearclipping.com.br/fecomerciodf/detalhe_noticia.asp?cd_sistema=7&codnot=1911611

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 4:25 PM
Eu queria ver o povo que é contra o estádio de Brasília ver esse potencial inexplorado... A economia e turismo em Brasília mudou nos ultimos anos devido aos shows internacionais que vem ocorrendo na cidade. Isso aumenta o fluxo de turistas, ocupação nos hotéis e movimentação nos restaurantes e na venda das lojas.

MAMUTE
Sep 27, 2011, 12:36 AM
Fifa ameaça tirar Mundial de 2014 do Brasil por discordar de Lei Geral da Copa


Projeto foi enviado em 19 de setembro pelo governo ao Congresso Nacional



http://i1.r7.com/data/files/2C95/948F/2FC4/0CB0/012F/C638/7D04/54E0/seminario-ministro-hg-20110506.jpg
Orlando Silva defendeu ponto polêmico da Lei


Por discordar do projeto da Lei Geral da Copa de 2014, que será valida também para a Copa das Confederações de 2013, a Fifa ameaça tirar o Mundial do Brasil. A segunda alternativa para sediar a competição, daqui a três anos, seria os EUA, que têm concluída boa parte da estrutura necessária para o evento, já que foi sede em 1994.

O Projeto da Lei Geral da Copa foi enviado em 19 de setembro pelo governo ao Congresso Nacional. Dá poderes à Fifa e dispõe sobre as medidas relativas a eventos esportivos internacionais vinculados à Copa do Mundo de 2014, como as responsabilidades da entidade e da União nos atos referentes às competições e eventos paralelos, a proteção de símbolos oficiais protegidos e as punições para quem falsificar produtos licenciados.

Segundo o jornalista Lauro Jardim, a Fifa não aprovou o projeto de Lei que foi enviado ao Congresso. A entidade julga que o texto fere alguns pontos que foram acordados com o presidente Lula quando o Brasil ganhou o direito de sediar o Mundial, em 2007. As mudanças trariam prejuízos financeiros e comerciais para a Fifa, o que fez com que houvesse a ameaça de mudança de sede. Entre os motivos do atrito estão a meia-entrada para estudantes e para maiores de 65 anos.

A inclusão da meia-entrada no texto foi vista como uma vitória do governo brasileiro sobre a Fifa. O benefício para maiores de 65 anos segue o que manda o Estatuto do Idoso. Como não há uma lei federal que conceda o desconto para os estudantes, a entidade máxima do futebol poderá negociar diretamente com os Estados o valor dos ingressos.

Ministro se mantém na defensiva

Depois de aparecer como principal figura no escândalo do convênio fantasma, quando repassou, sem licitação, R$ 6,2 milhões para uma empresa fazer o cadastro nacional dos torcedores para a Copa de 2014, o ministro do Esporte, Orlando Silva, opinou sobre um dos pontos mais polêmicos da Lei Geral da Copa: a possibilidade de as cidades-sede decretarem feriado em dias de jogo do Mundial.

Silva se manteve na defensiva e atenuou as críticas à proposta. Afirmou que “os feriados serão circunstanciais e limitados”. O deputado federal Romário, porém, afirmou recentemente que os feriados vão “maquiar a falta de obras e alguns problemas” do país.

A falta de obras, aliás, parece ser um tormento na vida de Orlando Silva. Principal articulador e porta-voz do Mundial no Brasil, ele vê os problemas se acumularem em seu mandato. Além das críticas relativas ao convênio fantasma, Silva convive com atrasos nos principais estádios do país, seja pela demora para definição da arena, como aconteceu em São Paulo, ou por greves de operários, casos de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Tanto é que a maioria de suas declarações é evasiva e não se baseia em fatos, mas em previsões que até agora não seguem o cronograma planejado.

Maior exemplo disso foi o que o ministro disse sobre as obras de mobilidade urbana. Apesar de apenas cinco das 12 cidades-sede terem começado as reformas, ele falou que essas obras serão “o grande legado para a comunidade que o Mundial de futebol deixará”.

Poderes para a Fifa

A legislação inclui normas desde o valor dos ingressos até a proteção das marcas de patrocinadores ligados à federação de futebol. No projeto está incluída também uma exigência da Fifa de proibir qualquer tipo de comércio no arredor dos estádios. Outro item determina a facilitação na concessão de vistos e permissões de trabalho para estrangeiros da Fifa ou de empresas ligadas à entidade, além de um artigo que cria punições para práticas contra as marcas oficiais do evento.

A Fifa também gostaria de ver liberada nos estádios a venda de bebidas alcoólicas, cuja cota de patrocínio é de uma cervejaria. Atualmente, o consumo nos estádios está proibido por uma decisão conjunta assinada pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça do Ministério Público dos Estados e da União. Como a Lei Geral não aborda o tema, a Fifa poderá negociar com os governos estaduais a liberação.

O projeto de Lei Geral da Copa só deve se tornar lei em 2012. De acordo com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a proposta precisa ser bastante discutida e deverá ser mudada por deputados e senadores. Não está descartada a possibilidade de criação de uma comissão especial para discussão do projeto. Isso acontece quando a abrangência da proposta é ampla e envolve temas relacionados a diversas comissões temáticas.

A presidente Dilma Rousseff assinou o texto do projeto em Minas Gerais na sexta-feira (16), no evento que marcou a contagem regressiva de 1.000 dias para a partida de abertura do Mundial, em 12 de junho de 2014. A Lei Geral deve ser votada até o final do ano.








http://esportes.r7.com/futebol/noticias/fifa-ameaca-tirar-mundial-de-2014-do-brasil-por-discordar-de-lei-geral-da-copa-20110926.html

pesquisadorbrazil
Sep 27, 2011, 3:20 AM
E depois falam que não existe risco para COPA. Brincadeira.

Grooverider
Sep 27, 2011, 3:34 AM
Se o Brasil perder essa Copa será o FIM do PT !!! ... literalmente PT para o PT !!

e esse ministrinho do esporte, terá enterrado qualquer pretensão política ... ele não ganharia nem eleição para síndico de prédio !!! .... brincadeiras a parte, tem neguinho de olho nos $$$ da FIFA ... aí é ladrão concorrendo com ladrão !!!

pesquisadorbrazil
Sep 27, 2011, 2:54 PM
Link muito interessante, espero que apreciem... A respeito da abertura da COPA.

vilL9keBa60

pesquisadorbrazil
Sep 27, 2011, 3:13 PM
Eita ferro, quanto mais a Globo mexe, mas essa Copa vai se distanciando do Brasil.

pesquisadorbrazil
Sep 29, 2011, 6:44 AM
A Copa do Mundo e os complementos urbanos necessários

Os jogos da Copa, em 2014, e as competições olímpicas, em 2016, ocorrerão em poucas e populosas cidades brasileiras, geralmente metrópoles nacionais ou regionais. Tomando-se as três metrópoles nacionais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, nota-se que as obras físicas, como os estádios, estão em andamento. Há atraso em São Paulo, em progresso no Rio, no Maracanã e em Brasília, no Mané Garrincha (agora apelidado de Estádio Nacional). Nota-se para esses eventos que excessiva ênfase é dada a estádios, pois terão competições capazes de atrair multidões. No entanto, nas três grandes cidades e nas demais sedes dos jogos, há necessidade de atender outras demandas, isso porque a atenção de todo o mundo estará voltada para o Brasil.

Por isso, lembra-se que o afluxo de pessoas exigirá o que denominamos de complementos urbanos com ações, tais como preparar a rede hoteleira, equipar hospitais e modernizar restaurantes. Indo além, avenidas e ruas deverão ter pavimentação renovada, abertura de ciclovias, construção de sanitários públicos e calçadas; ampliação de terminais rodoviários, portuários e aéreos e melhorias em outros serviços como limpeza de vias e praças (com lixeiras, bancos e bebedouros) - tudo para que possamos estar de acordo com esses megaventos desportivos. Além disso, deve-se aumentar o efetivo de segurança pública e treinar policiais para o atendimento de estrangeiros. Prever as possibilidades de atentados e quebra da tranquilidade por parte de assaltantes e traficantes, cujas ações devem ser contidas preventivamente e com firmeza.

Os governantes e empresários deverão atentar para os impactos do afluxo de turistas para centros urbanos que não os das sedes de competições e jogos e que normalmente já são procurados por brasileiros e estrangeiros, como Foz do Iguaçu, Pantanal Mato-Grossense, Manaus e Floresta Amazônica. Temos igualmente um extenso litoral e pontos turísticos especiais no interior, como as estações de águas, em São Paulo, Goiás e Minas Gerais. Será previsível que, antes e depois dos megaeventos, esses estados sejam procurados para lazer e entretenimento.

Há localidades que atraem turistas o ano todo, como Parati (Rio), as Missões Jesuíticas, os Aparados da Serra, Gramado e Canela (Rio Grande do Sul), os centros históricos de Minas Gerais (Ouro Preto, Mariana, Congonhas e outras), assim como Pirenópolis e Caldas Novas (Goiás), Sete Cidades (Piauí) e muitos outros. A lista é longa, mas quem conhece os centros urbanos referidos sabe que gargalos precisam ser eliminados nos transportes públicos e na rede hospitalar, que necessita ampliar leitos, contratar médicos, enfermeiros e comprar novos aparelhos para exames e emergências.

No caso de Brasília, todos esses itens merecem atenção especial porque os visitantes procurarão a capital antes e depois da Copa em razão dos atrativos arquitetônicos, urbanísticos e simbólico-cívicos que a cidade apresenta. Em Brasília, autoridades e políticos pleiteiam que a capital seja contemplada com a abertura da Copa do Mundo. Esse fato trará torcedores brasileiros, estrangeiros e acompanhantes, pessoas que, enquanto a bola rola, percorrerão os recantos da cidade.

Para tanto, a urbe não está preparada, ainda, com os complementos urbanos banais como os transportes de massa que interliguem todos os pontos da cidade e não apenas o aeroporto aos hotéis com o VLP. Ampliar as possibilidades de transportes cruzados como entre as quadras 400 e 900 Sul e Norte; linhas de ônibus da Asa Norte para o Mirante de Niemeyer, em construção no alto do Colorado, ou para o Catetinho. Igualmente esses pontos merecerão complementos para o conforto dos visitantes.

Além disso, guias turísticos capacitados - bi ou trilíngues - serão importantes para a comunicação entre as pessoas. Estão se providenciando banheiros públicos, espalhados no centro e nos bairros? As pessoas terão um conjunto de mapas para se orientar na capital? Há bancos nas praças para o descanso dos passantes? Brasília possui um guia turístico com indicação de museus, templos e monumentos?

É hora de correr contra o tempo, avaliar impactos sobre o ambiente e sobre o equipamento urbano. Impõe-se ampliar a arborização e os jardins do Plano Piloto e de todos os bairros. Afinal, a Copa do Mundo será oportunidade de implantar os complementos urbanos e embelezar a capital. Deseja-se que os visitantes entendam a geografia do DF e possamos obter um saldo positivo com retorno dos investimentos realizados.

Correio Braziliense/AC

Fonte: http://rio-negocios.com/a-copa-do-mundo-e-os-complementos-urbanos-necessarios/?s=Bras%C3%ADlia

pesquisadorbrazil
Sep 29, 2011, 8:47 PM
Meia-entrada e álcool estão fora da Lei Geral da Copa
(AGÊNCIA BRASIL)

O ministro do Esporte Orlando Silva disse hoje (29) que o combate à pirataria e ao uso indevido da marca da Federação Internacional de Futebol (Fifa) serão fiscalizados de perto pelo governo federal. As regras para o uso da marca da Fifa estão previstas no Projeto de Lei Geral da Copa. O texto já foi encaminhado para a Câmara dos Deputados.

O ministro destacou, porém, que é a pirataria que está proibida e não o uso do símbolo da Fifa para enfeitar as ruas do país, como é costume no Brasil. “O que queremos com essa lei é combater a pirataria. O que não tem nada a ver com a tradição brasileira de decorar nossas ruas”, esclareceu o ministro.

De acordo com Silva, o Projeto de Lei Geral da Copa trata também sobre outros assuntos da organização do mundial, como a concessão do visto para profissionais, visitantes e a segurança nos estádios. Segundo o ministro, ficaram de fora a questão da meia-entrada para estudantes e o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios.

O ministro disse que não existe lei federal que trate da meia-entrada de estudantes, somente leis estaduais. Por isso, o tema será tratado diretamente com cada estado. Apenas os idosos, de acordo com o Estatuto do Idoso, têm a meia-entrada garantida nos jogos.

Em relação à venda de bebida alcoólica, Orlando Silva disse que existe uma norma da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) proibindo o consumo nos estádios. “Alguns estados têm leis estaduais que vedam o consumo de bebidas alcoólicas, mas existe uma demanda da Fifa em relação a esse assunto e ele será tratado com muito cuidado”, explicou o ministro.

Fonte: http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/politica/meia-entrada-e-alcool-estao-fora-da-lei-geral-da-copa_71796.html

pesquisadorbrazil
Sep 29, 2011, 8:48 PM
Interessante argumento, vai ter meia entrada, só que a FIFA vai cobrar o quanto que eles quiserem. Então o preço da meia, vai ser como fosse o preço real do ingresso.

GMF
Sep 30, 2011, 12:41 PM
Parlamentares de oposição criticam a passividade do governo em relação ao grande número de exigências da entidade para a realização do Mundial

Depois da festa por ter sido eleito o país sede da Copa de 2014, chegou a hora de o Brasil lidar com o lado negativo do evento: as críticas e pressões. Com um orçamento estimado em R$ 187,7 bilhões e dois projetos de lei que alteram os procedimentos legislativos aos quais o país está acostumado a seguir, o Congresso Nacional começa a reclamar das imposições da Fifa. Ontem, durante a Avaliação Geral da Copa 2014, realizada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal, senadores e representantes de entidades fiscalizadoras exigiram ao governo federal que não ceda a todas as pressões da entidade organizadora do evento. O Ministério do Esporte, porém, garante que será feito nada que não estava previsto no momento em que o país se candidatou a receber o Mundial.

As principais divergências giram em torno da Lei Geral da Copa e do Regime Diferenciado de Contratações (RDC). Para o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), essas duas propostas afrontam a legislação brasileira e podem causar grandes danos ao país por causa de um campeonato que dura apenas um mês. Segundo ele, há “exageros” por parte da Fifa que não estão claros se são decorrentes do compromisso que o Brasil assumiu quando conquistou o direito de sediar os jogos.

“Queremos receber essa grande festa do futebol, obviamente, e queremos que ela seja bem-sucedida, mas não podemos admitir uma violência à soberania do país”, disse. Por isso, o senador considera crucial que a Casa ouça o presidente da Fifa, Joseph Blatter. “Afinal, ele é o responsável por todas essas regras”, justifica.

Álvaro Dias também critica os elevados gastos para a realização do evento: “A Fifa, como o dinheiro não é dela, faz muitas exigências”. Ele ressalta que o pedido de construção de estruturas luxuosas fará com que o país continue pagando a conta mesmo depois de 2014. O custo médio de manutenção de um estádio é de 10% do seu valor. Após o torneio, o Maracanã, por exemplo, custará aos cofres públicos cerca de R$ 100 milhões por ano.

O que será feito com as sobras é motivo de questionamento do presidente da Federação Nacional de Economia Criativa, Edgar Andrade. Para ele, o Brasil precisa discutir qual o impacto real a médio e longo prazos que esse evento vai trazer. Ele opina que o país não deve ficar preso somente ao que os organizadores querem. “O Brasil precisa fazer a Copa dos brasileiros e aproveitar a oportunidade para construir uma agenda de geração de emprego qualificado e de investir em cadeias que não dependam de recursos esgotáveis”, argumenta.

Alvo de contestações pelo Ministério Público, o RDC também tem dado dor de cabeça ao governo federal. O que preocupa são as possíveis alterações sem justificativa. Com esse método, uma obra pode ser aprovada apenas com o projeto base. “Aguardamos a regulamentação da norma quanto a essa questão, mas ao TCU só resta cumprir a determinação”, disse Marcelo da Eira, secretário adjunto de Planejamento e Procedimento do órgão.

Indícios de superfaturamento
Os casos de superfaturamento no Maracanã continuam a aparecer. O estádio está com suspeita de sobrepreço de até quatro vezes o valor estimado para a construção da sua cobertura.

Na Ucrânia e na Polônia, o mesmo tipo de cobertura foi feito recentemente e custou cerca de R$ 47 milhões. A obra a ser realizada na arena carioca foi orçada em R$ 197 milhões. Recentemente, o TCU identificou sobrepreço de R$ 163,4 milhões no orçamento do estádio.
Após um acordo com o estado, o valor total passou de R$ 956,8 milhões para R$ 859,4 milhões.

Ministério defende os procedimentos
No outro lado do cabo de força da organização da Copa está o Ministério do Esporte, que defende o andamento das obras. De acordo com o assessor especial do ministério, Ricardo Gomyde, o país não está fazendo nada que não foi acordado anteriormente com a Fifa.

“Quando o Brasil se candidatou, ele assumiu a responsabilidade de arcar com as normas vigentes. O que existe é uma relação puramente institucional entre o governo federal e a Fifa”, rebate. Gomyde garante que o governo vai proteger a soberania do país e evitar qualquer tipo de abuso.

FONTE: http://www.superesportes.com.br/app/19,156/2011/09/30/noticia_copa_do_mundo,23751/exigencias-da-fifa-irritam-senadores.shtml

MAMUTE
Sep 30, 2011, 3:22 PM
Receita holandesa para evitar que estádios virem “elefantes brancos”



Henk Markerink, mestre em arquitetura e engenharia, relata receita de sucesso aplicada na Amsterdã Arena


O privilégio de o Brasil sediar dois megaeventos esportivos, a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos 2016, em tão curto espaço de tempo, é um fato histórico. Todos os países gostariam de estar nessa mesma condição. A afirmação foi feita pelo mestre em arquitetura e engenharia estrutural Henk Markerink, presidente do Conselho de Turismo e Convenções de Amsterdã e Chefe Executivo da Amsterdã Arena.

Para Henk, é a chance de o Brasil crescer economicamente, mas também é a hora de aproveitar a oportunidade e lidar cuidadosamente com os recursos, para não construir e deixar elefantes brancos como o Estádio Olímpico de Beijing, o Ninho do Pássaro. Depois da realização dos jogos de 2008, poucos eventos recebeu.

O mestre holandês sugeriu ao Brasil seguir as práticas sustentáveis postas em práticas por Londres para as Olimpíadas 2012. E, como exemplo bem sucedido de inovação e sustentabilidade, citou a Amsterdã Arena, criada em 1996 em regime de parceria público privada entre clubes de futebol. A arena é a casa do time holandês AFC Ajax e do time de futebol americano NFL Europa.

“A multiarena Amsterdã foi a primeira a ser construída com teto retrátil não somente para jogos de futebol, mas para receber grandes eventos, como encontros religiosos, concertos, e shows como o de Tina Turner, U2, Rolling Stones, Michael Jackson. Ela também atende a outras funções. “É preciso usar os recursos com criatividade, ter um plano de negócios lucrativo e útil no aspecto ambiental”, disse o chefe do Amsterdã Arena. “O modelo de Arena multiuso com restaurantes, museu, lojas, estacionamento e hotéis permite o funcionamento 24 horas, além do giro de recursos produzidos com a interação de eventos”, ressaltou o chefe executivo da Amsterdã Arena.














http://www.copa2014.gov.br/noticia/receita-holandesa-para-evitar-que-estadios-virem-elefantes-brancos

MAMUTE
Oct 1, 2011, 8:46 PM
"Estádio é o mal necessário de toda Copa do Mundo", diz Marcelo Odebrecht


Para presidente do Grupo Odebrecht, desafio está na infraestrutura urbana


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/2811/size_380_marcelo-odebrecht-investime-jpg.jpg?1286673540
Marcelo Odebrecht: aposta em setores com baixa exposição à crise


São Paulo – A Odebrecht está envolvida na construção de quatro estádios em cidades que receberão jogos da Copa do Mundo no Brasil. Para Marcelo Odebrecht, presidente da empresa, o estádio “é o mal necessário de toda Copa do Mundo”. O legado está mesmo na infraestrutura urbana – e é nessa área que está o desafio.

“Os estádios estão bem”, afirmou Marcelo Odebrecht. A empresa está envolvida nas obras do Maracanã (no Rio de Janeiro), da Arena Fonte Nova (em Salvador), da Arena Pernambuco (no Recife) e do Itaquerão (em São Paulo) – o prazo de entrega do estádio do Corinthians foi esticado para fevereiro de 2014. O prazo anterior para o fim da obra era o segundo semestre de 2013.

Odebrecht confirmou o interesse da empresa na licitação de aeroportos no país e afirmou que a empresa já mantém conversas com outras companhias para a possível criação de um consórcio – sem detalhar quais empresas.

Crise

O empresário participou hoje do Exame Fórum, realizado na cidade de São Paulo. No evento, o ministro do desenvolvimento, Fernando Pimentel, afirmou que a crise atual tem consequências quase imprevisíveis, mas pode ser pior que a de 2008.

Marcelo Odebrecht, não acredita que a crise será muito grave para os setores de infraestrutura e petróleo. “A capacidade desses setores ainda é menor que a demanda”, afirmou. O empresário acredita que os segmentos voltados para o mercado interno precisam ter cautela, mas sairão da crise de forma tranquila.








http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/estadio-e-o-mal-necessario-de-toda-copa-do-mundo-diz-marcelo-odebrecht

MAMUTE
Oct 3, 2011, 1:39 PM
Em reunião com a Fifa, Brasil se dispõe a rever aspectos da Lei Geral da Copa

O governo brasileiro se dispôs hoje (3) a rever pontos da Lei Geral da Copa que divergem da proposta da Federação Internacional de Futebol (Fifa). O ministros do Esporte, Orlando Silva, disse que o governo se propõe a “aperfeiçoar a redação para ficar mais clara” sobre os aspectos ponderados pela Fifa. Ele disse que as sugestões de mudanças serão enviadas ao Congresso, aos estados e municípios – que dispõem de legislação local sobre determinados temas.

A decisão foi tomada hoje durante reunião da presidenta Dilma Rousseff com Orlando Silva, vários ministros e com o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, em Bruxelas. Os dirigentes da Fifa irão no dia 12 a Brasília para uma nova rodada de conversas. Valcke disse ainda que entre os dias 18 e 20 deste mês a Fifa anunciará qual cidade vai sediar o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2014.

“Nosso governo e a Fifa estão no mesmo barco: [ambos] querem que o Mundial dê certo”, disse o ministro. “Faremos [o que for preciso] para manter um ambiente harmônico”, acrescentou ele. “Vamos aperfeiçoar a redação e deixá-la mais clara”, destacou Orlando Silva.

Para a federação, é fundamental rever a concessão da meia-entrada para idosos e estudantes, a proibição à venda de bebidas alcoólicas nos estádios e a punição para os responsáveis por pirataria. O governo insiste ser impossível negar a concessão de meia-entrada para idosos, pois o direito é assegurado pelo Estatuto do Idoso. Porém, ressaltou que outros aspectos questionados pela Fifa podem ser revistos.

Orlando Silva lembrou que a proibição da venda de bebida alcoólicas está no estatuto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e que pode ser alterado. Em relação à concessão de meia-entrada a estudantes, a legislação é estadual, por isso será tratada diretamente com as unidades da Federação.

Para a Fifa, é importante ainda que o governo aumente a pena de prisão para os responsáveis por falsificar produtos durante a Copa do Mundo de 2014. No Brasil, a punição pelo crime de pirataria é de um mês a três meses de prisão. Para a federação, o ideal é elevar a prisão para, no mínimo, três meses e, no máximo, um ano.

O ministro negou, porém, que haja divergências. “O governo do Brasil tem compromissos para combater a pirataria. A Copa do Mundo é um grande evento e merecerá atenção especial”, disse Orlando Silva.

O secretário-geral da Fifa considerou positiva a conversa com a presidenta. “Se tivermos juntos, os dois [Fifa e Brasil] ganham”, destacou.

A Lei Geral da Copa foi enviada há cerca de 15 dias ao Congresso. O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), criou uma comissão especial para analisá-la e encaminhá-la o mais rápido possível para o plenário da Casa. Uma vez aprovada na Câmara, a lei deve ser encaminha ao Senado. A previsão é que os senadores votem a proposta no próximo ano.










http://www.maiscomunidade.com/conteudo/2008-05-19/brasil/112824/EM-REUNIÃO-COM-A-FIFA,-BRASIL-SE-DISPÕE-A-REVER-ASPECTOS-DA-LEI-GERAL-DA-COPA.pnhtml

MAMUTE
Oct 5, 2011, 3:36 PM
Exigências da Fifa para a Copa violam direitos do consumidor brasileiro


Entidade quer punir torcedores que desistirem de ingresso comprado


A Lei Geral da Copa, encaminhada pelo governo ao Congresso Nacional no mês passado, pode dar tantos poderes à Fifa (Federação Internacional de Futebol) que algumas das principais leis de proteção ao consumidor brasileiro serão colocadas na geladeira no mês em que acontecer o evento, programado para 2014.


http://i1.r7.com/data/files/2C95/948F/323B/6CBA/0132/3F96/151A/7588/blatter_450.jpg
Joseph Blatter pressionou o governo brasileiro a aceitar exigências da Fifa


O texto prevê uma série de medidas sobre os eventos esportivos internacionais vinculados à Copa do Mundo, como as responsabilidades da Fifa e da União em relação às competições e eventos paralelos, a proteção de símbolos oficiais protegidos, as punições para quem falsificar produtos licenciados e as regras sobre venda de ingressos.

Principal fornecedora de produtos da competição, a entidade pede a regulamentação de venda casada (quando alguém é obrigado a comprar um outro produto junto com o que realmente quer adquirir), a elevação da pena para quem for condenado por falsificar objetos com a marca oficial da Copa e ainda ameaça com punição quem desistir de ingressos comprados para os jogos.

A polêmica começou quando se descobriu que o projeto de lei e as exigências feitas pela Fifa entram em conflito com dispositivos já vigentes no Brasil, como o direito à meia-entrada, o Código de Defesa do Consumidor, os Estatutos do Idoso e do Torcedor e leis adotadas por alguns Estados para questões específicas, como a venda de bebidas alcoólicas.

A organização presidida pelo suíço Joseph Blatter já disse, por exemplo, que não quer que estudantes e idosos tenham direito a pagar meia-entrada para assistir às partidas. Além disso, não abre mão da venda de bebidas alcoólicas nos estádios, o que é proibido por leis estaduais, e pretende elevar a pena para quem piratear produtos esportivos.

Acontece que o maior fornecedor desses produtos é a própria Fifa, que também faz a intermediação da maioria das relações comerciais nos jogos. De acordo com o advogado do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor),Guilherme Varella, se aprovada, a lei fará da entidade uma “superfornecedora”.

- A Fifa tem exclusividade na venda de todos os produtos e serviços cuja marca seja a Copa do Mundo, desde a negociação de transmissão das imagens até a venda de ingressos e de produtos básicos, como camisetas e canecas.

Ele diz que, como fornecedora, a Fifa deveria se sujeitar à legislação brasileira.

- A Fifa não pode ser uma exceção sob o pretexto da excepcionalidade do evento. A Lei da Copa permite que ela entre no território nacional como uma superfornecedora. Nenhum outro fornecedor terá as mesmas condições durante o torneio.

Cadeia

Mas esses não são os únicos privilégios que a entidade exige. No artigo 33, inciso III, a Lei Geral da Copa diz que a Fifa poderá estabelecer uma “cláusula penal” caso um torcedor queira desistir do ingresso “após a confirmação de que o pedido do ingresso foi aceito ou após o pagamento do valor do ingresso”. Para valer, o texto precisa ser aprovado pelo Congresso e depois sancionado pela presidente Dilma Rousseff.

Varella afirma que, na prática, o brasileiro - que hoje tem o direito de desistir de uma compra em até sete dias - poderá ser multado e, no limite, até condenado à prisão.

- A cláusula diz que, se o consumidor desistir do ingresso, ele receberá uma multa que, se não for paga, pode se converter em uma pena que deverá ser cumprida na cadeia.

A Fifa também quer subir a pena para quem piratear seus produtos: de um a três meses para um a três anos de prisão.

- Eles se preocupam com a pirataria, mas tem preocupação quase nula com o consumidor. A Fifa atropela as leis nacionais. Em nenhum momento se fala em seus deveres e responsabilidades, mas ela responsabiliza o Brasil por eventuais problemas. É uma relação desequilibrada. Esses superpoderes eliminam a reparação aos torcedores.

Com a lei, a Fifa poderá até fazer a chamada “venda casada”, quando obriga alguém a comprar um produto para adquirir o que realmente quer.

- Eles vão poder, por exemplo, só vender para o torcedor um jogo entre Brasil e Argentina se ele também comprar o pacote que vai ter a passagem de avião e o hotel perto do estádio. Isso é proibido pelo artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor.

A coordenadora institucional da ProTeste, Maria Inês Dolci, diz que a Lei Geral vai colocar por terra pelos menos 20 anos de lutas sociais.

- Estamos colocando em risco 20 anos de trabalho intensivo da sociedade que se organizou no Brasil. Não é fácil um país como o nosso ter um Estatuto do Idoso, um Código de Defesa do Consumidor.

Para incluir a sociedade na discussão, a entidade colocou uma petição em seu site (www.proteste.org.br) para que os brasileiros peçam mudanças no projeto. Esse abaixo assinado será entregue ao governo federal e ao Congresso.

- Temos de mostrar às autoridades brasileiras que é uma grande ameaça ter esses direitos revogados. Os direitos do consumidor não devem acabar com a Copa.

É o que pensa o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), responsável por um requerimento propondo um debate da Lei Geral da Copa no Congresso.

- A Fifa inclui uma cláusula penal para quem utilizar as marcas “Copa do Mundo”, “Brasil 2014” e “Mundial de Futebol”. Quem fizer uma pintura dessas na parede pode ficar preso de 1 a 3 meses.

Desrespeito

Para completar, há gente no Planalto que interpretou como desrespeito o fato de a presidente Dilma Rousseff não ter sido recebida pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter, na última segunda-feira (3), em Bruxelas, na Bélgica, para uma reunião dedicada a debater justamente a Lei Geral da Copa. Quem atendeu a presidente foi o secretário-geral da entidade, Jerome Volcke.

Randolfe lembra ainda que o Senado aprovou, no dia 28 de setembro, um convite para que o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e do COL (Comitê Organizador Local) da Copa, Ricardo Teixeira, vá ao Congresso participar de uma audiência sobre a lei. O encontro, contudo, ainda não foi agendado, e Teixeira não é obrigado a comparecer – pois foi convidado.

Para o senador, “a lei é uma intromissão ao que diz a Constituição”.

- É uma legislação imposta por uma entidade estrangeira que revoga 14 dispositivos do Estatuto do Torcedor e retira direitos já conquistados. Nem a ditadura fez isso. Até ela tinha uma ordem institucional que seguia. Rasgar a Constituição é um preço muito alto pela Copa do Mundo.















http://esportes.r7.com/futebol/noticias/exigencias-da-fifa-para-a-copa-violam-direitos-do-consumidor-brasileiro-20111005.html

MAMUTE
Oct 6, 2011, 5:35 PM
Preparação dos estádios para Copa de 2014 está em ritmo acelerado, avalia comitê organizador


O diretor executivo de Operações do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014, Ricardo Trade, disse nesta quinta-feira (5) que a construção e a reforma de estádios para o evento estão em ritmo acelerado. Ele participou de encontro, no Rio de Janeiro, com representantes das 12 cidades-sedes da Copa.

“Estamos muito tranquilos com relação ao andamento [das obras] dos estádios. Tanto que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) confirmou que vai anunciar no dia 20 de outubro a tabela de jogos da Copa das Confederações e da Copa do Mundo. Isso dá tranquilidade para que possamos trabalhar já sabendo o que temos pela frente”, destacou Trade.

Segundo ele, mesmo os estádios de Curitiba e Porto Alegre, que estão enfrentando problemas de financiamento, não preocupam o comitê organizador, já que são arenas que precisam apenas de pequenas intervenções. “São obras só de reforma pequena dos estádios. Não é como os estádios de Recife e de São Paulo, que saíram do nada e estão indo muito bem, ou como o Maracanã, que tem uma obra enorme pela frente”, comparou.






http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=368344

MAMUTE
Oct 7, 2011, 1:19 AM
Estatuto da Juventude não vai valer na Copa


Se o Senado confirmar o que foi aprovado pela Câmara, jovens até 29 anos terão o benefício da meia-entrada para eventos culturais e esportivos. Essa regra passará a valer durante todos os anos, e em todos os eventos. Com uma exceção, porém: ela não valerá em julho de 2014, durante a Copa do Mundo de Futebol. O mesmo acontecerá com o benefício concedido aos maiores de 60 anos, no Estatuto do Idoso. O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou nesta quinta-feira (6) que a meia-entrada para estudantes e idosos não deverá ficar estabelecida no Mundial, quando o que prevalecerá será uma outra lei, a Lei Geral da Copa. Enviada para a Câmara em agosto, a proibição de meia-entrada para quem quer que seja é uma das condições impostas pela Fifa para o país receber a Copa do Mundo de 2014. A afirmação de Vaccarezza foi feita no dia seguinte à aprovação pela Casa do Estatuto da Juventude.


http://www.jornalalobrasilia.com.br/noticias/img/noticias/foto_06102011153511.jpg
Para ver, só pagando inteira. A meia-entrada prevista no Estatuto da Juventude e no Estatuto do Idoso não vai valer na Copa do Mundo


“Meia entrada não deve estar na Lei Geral da Copa”, afirmou Vaccarezza. Para ele, o Estatuto da Juventude é “algo para os próximos 100 anos” e a Copa do Mundo terá duração de apenas dois meses. A relatora do Estatuto da Juventude, Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), posicionou-se ontem contra a possibilidade de os estudantes e idosos não terem o benefício no maior evento do futebol mundial. Porém, usou frase parecida com a de Vaccarezza para diferenciar o Estatuto da Lei Geral da Copa.

De acordo com Vaccarezza, a meia-entrada deve ser negociada pelos estados diretamente com a Fifa. Atualmente, não existe legislação federal tratando do benefício para estudantes. Já para quem tem mais de 60 anos, o Estatuto do Idoso prevê o desconto de 50% no valor do ingresso em eventos culturais e esportivos. “A questão da meia entrada deve exigir em mudanças no Senado”, disse o líder do governo. Ele ressaltou que o Estatuto da Juventude não é “autoaplicável” e precisa de regulamentação nos estados.
















http://www.alo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=140521

HLbsb
Oct 7, 2011, 1:57 PM
Fotos do Estádio Nacional tiradas ontem!

http://a3.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/300471_283062775046803_100000292474147_1144639_809298825_n.jpg

http://a2.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc7/302641_283062845046796_100000292474147_1144640_1131396100_n.jpg

http://a8.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/297819_283062945046786_100000292474147_1144641_2044546042_n.jpg

Fonte: Facebook do arquiteto (http://www.facebook.com/photo.php?fbid=283062945046786&set=a.283062695046811.76893.100000292474147&type=3&theater)

MAMUTE
Oct 7, 2011, 3:42 PM
:previous:Ótimas fotos, nota-se que está começando a subir as pilastras da arquibancada superior, vemos também que reservaram o espaço para o túnel de ligação com o centro de convenções:notacrook:

MAMUTE
Oct 7, 2011, 6:09 PM
Fifa faz 'contraproposta' sobre Lei Geral com documento oficial a sedes


Entidade indica nove pontos cujo controle não abrirá mão na Copa. Prefeito do Rio se dispôs a pagar diferença de meia-entrada com recursos do estado



Em mais um capítulo da discussão sobre a Lei Geral da Copa, cuja parte do texto tem criado atrito, a Fifa deu um passo que julga decisivo para agilizar seu processo de mudança e homologação. Aproveitando-se do seminário que reuniu as 12 sedes, na última quinta-feira, no Rio de Janeiro, a entidade repassou um documento oficial que destaca nove pontos que não abre mão de controlar no Mundial, independentemente do regimento brasileiro, que teria de se adequar. Não há novidades. Entre os principais estão ingressos, publicidade exclusiva, liberação de bebidas alcóolicas, nomes dos estádios e proteção a seus direitos comerciais.

http://s.glbimg.com/es/ge/f/original/2011/08/19/blatter_afp_62.jpg
De longe, Blatter comanda a pressão. Presidente da Fifa é esperado no Brasil até o fim do ano (Foto: AFP)


O material já está sendo analisado pela área jurídica de cada estado envolvido, e o prazo estipulado para respostas e sugestões ao Comitê Organizador Local (COL), órgão criado para que fiscalizar tudo relativo ao evento, é até a próxima quinta-feira. É muito provável, no entanto, que, por conta de tramitações burocráticas e divergências já existentes, nada saia do papel até o fim deste ano.

Itens como meia-entrada, prática utilizada no país, não são vistas com bons olhos pela Fifa, que calcularia deixar de embolsar cerca de US$ 100 milhões (R$ 180 milhões) em lucros. No entanto, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, mostrou-se disposto a "pagar a conta". Ou seja, que as sedes que desejem manter o benefício sem ferir o Estatuto do Torcedor ou o Código de Defesa do Consumidor teriam de arcar com a diferença do próprio bolso.

Pacificador, Paes pediu compreensão às exigências da entidade máxima do futebol, lembrando que, ao solicitar a Copa, o Brasil se submeteu ao que a Fifa sempre pregou na organização das competições anteriores. Segundo apuração, ao menos três sedes não estão de acordo com o fato e vem resistindo com mais intensidade a determinadas adequações.

- Sempre que aceitamos receber um evento, e isso se aplica a qualquer esfera, há pré-requisitados que são encorporados. Acredito que nossa intenção deva ser cumpri-los. Vamos sentar à mesa e ver o que é possível e o que não é possível - ponderou o prefeito.





http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2011/10/fifa-faz-contra-proposta-sobre-lei-geral-com-documento-oficial-sedes.html

MAMUTE
Oct 7, 2011, 6:11 PM
Confira abaixo a íntegra do texto original da Lei Geral da Copa, de setembro:


http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2011/10/fifa-faz-contra-proposta-sobre-lei-geral-com-documento-oficial-sedes.html


Nesse link temos o texto da lei geral da copa:)

MAMUTE
Oct 8, 2011, 12:41 AM
Governador do DF diz que "fará ajuste" em lei de meia-entrada para atender a Fifa durante a Copa


http://el.i.uol.com.br/noticia/2010/10/31/agnelo-queiroz-candidato-ao-governo-do-df-cumprimenta-reporteres-apos-votar-1288536375362_615x300.jpg
Agnelo Queiroz estuda revogar temporiamente, durante a Copa, o direito dos estudantes


O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, afirmou nesta sexta-feira que tem como fazer "o ajuste necessário" nas leis do DF para que a Fifa não tenha que oferecer meia-entrada para estudantes nos jogos da Copa do Mundo de 2014 em Brasília.

A entidade que controla o futebol mundial já deu mostras que não pretende seguir as legislações dos Estados brasileiros que vão sediar a Copa no que se refere à oferta da meia-entrada.

A solução para o impasse, já que a posição do governo federal é a de acatar a exigência da Fifa, é revogar temporiamente, durante a Copa, o direito dos estudantes, ou subsidiar, via dinheiro público, os ingressos mais baratos.

Queiroz não revela qual caminho irá seguir, embora se mostre certo de que a Fifa não sairá descontente: "O Brasil tem um compromisso internacional assumido e cabe a cada região adaptar-se a este compromisso", afirmou.

Apesar disso, o governador sinaliza para uma saída que suspenda a lei da meia entrada temporiamente: "Estamos tratando de um evento (a Copa). Não é uma modificação definitiva. Aqui no Distrito Federal, nós cumpriremos, sim, todas as exigências da Fifa e vamos fazer os jogos.

A posição do mandatário do Distrito Federal é semelhante à do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. O político carioca declarou, na última quinta-feira, que, em sua opinião, a Fifa pode cobrar os preços que bem entender nas partidas da Copa. "Quem determina o preço dos ingressos é a Fifa. Então, todos sabem que gratuidades e meia entradas nunca são sem custo, de fato. Alguém tem que pagar a conta".

No projeto de Lei Geral da Copa, de autoria do Planalto e que tramita no Congresso Nacional, está determinado que cabe exclusivamente à Fifa definir os preços dos ingressos de jogos e eventos da Copa. Não há, entretanto, qualquer menção às leis estaduais que garantem o direito dos estudantes a pagar 50% do valor das entradas.












http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/10/07/governador-do-df-diz-que-fara-ajuste-em-lei-de-meia-entrada-para-atender-a-fifa-durante-a-copa.htm

MAMUTE
Oct 8, 2011, 2:59 PM
BNDES já aprovou R$ 3 bi para estádios da Copa; Estados vão pagar os empréstimos



http://e.imguol.com/esporte/futebol/2011/09/21/novo-projeto-para-o-arena-das-dunas-rn-preve-10000-lugares-descobertos-1316648557135_615x300.jpg
O Estádio das Dunas, em Natal (RN), foi o último a obter o financiamento



O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) já aprovou financiamentos que somam R$ 3 bilhões para a construção dos estádios que serão utilizados na Copa do Mundo de 2014, de acordo com balanço parcial produzido pelo banco.

Das 12 arenas em construção ou reforma, nove entraram com o pedido de empréstimo, sendo que oito já foram aprovados. A solicitação do Estado do Paraná, de R$ 123 milhões para a reforma da Arena da Baixada, estádio privado do Atlético Paranaense, ainda segue em análise no banco estatal.

Corinthians e Internacional-RS ainda não entraram com o pedido de financiamento para a construção do Itaquerão e a reforma do Beira-Rio. O prazo é até o final do ano. Já o governo do Distrito Federal, que está reformando com dinheiro público o Mané Garrincha a um custo estimado de R$ 745 milhões, não deverá usar o financiamento disponível.

A quantidade de empréstimos pactuados com governos estaduais é mais uma das evidências de que a Copa do Mundo no Brasil será construída majoritariamente com dinheiro público. Dos nove pedidos feitos até agora, sete foram feitos pelos Estados que abrigam os estádios.

As exceções estão em Belo Horizonte (MG) e Natal (RN), onde os financiamentos serão selados (ainda falta a assinatura do contrato) com os consórcios responsáveis pelas obras. Esses consórcios, porém, realizam as obras em estádios públicos (Mineirão e Arena das Dunas), e foram contratados em esquema de PPP (Parceria público-privada) pelos governos estaduais.

Corinthians deve mostrar garantias

Lançado em 2010, o programa ProCopa Arenas é uma linha de crédito desenvolvida pelo BNDES especialmente para reforma ou construção das arenas que serão usadas no Mundial de 2014. As 12 sedes podem contratar o empréstimo, que não pode ultrapassar o teto de R$ 400 milhões.

No caso do estádio do Corinthians, como é a empreiteira Odebrecht que garantirá o pagamento do empréstimo junto ao BNDES, a empresa terá que apresentar a garantia exigida pelo banco estatal, de 130% do valor emprestado, ou o equivalente a R$ 520 milhões. Isso porque, de acordo com as regras do banco, este é o valor que deve ser oferecido como garantia para que o financiamento seja liberado.

Esse montante será oferecido a um banco intermediário que fechará a operação, outra exigência da instituição federal. Até o momento, a Odebrecht não entrou com um pedido formal para tomar o empréstimo. Segundo o UOL Esporte apurou, o Banco do Brasil será o provável intermediário.


Segundo um agente financeiro que acompanha de perto as negociações, todo esforço agora está concentrado na oferta de garantias ao BNDES. “O projeto financeiro já está pronto. A construtora lançará um fundo imobiliário para grande investidores.

Além disso, oferecerá o direito a parte da receita da nova arena, incluindo o patrocínio comercial (uma empresa privada poderá batizar estádio). "Está sendo criada uma empresa específica para receber esse dinheiro do BNDES, juridicamente enquadrada como Sociedade de Propósito Específico (SPE). O dinheiro sairá em nome dessa sociedade e as garantias serão oferecidas pela Odebrecht”, revelou o negociador.



DINHEIRO DO BNDES NAS ARENAS DA COPA



Demandante

Financiamento (em R$ milhões)

Situação



Estado do Amazonas

400

Contratado



Estado da Bahia

323,7

Contratado



Estado do Ceará

351,5

Contratado



Estado do Mato Grosso

392,3

Contratado



SPE Minas Arena

400

Aprovado



Estado do Paraná

123

Carta-consulta



Estado de Pernambuco

400

Contratado



Estado do Rio de Janeiro

400

Contratado



SPE Arena das Dunas (RN)

398,7

Aprovado



TOTAL

3.189,2



Fonte: BNDES






http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/10/08/bndes-ja-aprovou-r-3-bi-para-estadios-da-copa-sp-rs-e-df-ainda-nao-entraram-com-pedido.htm

pesquisadorbrazil
Oct 8, 2011, 3:26 PM
Sinceramente, do jeito que a lei da meia-entrada está é IMORAL. Pois até cursinho para FLANELINHA dá direito a ter uma carterinha de estudante, e claro, direito a meia-entrada.

Eu acho justo o seguinte, deveria continuar com a meia-entrada, mas limitada a 30% dos ingressos para qualquer evento, não apenas para Copa. Pois essa lei, precisa urgentemente ser regulamentada, ou melhor, a Secretaria de Educação passar a emitir essa carteira e não mais a UNE, UBES e por ai vai.

Pois essas entidades não prestam contas para aonde de fato vai a grana arrecadada pela emissão das carteirinhas.

Jota
Oct 8, 2011, 8:04 PM
:previous: Meia entrada é uma idiotice criada por políticos populistas que enganam a população. Não tem nenhuma base na realidade.

Mas brasileiro gosta de se iludir, e acha realmente que tem como uma atividade comercial dar 50% de desconto para sempre, para quem aparecer com uma carteirinha de estudante.

Custos são custos, não há lei que resolva isso.

MAMUTE
Oct 9, 2011, 7:52 PM
Governo bate o pé em dois pontos para a realização dos jogos da Copa


Planalto faz questão de manter a meia-entrada para idosos e o repasse das imagens de televisão


A presidente Dilma Rousseff elevou a voz diante das exigências da Fifa para a realização dos jogos da Copa do Mundo de 2014. Mas a resistência do governo brasileiro vai ater-se às questões federais, como a garantia da meia-entrada para os idosos durante as partidas ou a obrigatoriedade para que a emissora oficial dos jogos repasse, em até duas horas, 6% das imagens para os demais canais de televisão. Outros assuntos, como o desconto de 50% aos estudantes, deverão ser discutidos pela entidade máxima do futebol diretamente com os governadores, porque são temas regidos por legislações estaduais. Tanto que o Planalto vai se esforçar para que esse último seja retirado do Estatuto da Juventude, aprovado na semana passada na Câmara.

Dilma não quer, no entanto, passar uma imagem de que está cedendo demais às exigências externas. “O governo está colocando R$ 5 bilhões em financiamentos do BNDES para a construção dos estádios. Eles não podem achar que a festa é só deles, estamos subsidiando parte disso tudo”, reclamou ao Correio um interlocutor privilegiado da presidente Dilma.

Segundo a Fifa, “um evento da magnitude da Copa do Mundo tem suas especificações próprias e, portanto, a Fifa e o COL (Comitê Organizador Local) estão trabalhando em conjunto com as autoridades locais para chegar a uma solução apropriada e específica que irá garantir o necessário para um evento bem-sucedido e que ao mesmo tempo respeite a legislação local”.

Quando o Brasil aceitou sediar a Copa de 2014 — a escolha ocorreu em 2007, em uma cerimônia em Zurique (Suíça) na qual o país era candidato único — sabia que a entidade máxima do futebol estabelecia uma série de pré-requisitos para a organização do Mundial. “E nós estamos cumprindo todas essas questões. Daremos proteções às marcas, garantiremos liberdades de vistos de trabalho, isentaremos a Fifa dos impostos”, disse um aliado de Dilma. Em 2013, inclusive, o Brasil pretende lançar um novo satélite que atuará nas questões de segurança e também dará mais agilidade na transmissão dos sinais televisivos para a transmissão dos jogos.


http://imgsapp2.correiobraziliense.com.br/app/noticia_127983242361/2011/10/09/273199/20111008221237508750e.jpg
Blatter, presidente da Fifa: ao aceitar sediar a Copa, o governo brasileiro concordou com as condições da entidade

Divergências

A questão é que, quando o Brasil foi premiado com o direito de sediar a Copa do Mundo — dois anos depois o Rio de Janeiro venceu a disputa pelos Jogos Olímpicos de 2016 —, o país estava mais preocupado em sair exitoso na disputa do que em pesar os prós e os contras dessas conquistas. “Estão passando uma imagem errada de que a Copa é do país, do Brasil. É da Fifa World Cup. Ao aceitar ser sede, você concorda com as exigências impostas para isso”, afirmou o economista da Universidade de Brasília Clóvis Zapatta.

Esses discursos aparentemente divergentes ocorrem porque eventos esportivos desse porte envolvem não apenas questões esportivas, mas, sobretudo, aspectos políticos e econômicos. Teorias da chamada economia política, como as formuladas pelo professor Harry Hiller, na Universidade de Alberta, no Canadá, ou pelo professor Matthew Burbank, da University of Utah (USA), mostram que “governantes esforçam-se para trazer eventos de grande porte para os seus países por acharem que isso vai transformá-los em heróis nacionais perante seus eleitores”. E vendem a ideia de que esses grandes eventos são positivos porque embalam a economia nacional e deixarão um legado para a nação.

A tese vale para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Ambos foram a Copenhague, na Dinamarca, defender, respectivamente, o Rio de Janeiro e Chicago para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. O que diferencia é a percepção do eleitorado diante disso: os cidadãos de Chicago não encamparam a ideia de receber os jogos, enquanto os cariocas comemoram a conquista.

Clovis Zapatta, que é ex-pesquisador do Pnud — órgão das Nações Unidas para o Desenvolvimento e autor de um estudo “impactos econômicos e ambientais de megaeventos esportivos” —, não acredita que as diferenças de opinião possam levar aum rompimento entre as partes. “As grandes organizações esportivas têm se esforçado, ao longo dos últimos anos, para organizar grandes eventos em países em desenvolvimento ou em nações árabes.” Ele cita, por exemplo, a Copa de 2018, na Rússia, de 2022, no Catar, e a realização de etapas da Fórmula 1 em Cingapura e as Olimpíadas de Pequim em 2008. “Se olharmos o mapa-múndi dos Jogos Olímpicos, à exceção de México 1968, todos os demais ocorreram em nações do primeiro mundo”, disse Zapatta.






http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,14/2011/10/09/interna_politica,273199/governo-bate-o-pe-em-dois-pontos-para-a-realizacao-dos-jogos-da-copa.shtml

MAMUTE
Oct 11, 2011, 11:07 AM
Ministro não descarta adiamento de leilão de aeroportos



O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, não descarta que o leilão dos aeroportos internacionais de Brasília, de Viracopos, em Campinas, e de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, seja transferido para 2012. Previsto para 22 de dezembro deste ano, o pregão depende do aval de órgãos como o Tribunal de Conta da União (TCU), que podem não cumprir o prazo.



Segundo Bittencourt, o governo apresentou todos os documentos necessários para a realização da consulta pública - que antecede a divulgação do edital do leilão- e está em curso até o final do mês. "O que tinha que ser feito, foi feito. Entregamos tudo no final de setembro, como era previsto: o edital para consulta pública, a minuta do contrato e a minuta do acordo de acionista."



Para que o edital do leilão seja publicado em novembro, 45 dias antes do leilão, no entanto, além de avaliar as sugestões da consulta, Bittencourt disse que terá que aguardar a aprovação de outros órgãos. "Dependemos de uma série de movimentos de outras instituições", disse, após participar de evento na Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham RJ).



Segundo ele, o processo tem que ser feito com "delicadeza" e "tranquilidade", sem pressionar "a rotina de trabalho" das demais instituições. Para acelerar o processo, adiantou que apresentará até quinta-feira (13) as informações que foram pedidas pelo TCU, além de um complemento com dados econômicos e financeiros para avaliação por consulta pública.



Durante o evento, Bittencourt também voltou a afirmar que no modelo de concessão dos aeroportos não estão previstas demissões ou aumento de tarifas. Disse que a taxa criada para voos que precisem fazer conexões deve ser paga pelas empresas aéreas e não pelos viajantes - embora as companhias tenham sinalizado a intenção de repassar o valor para as passagens.



"O preço das passagens flutua conforme o mercado. Ou seja, de acordo com a demanda e a oferta: se tem mais competição, o preço cai. Não tem nada a ver com as taxas do aeroporto. Você pode até abaixar as tarifas e as companhias não diminuírem o preço das passagens", ressaltou Bittencourt.



De acordo com ele, ganhará o leilão dos aeroportos a empresa que oferecer o valor mais alto ao governo por ano pela administração dos terminais. O objetivo é investir o lucro da transação na aviação regional.














http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=368992

MAMUTE
Oct 12, 2011, 12:43 AM
Sei que não é o local próprio para postar, mas, é bem relevante.

________________________________________________________


PF vai abrir inquérito contra Ricardo Teixeira esta semana



Polícia irá investigar o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, por suspeita de remessa ilegal de dinheiro ao Brasil e lavagem de dinheiro

http://exame.abril.com.br/assets/pictures/38857/size_590_Ricardo_Teixeira_é_presidente_da_CBF.jpg?1315947186



Rio de Janeiro - A Polícia Federal vai iniciar ainda esta semana um inquérito para investigar o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do comitê organizador da Copa do Mundo de 2014, Ricardo Teixeira, por suspeita de remessa ilegal de dinheiro ao Brasil e lavagem de dinheiro, informou a PF nesta terça-feira.

O inquérito, que ficará a cargo da Delegacia de Combate a Crimes Financeiros, será aberto atendendo a requerimento do procurador da República no Rio de Janeiro Marcelo Freire, após denúncias na mídia envolvendo o principal dirigente do futebol brasileiro, disseram a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

"O inquérito sobre Teixeira será aberto ainda esta semana. A investigação será conduzida pela Delegacia de Combate a Crimes Financeiros", disse uma assessora da PF por telefone.

Segundo a PF, o pedido já foi analisado pela corregedoria do órgão e será encaminhado até sexta-feira à delegacia designada para investigar o caso. Após o fim da investigação, o inquérito será devolvido ao MPF, que decidirá se vai apresentar ou não denúncia contra Teixeira.

O dirigente pode ser convidado a prestar esclarecimentos, disse a PF.

Um grupo de trabalho que reúne procuradores da República das 12 sedes da Copa do Mundo de 2014, que acompanha todas as denúncias relativas à preparação do Mundial, encaminhou a representação ao Rio por ser o domicílio de Teixeira.

"O procurador da República Marcelo Freire enviou ofício para a Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro pedindo a instauração de inquérito policial para investigar o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, pelos crimes de remessa ilegal de dinheiro ao Brasil e lavagem de dinheiro", informou o MPF em nota.

A investigação vai se concentrar em denúncias feitas pela emissora britânica BBC de que Teixeira, junto com outros dois integrantes do comitê executivo da Fifa, supostamente receberam propina da ex-parceira de marketing da Fifa ISL nos anos 1990. A ISL faliu em 2001.

Segundo a BBC, foram feitos 175 pagamentos secretos pela ISL em 1989 e 1999, e a solicitação do Ministério Público Federal pede que a polícia investigue se parte desse dinheiro entrou no Brasil de forma ilegal através de empresas com sede em paraísos fiscais que seriam controladas por Teixeira, segundo o MPF.

Teixeira nega as acusações, e a Fifa afirmou que o brasileiro e os outros dois integrantes de seu comitê executivo acusados de receberem suborno -- Nicolás Leoz, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, e Issa Hayatou, chefe da Confederação Africana de Futebol -- não foram acusados de qualquer crime numa investigação realizada na Suíça em 2008 sobre a falência da ISL.










http://exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/pf-vai-abrir-inquerito-contra-ricardo-teixeira-esta-semana?page=2&slug_name=pf-vai-abrir-inquerito-contra-ricardo-teixeira-esta-semana

MAMUTE
Oct 13, 2011, 4:41 PM
Compra de equipamentos nacionais para a Copa é isenta de IPI



BRASÍLIA – A compra de equipamentos produzidos pela indústria nacional relacionados à realização da Copa do Mundo de 2014 está isenta, a partir desta quinta-feira, 13, do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A desoneração, no entanto, só serve para subsidiárias da Fifa (Federação Internacional de Futebol, na sigla em francês) ou empresas indicadas pela Fifa.

Se os bens vendidos pela indústria nacional às empresas que organizarão a Copa estão desonerados de IPI, as importações de bens relacionados ao mesmo evento estão isentas de mais impostos: Imposto de Importação, Cide, PIS/Cofins, além do IPI.













http://www.valor.com.br/online/brasil/atividade-economica/1049566/compra-de-equipamentos-nacionais-para-copa-e-isenta-de-ipi

MAMUTE
Oct 15, 2011, 11:38 AM
Fifa confirma Brasília na abertura da Copa das Confederações

Escolha da capital federal reforça tese de que São Paulo ficará com jogo de estreia em 2014


A Fifa e o Comitê Organizador Local (COL) bateram o martelo. Brasília está confirmada na cerimônia de estreia da Copa das Confederações, em 15 de junho de 2013.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, está inclusive com a passagem comprada para Zurique, onde desembarca no próximo dia 18 para acompanhar o Congresso da Fifa (dias 20 e 21).

É lá que será anunciada a partilha dos eventos da Copa brasileira –abertura, final, semifinais etc. O evento-teste deve ter ainda o Mineirão como local do encerramento.

http://www.portal2014.org.br/midia/noticias/thumb_fifa_confirma_brasilia_na_abertura_da_copa_das_confederacoes_6102011-182249-1.jpg
Perspeciva do interior do Mané Garrincha (crédito: Castro Mello Arquitetos)


A confirmação de Brasília na abertura de 2013 é mais um indício de que São Paulo ficará, de fato, com a abertura de 2014.

A escolha, aliás, é somente mais um lance do conhecido toma lá da cá praticado por Fifa e CBF. Prêmios de consolação. Preteridas do Mundial, Goiânia e Belém não foram consoladas com amistosos da seleção brasileira?

Sabe-se há tempos que a capital paulista é a favorita da entidade. Infraestrutura, capacidade hoteleira, poderio empresarial. Tudo pesa a favor dos paulistas, que têm como maiores inimigos exatamente... os paulistas.

Fontes ligadas à Fifa dizem que a decisão sobre a abertura pode ficar para depois, já que está amarrada aos desdobramentos da obra corintiana em Itaquera. Restam pendências como assinatura de contratos, definição do empréstimo e encerramento de ações na Justiça. Porém, governador, prefeito e o presidente do Corinthians também estarão na capital suiça no dia do anúncio.

Além disso, joga contra São Paulo a incômoda Lei Cidade Limpa. A proibição dos outdoors reduz a quase nada a exposição dos patrocinadores pelas ruas.
Resta ver se a capital paulista agirá como certos governos, rasgando leis para afagar a poderosa entidade da bola.











http://www.portal2014.org.br/noticias/8189/FIFA+CONFIRMA+BRASILIA+NA+ABERTURA+DA+COPA+DAS+CONFEDERACOES.html

Jota
Oct 15, 2011, 11:09 PM
Sei que o povo vai me apedrejar (O pesquisa vai berrar :haha:), mas acho que esse estadio Nacional será um enorme elefante branco e vamos nos arrepender do dinheiro gasto nele. Preferia que tivesse ficado o projeto para 45.000 pessoas.

MAMUTE
Oct 15, 2011, 11:28 PM
:previous:Eu acho o contrário, pois, sempre vai ter time grande querendo mandar jogos por aqui, vide o Flamengo, que quer mandar alguns jogos no bezerrão no ano que vem pelo brazileirão, é certeza de casa cheia:cheers: com outros times a coisa também poderá acontecer, Ex vasco, botafogo, são paulo, curintiá, palmeiras Etc...
sendo que aqui pode-se colocar ingressos de R$20 até R$50 que ninguem reclama e lota, fora a falta de locais para eventos de grande porte que também e certeza de casa cheia, se utilizar o novo estádio, e pra finalizar, se não fizessem o estádio aqui seria em outro lugar, que não iria nos trazer benefício algum:tup:

Jota
Oct 16, 2011, 2:13 AM
:previous:Eu acho o contrário, pois, sempre vai ter time grande querendo mandar jogos por aqui, vide o Flamengo, que quer mandar alguns jogos no bezerrão no ano que vem pelo brazileirão, é certeza de casa cheia:cheers: com outros times a coisa também poderá acontecer, Ex vasco, botafogo, são paulo, curintiá, palmeiras Etc...
sendo que aqui pode-se colocar ingressos de R$20 até R$50 que ninguem reclama e lota, fora a falta de locais para eventos de grande porte que também e certeza de casa cheia, se utilizar o novo estádio, e pra finalizar, se não fizessem o estádio aqui seria em outro lugar, que não iria nos trazer benefício algum:tup:

Desculpe não vejo por que isso aconteceria, mas o tempo vai responder. Espero estar enganado, mas tenho quase certeza que depois da copa esse estadio vai ficar as moscas, sendo usado apenas em alguns grandes eventos, acho ate mais fácil dar lucros em eventos do que com times jogando aqui.

Não conheço nenhum estadio por melhor que seja que tenha feito os times deixarem de jogar em suas cidades de origem para jogar em outra cidade.

Mas enfim vamos ver.

emblazius
Oct 16, 2011, 6:54 AM
Meia entrada deveria ser só para deficientes. Arrisco dizer que até para idoso não seria necessário. Se trata de custo que outros irão bancar. Custear estudantes não tem fundamento, isso é papel dos pais. O idoso também, em regra, já possui sua aposentadoria para custear seus gastos. Agora o deficiente, este sim, por ser uma minoria privada de muitos direitos, principalmente o de circular em segurança (calçadas, onibus, acessos e etc) merece sim a meia entrada. O resto que trabalhem e paguem inteira. Daqui a pouco é cota pra índio, negros, beneficiarios do bolsa familia, LGBTT, e etc. Como tudo no Brasil a idéia é boa e começa a ser desvirtuada para atender interesses politico eleitorais. E coitado do que tiver coragem de botar o dedo na ferida. É fascista, nazista, chauvinista, burgues,da direita conservadora, neoliberal e etc. Kakaka.

Espartano_bsb
Oct 16, 2011, 10:02 AM
Sei que o povo vai me apedrejar (O pesquisa vai berrar :haha:), mas acho que esse estadio Nacional será um enorme elefante branco e vamos nos arrepender do dinheiro gasto nele. Preferia que tivesse ficado o projeto para 45.000 pessoas.

Penso da mesma forma. :tup:

MAMUTE
Oct 16, 2011, 11:02 AM
:previous:Eu concordo com o pensamento de voçês, é muito dinheiro aplicado numa única coisa, mas, vejamos, se fosse construido um estádio de 45 Mil lugares, o custo seria praticamente o mesmo, sabendo que, a obra seria um novo monumento para a cidade, como é o atual estádio em obras, e tem estádios que são com capacidade de até 45 mil lugares e custam bem caro, Ex arena pantanal, custo 463 milhões, aqui em Brasília seria mais caro que isso, podem ter certeza:yes::yes:

MAMUTE
Oct 16, 2011, 1:31 PM
Governador viaja para acompanhar o anúncio oficial da abertura da Copa


O governador Agnelo Queiroz (PT) embarca nesta terça-feira com destino a Zurique, na Suíça, para acompanhar a reunião do Comitê Executivo da Federação Internacional de Futebol (Fifa) nos dias 20 e 21. Na pauta, a divulgação das cidades que vão abrir a Copa do Mundo de 2014 e a Copa das Confederações de 2013. Brasília, uma das sedes dos dois mundiais, está na disputa para ser escolhida como anfitriã das partidas de estreia. A Fifa também deverá definir e divulgar os calendários dos campeonatos. A capital do país está no páreo para a abertura da Copa do Mundo com Belo Horizonte, São Paulo e Salvador. O Rio de Janeiro, que vai abrigar o Centro de Imprensa da competição, deve realizar o jogo final no Maracanã.

Agnelo vai a Zurique acompanhado do chefe de gabinete e secretário-executivo do Comitê Gestor da Copa, Cláudio Monteiro, e da secretária de Comunicação, Samanta Sallum, além dos deputados distritais Olair Francisco (PTdoB) e Israel Batista (PDT), respectivamente presidente e vice-presidente da recém-criada Frente Parlamentar em Defesa de Brasília como Sede para a Abertura da Copa de 2014. A expectativa no Governo do Distrito Federal é grande em relação à estreia dos jogos da Copa das Confederações, evento que ocorrerá um ano antes do Mundial de Futebol. Esse campeonato é uma espécie de preparação para o evento que reunirá as principais seleções no ano seguinte.

Embora o governador do DF esteja trabalhando e apresente um adiantado cronograma de conclusão do Estádio Nacional de Brasília — a obra já está com 40% da estrutura concluída —, entre integrantes do Executivo há uma avaliação de que São Paulo é um adversário difícil de bater como sede da abertura da Copa de 2014. A obra do estádio Itaquerão, do Corinthians, está atrasada, mas o esforço do governo paulista para abrir o mundial tromba com o poder econômico e a infraestrutura de São Paulo, além de uma torcida explícita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Há, no entanto, otimismo no GDF em relação à partida inaugural da Copa das Confederações. Brasília está bem cotada. Os jogos serão realizados também no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, em Salvador e em Porto Alegre. Além de Agnelo, os governadores da Bahia, Jaques Wagner (PT), e de Minas Gerais, Antônio Anastasia (PSDB), também devem acompanhar a reunião da Fifa. Há uma aposta de que Belo Horizonte seja escolhida para o jogo final da Copa das Confederações. “Estamos com grande expectativa de que Brasília receberá uma boa notícia em Zurique como reconhecimento de que estamos cumprindo o nosso dever de casa. Nosso estádio é um exemplo de obra”, disse o governador Agnelo Queiroz.

Agenda
Operários responsáveis pela construção do Estádio Nacional têm trabalhado em três turnos para que o empreendimento seja inaugurado em dezembro de 2012. O orçamento destinado à obra pode ultrapassar R$ 750 milhões. O Governo do Distrito Federal prepara uma agenda de eventos que prevê a Copa das Confederações, em 2013; a Copa do Mundo, em 2014; a Copa América, em 2015; e a realização de partidas de futebol nas Olimpíadas de 2016. Brasília está ainda inscrita como candidata a sede dos Jogos Mundiais Universitários — Universíade, no verão de 2017. Trata-se de um dos grandes eventos esportivos internacionais que mistura jogos universitários com Olimpíadas.

O DF concorre apenas com Taipé, em Taiwan, uma vez que Kocaeli, na Turquia, desistiu da disputa. Brasília entrou na corrida como único representante brasileiro, com o apoio do Ministério do Esporte e do governo federal. Em agosto, Agnelo foi a Shenzhen, ao norte de Hong Kong, na China, para oficializar a candidatura. O governador acompanhou a abertura dos jogos de verão deste ano na cidade chinesa. No fim de outubro, uma comissão da Federação Internacional do Esporte Universitário virá a Brasília para uma visita de inspeção, última etapa antes da definição sobre qual cidade vai abrigar o terceiro maior evento esportivo do planeta. O anúncio da escolhida ocorrerá em 29 de novembro.

Na semana passada, representantes da cidade sul coreana de Gwangiu, sede da competição em 2015, esteve no DF, para firmar convênios de cooperação com as candidatas dos jogos de 2017.








http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/10/16/interna_cidadesdf,274085/governador-viaja-para-acompanhar-o-anuncio-oficial-da-abertura-da-copa.shtml

MAMUTE
Oct 16, 2011, 1:37 PM
Brasil não sabe quanto custará a Copa


A Copa do Mundo no Brasil vai tomar forma na quinta-feira, quando a Fifa divulgará o calendário com datas, locais e horários dos jogos. No dia 30, completam-se quatro anos que o País foi anunciado como sede da competição. Desde então, algumas coisas foram feitas, mas há muito por fazer. Os estádios ficarão prontos a tempo. O mesmo não se pode garantir em relação aos aeroportos e às 49 obras de mobilidade urbana ligadas à Copa. "Certeza" absoluta, só uma: ninguém sabe quanto ficará a conta da empreitada.

No último balanço divulgado pelo governo federal, em setembro, o custo da Copa, considerando-se o dinheiro a ser investido em estádios, portos e aeroportos e em mobilidade urbana, foi estimado em R$ 27,1 bilhões. Aumento de cerca de 14% em relação aos R$ 23,1 bilhões do balanço de janeiro e de 26% sobre os R$ 21,5 bilhões de previsão feita em 13 de janeiro de 2010, quando o ex-presidente Lula assinou a Matriz de Responsabilidade.


Esses R$ 27,1 bilhões estão a anos-luz de uma estimativa feita pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), que calculou em R$ 112 bilhões o custo com a Copa. O estudo da associação, que tem parceria técnica com a CBF e o Ministério do Esporte, inclui também gastos com hotelaria, segurança, tecnologia e saúde, entre outros. Mesmo assim, a diferença é grande, pois o balanço do governo acrescenta apenas R$ 10,3 bilhões para esses itens.


Os números são mesmo conflitantes. Na sexta-feira, o governo divulgou atualização na Matriz de Responsabilidade e a conta baixou para R$ 26,1 milhões. "A Matriz é um documento que precisa ser atualizado com os ajustes que são feitos enquanto a obra está em andamento. Isso é essencial para a transparência do processo", esclareceu Alcino Reis, secretário Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor do Ministério do Esporte. Mas não evita, ou diminui, a confusão. No mesmo dia, a Controladoria Geral da União (CGU)inaugurou ferramenta no portaldatransparência.gov.br que permite acompanhar os custos estimados por área de investimento. Valor da soma dos gastos com estádios, aeroportos e portos e mobilidade urbana: R$ 24,024 bilhões.





http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=369897

MAMUTE
Oct 17, 2011, 12:39 PM
Projeto entregue pela Fifa pede a mudança dos nome de estádios no país


Em meio à controvérsia para definir que a legislação deverá prevalecer durante a Copa de 2014, integrantes da Federação Internacional de Futebol, a Fifa, apresentaram aos representantes das 12 cidades sedes uma proposta de projeto de lei que dá plenos poderes à entidade para alterar regras municipais e estaduais. O texto — que o Correio teve acesso com exclusividade — foi entregue no início deste mês em encontro entre as cidades sedes e representantes da entidade internacional no Rio de Janeiro. Um dos pontos dá autonomia à entidade para mudar o nome de estádios temporariamente.

O prazo dado pela Fifa para que sejam apresentadas, por e-mail, sugestões à proposta expira no próximo dia 21. Após essa etapa, o projeto deve ser encaminhado pelos Executivos estaduais ou municipais para votação nas respectivas assembleias legislativas. Um outro projeto, o da Lei Geral da Copa, está em tramitação no Congresso Nacional, e também dá poderes especiais à Fifa durante o evento no Brasil.

No documento entregue aos Executivos locais, a Fifa aborda em sete capítulos temas como o controle de entrada nos estádios, oferta e comercialização de ingressos, segurança nos locais oficiais, consumo e comercialização de alimentos — além de bebidas e produtos — e publicidade. No último artigo do documento, a Fifa deixa claro o desejo de que as novas regras tenham validade apenas até 31 de dezembro de 2014, ano em que serão realizados os jogos da Copa do Mundo. A janela jurídica para os casos de isenção de impostos se estenderia, entretanto, até dezembro de 2015.

http://imgsapp2.correiobraziliense.com.br/app/noticia_127983242361/2011/10/17/274171/20111017073948589408a.jpg
A Arena Pernambuco, na cidade de São Lourenço da Mata, é um dos 12 estádios da Copa em construção: mudança de nome a critério da Fifa

Em relação aos tributos a proposta determina: “É conferida à Fifa isenção de quaisquer taxas — estaduais/municipais — ou preços públicos devidos em decorrência da prestação de serviços ou do exercício de quaisquer outras atividades decorrentes desta lei”. O documento trata de outras questões polêmicas como o uso da meia-entrada para a compra dos ingressos dos jogos. Atualmente, as pessoas com mais de 60 anos têm asseguradas, pelo Estatuto do Idoso, o direito a pagar a metade do ingresso para eventos artísticos, que incluem atividades esportivas. No caso dos jovens, essa regra varia de estado para estado, e é um dos itens do Estatuto da Juventude em discussão no Congresso Nacional .

“Nenhuma norma que conceda gratuidade, redução de preço, meia-entrada ou qualquer outra forma de subvenção ao consumidor sobre os preços dos ingressos será aplicável aos eventos”, assegura a Fifa em trecho da proposta. Além de vedar a redução dos valores dos ingressos, a entidade proíbe a criação de cotas. “Inclui-se qualquer norma que disponha sobre a reserva de quantidade absoluta ou percentual de ingressos para quaisquer categoria de pessoa, seja para distribuição gratuita, venda preferencial ou preço reduzido.”

Alteração

A autonomia sobre os estádios, prevista na proposta, inclui a prerrogativa de a Fifa poder alterar temporariamente os nomes dos estabelecimentos esportivos e de apenas ela ter exclusividade sobre o uso desses novos nomes. “Durante o período da competição, fica vedado o uso dos nomes temporários adotados pelos estádios pelas entidades públicas ou privadas a quem pertençam tais estádios ou por aquelas que os administram, pelos clubes a ele associados e por pessoas por eles licenciadas.”

Quanto à comercialização de produtos dentro dos estádios — segundo a proposta — o consumo de bebida alcoólicas fica liberado para as marcas escolhidas pela entidade. Hoje essa prática é proibida em alguns estados. Do lado de fora dos estádios, deverá ser criada, pelas prefeituras, uma zona de 2km no entorno dos estabelecimentos para atividades comerciais e de publicidade destinada aos parceiros que a Fifa indicar. De acordo com o projeto, essa área exclusiva também se estende ao espaço aéreo.

Durante o período dos jogos a realização de grandes eventos abertos ao público só poderá ser autorizada pelos órgãos competentes, “contanto que tais eventos não se associem aos eventos, com o fim de obter vantagem econômica, comercial ou de imagem”.

Meia-entrada

Atualmente apenas as pessoas com mais de 60 anos de idade têm assegurado o uso da meia-entrada para a compra de ingressos em todo o país. Essa prerrogativa está prevista no Estatuto do Idoso, uma lei federal. No caso dos estudantes, a regra varia de estado para estado. Tramita no Congresso Nacional o Estatuto da Juventude, que caso seja aprovado poderá “federalizar” a regra da meia-entrada para os jovens até 29 anos. A proposta da Fifa encaminhada aos estados e municípios proíbe a redução dos preços dos ingressos durante a Copa.

Tribunal especializado

Outra polêmica prevista na Lei Geral da Copa é a criação de uma corte específica para tratar dos casos ocorridos durante os jogos da Copa. A ideia é defendida pela Fifa, mas duramente contestada por integrantes do STF. Para, o ministro Marco Aurélio, a medida desrespeita as instituições do país.

Vistos de entrada

Se o projeto da Lei Geral da Copa for aprovado, até o dia 31 de dezembro de 2014 serão concedidos, sem qualquer restrição, vistos a todos os membros da delegação da Fifa. Essa regra se estende a todos os torcedores que possuam ingressos para os jogos da Copa.















http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,14/2011/10/17/interna_politica,274171/projeto-entregue-pela-fifa-pede-a-mudanca-dos-nome-de-estadios-no-pais.shtml

MAMUTE
Oct 19, 2011, 11:55 AM
Dilma tira poder de Orlando Silva e assume a Copa


Por decisão da presidente Dilma Rousseff, o ministro do Esporte, Orlando Silva, não será interlocutor do governo nas negociações da Copa de 2014 e na tramitação da Lei Geral da Copa no Congresso. A partir de agora, as decisões relativas à Copa ficarão centralizadas no Palácio do Planalto, nas mãos da presidente e da chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. A decisão foi tomada diante do desgaste do ministro com a denúncia de que estaria envolvido num esquema de corrupção na pasta.

Embora o futuro de Orlando Silva ainda esteja indefinido e vá depender do desenrolar das denúncias e de respostas que ele apresentar, o certo é que o titular do Esporte já perdeu poder.


O ministro do Esporte - seja Orlando Silva ou não - passará a ser comunicado das providências a serem tomadas no Palácio do Planalto.


Dilma não está satisfeita com o trabalho de Orlando. Na segunda-feira, ainda em Pretoria, ela ficou irritada com o que leu na imprensa e chegou a telefonar para um ministro a fim de saber quem disse que ela aprovava o trabalho do ministro. A presidente, na realidade, afirmou que aprovara apenas as primeiras explicações dadas por ele em relação às denúncias de corrupção.


Segundo informações de bastidores do Planalto, Dilma cogitava ela mesma cuidar da realização da Copa do Mundo logo que assumiu o mandato, por considerar Orlando Silva muito próximo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).


Dilma nunca quis proximidade com a CBF por avaliar que a entidade exigia privilégios que ela não pretende conceder. Com as relações cada vez mais azedas entre Dilma e o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e percebendo que se não mudasse de postura poderia perder o cargo, o ministro decidiu trocar de posição. Tanto é que ajudou a presidente a convencer o ex-craque Pelé a assumir o papel de embaixador honorário do Brasil na Copa do Mundo, uma forma de afastar Ricardo Teixeira das cerimônias oficiais relativas à realização do torneio de futebol.


Vigilante



Apesar de estar na África, Dilma Rousseff recebe informações sobre a evolução de toda a crise envolvendo Orlando Silva. Seus auxiliares disseram a ela que Orlando teve uma "boa performance" no depoimento de ontem, na Câmara, e se defendeu das acusações com muita veemência.


O governo teme a continuidade do desgaste. Nesta quarta-feira, Orlando presta depoimento aos senadores. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




















http://www.maiscomunidade.com/conteudo/2008-05-19/brasil/114457/DILMA-TIRA-PODER-DE-ORLANDO-SILVA-E-ASSUME-A-COPA.pnhtml

MAMUTE
Oct 20, 2011, 4:49 PM
Abertura da Copa 2014 será em São Paulo e Brasília abre Copa das Confederações



São Paulo foi a cidade escolhida para ser o palco de abertura da Copa do Mundo de 2014 e o Rio de Janeiro sediará a final do torneio. Já a estreia da Copa das Confederações, que será realizada em 2013, será na capital federal e terminará no Rio de Janeiro. Os anúncios foram feitos pela Fifa nesta quinta-feira (20), em Zurique, na Suíça.

Foram feitas 57 versões da tabela da Copa do Mundo, pois foi levado em consideração diversos aspectos como o clima, distâncias, infraestrutura, política e dinheiro.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), acompanhou o anúncio oficial pelo secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ricardo Teixeira.

"O Maracanã é um ícone do futebol mundial e a final da Copa do Mundo não poderia ser em um lugar diferente", afirmou o presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

O Estádio Nacional de Brasília é um dos mais adiantados entre as 12 sedes da Copa do Mundo. De acordo com o Governo do Distrito Federal, o estádio está com 40% das obras concluídas e a arena será inaugurada em 31 de dezembro de 2012.

Copa das Confederações
Serão seis sedes, sendo quatro já confirmadas: Brasília, Rio de Janeiro, Fortaleza e Belo Horizonte. Mais duas capitais serão sedes, caso confirmem a conclusão das obras até o mês de junho de 2012: Recife e Salvador.

A tabela será divulgada posteriormente pela FIFA, por conta do andamento das obras dos dois estádios ainda não confirmados.

Copa do Mundo
Doze cidades foram escolhidas como sedes da Copa: Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

O Brasil jogará na primeira fase em três sedes: São Paulo, Fortaleza e Brasília, sendo o cabeça de chave do grupo A.

As partidas acontecerão em diversos horários. Na abertura, em São Paulo, o Brasil iniciará a caminhada para o hexa às 17 horas. As outras partidas da primeira fase serão às 13, 16, 19 e 22 horas.

Nas oitavas e quartas-de-final, os jogos acontecerão às 13 e às 17 horas. Já as semifinais, em São Paulo e Belo Horizonte, e a disputa do terceiro lugar, em Brasília, são jogadas às 17 horas. A grande final no Rio de Janeiro acontece às 16 horas.

Confira os jogos que acontecerão em Brasília na Copa do Mundo:

15 de junho - 13:00 - Grupo E: E1 x E2
19 de junho - 13:00 - Grupo C: C1 x C3
23 de junho - 13:00 - Grupo A: Brasil x A4
26 de junho - 16:00 - Grupo G: G2 x G3
30 de junho - 13:00 - Oitavas-de-final: 1º do grupo E x 2º do Grupo F
05 de julho - 17:00 - Quartas-de-final: quarta decisão
12 de julho - 17:00 - Decisão do 3º lugar











http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=370761

MAMUTE
Oct 22, 2011, 11:06 AM
Salvador ouve piadas, minimiza seleção e questiona Itaquerão



Uma das quatro candidatas à abertura do Mundial-2014, a capital baiana não só ficou de mãos vazias após o anúncio da Fifa, nesta quinta-feira, como ainda não tem nem mesmo a confirmação de que receberá a Copa das Confederações-2013, a qual também vislumbrava a estreia ou a decisão.

Não bastasse, Salvador viu Fortaleza ganhar a preferência no Nordeste --também com seis partidas na Copa, mas com chance de receber até duas vezes a seleção brasileira.

"Enquanto o governador prova o chocolate francês, nós tomamos outro 'chocolate' de nossos irmãos cearenses", provocou no Twitter o vereador Sandoval Guimarães, do PMDB, que no Estado faz oposição ao PT do governador Jaques Wagner.

De Paris, onde cumpre agenda oficial, o governador enviou nota para se dizer "satisfeito" com as definições da Fifa.

As redes sociais, aliás, viraram palco para outra brincadeira sobre o assunto, aproveitando que a única forma de a seleção atuar na Bahia é se terminar como a segunda de seu grupo, algo que não acontece desde a Copa de 1978, e ainda passar pelas oitavas de final.

Internautas logo inundaram Twitter e Facebook afirmando que Salvador precisar torcer contra o time de Mano Menezes para conseguir abrigar o Brasil.

http://f.i.uol.com.br/folha/esporte/images/11293696.jpeg
Obras da Arena Fonte Nova, em Salvador


ITAQUERÃO

A "perda" da preferência regional foi atribuída à capacidade reduzida (50 mil pessoas) da Arena Fonte Nova, exatamente o principal alvo de reclamação das torcidas baianas desde que projeto do estádio foi lançado, em meados de 2009.

Secretário estadual da Copa, Ney Campello admite que a situação deve ter influenciado, assim como o fato de Fortaleza estar realizando "apenas" uma reforma no Castelão, e não uma reconstrução. Porém ele rebate, citando inclusive a arena de São Paulo.

"Isso não deveria ser motivo para nos descredenciar, já que o Itaquerão [campo do Corinthians] vai utilizar estrutura provisória para aumentar de tamanho, algo que havíamos assegurado fazer desde o ano passado, se fosse preciso, inclusive com uma empresa suíça já contratada para resolver a questão", diz.

Em seguida, tenta destacar o outro lado de não receber a seleção. "Do ponto de vista econômico, será bem melhor ter equipes de fora. O aporte de recursos do turista estrangeiro é três vezes maior, em média, que o do turista doméstico".

O secretário ainda diz não entender motivo de Salvador ter sido colocada em estado de alerta, ao lado de Pernambuco, para a Copa das Confederações-2013. "Vamos enviar um ofício para saber quais condicionantes são essas. Nossas obras estão no prazo e podemos oferecer a garantia que a Fifa desejar", afirma.

Ney Campello chama de boato a possibilidade de a Fonte Nova ser concluída somente em 2013, a pouco meses da competição internacional. "Nós falávamos apenas da hipótese de aproveitar o aniversário de Salvador [em 29 de março] para um ato de inauguração".

Acredita que isso pode ter prejudicado a cidade.











http://www1.folha.uol.com.br/esporte/994547-salvador-ouve-piadas-minimiza-selecao-e-questiona-itaquerao.shtml

MAMUTE
Oct 22, 2011, 7:59 PM
Atraso nas obras do Itaquerão pode dar abertura da Copa a Brasília



Quando anuncia que o Itaquerão ficará pronto em setembro de 2013, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, está apenas agindo como torcedor. O prazo oficial para a conclusão da arena é dezembro de 2013. E olhe lá. De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU), a própria construtora admite que pode entregar a obra apenas em fevereiro de 2014 — prazo máximo dado pela Fifa.

Integrantes do Governo do Distrito Federal (GDF) imaginam que um atraso pode ser fatal para São Paulo e estão de olho no que — avaliam — pode sobrar para o Estádio Nacional. A arena de Brasília foi muito bem contemplada na partilha dos jogos. Fará a abertura da Copa das Confederações, em 15 de junho de 2013, e ainda receberá sete jogos da Copa do Mundo, incluindo um da Seleção Brasileira.

Qualquer imprevisto com as obras do Itaquerão — e uma eventual possibilidade de atraso além de fevereiro de 2014 — obrigatoriamente empurra o jogo inaugural para outra cidade. Nesse caso, Brasília ou Rio leva a partida. E essa possibilidade já foi cogitada. Se for no Distrito Federal, o mais provável é que o Rio fique com a última partida da primeira fase da Seleção, em vez de Brasília, que receberia o primeiro jogo. A mudança afetaria ainda o cabeça de chave do Grupo H, que perderia a oportunidade de jogar no Maracanã e faria o seu jogo, em 22 de junho, em Salvador, e não mais no Rio.

Segue a festa por aqui - Empolgados com a escolha do Estádio Nacional de Brasília como sede da abertura da Copa das Confederações e - mais que isso - com a confirmação de que a arena será a que mais jogos do Mundial vai receber, ao lado do Rio, operários que trabalham nas obras continuaram ontem a celebração de que o DF será um dos mais importantes polos da Copa do Mundo. O objetivo da turma é seguir com o ritmo forte para cumprir, com folga, a data marcada para a inauguração do estádio: 31 de dezembro do ano que vem.













http://www.df.superesportes.com.br/app/19,156/2011/10/22/noticia_copa_do_mundo,24647/atraso-nas-obras-do-itaquerao-pode-dar-abertura-da-copa-a-brasilia.shtml

MAMUTE
Oct 23, 2011, 3:15 PM
Palco de abertura da Copa-2014, Itaquerão está cercado pelo crack



O palco de abertura da Copa do Mundo de 2014 está cercado pelo crack, informa reportagem exclusiva da Folha deste domingo --o acesso ao conteúdo completo é exclusivo para assinantes. Usuários se espalham pelo entorno das obras do estádio do Itaquerão, na zona leste de São Paulo.

Moradores da região relatam que o uso de drogas no local já existia antes mesmo do anúncio do novo estádio.

A dinâmica da cracolândia local de Itaquera foi registrada pelos repórteres-fotográficos Hélio Hilarião e Rafael Firmino. Durante seis meses, a dupla identificou e fotografou três pontos de consumo de drogas no perímetro da arena. A estimativa é que ao menos cem viciados circulem por ali --entre eles, mulheres e adolescentes.













http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/994866-palco-de-abertura-da-copa-2014-itaquerao-esta-cercado-pelo-crack.shtml

pesquisadorbrazil
Oct 24, 2011, 12:05 PM
Eu não questiono tamanho do estádio. Uma coisa é doideira no BRASIL, e todos tem que concordar. Se fazem grande demais o povo reclama, se fazem pequeno demais o povo reclama.

Então na realidade ninguem sabe realmente o tamanho ideal para cidade, se uma arena multiuso de 45 mil ou de 71 mil. Pra min, eu prefiro que construa para 71 mil. Pois os riscos de ter que no futuro fazer puxadinhos é demais. Sem falar que iria ficar caro é claro.

Se vai ficar ocioso ou não, ninguem sabe. Uma coisa é fato, apartir de dezembro, a cidade de Brasília vai entrar na rota de grandes shows e eventos internacionais. E dificilmente vai virar um elefante branco.

Agora mudando de assunto, o povo foi no evento da feira do empreendedor? Viu a maquete do estádio? Eu reparei as expansões que ao redor do estádio vai ter, caso a cidade for escolhida para sediar a UNIVERSIADE em 2017. A reforma e ampliação do ginásico Claudio Coutinho, a ampliação do complexo de piscinas entre outros.

E agora vou além. voltando ao assunto do elefante branco. Uai não falaram que Brasília seria um elefante branco? Que nada aqui iria funcionar, que nada iria gerar lucros aqui. Fizeram uma cidade para 500 mil e ele chegou ao limite do planejado 10 anos depois. O mesmo poderá ocorrer com o estádio.

pesquisadorbrazil
Oct 24, 2011, 12:09 PM
O mais engraçado agora é que o povo anda reclamando do cronograma dos jogos. Até os cariocas que ficaram com praticamente tudo, querem jogos da seleção. Brasília poderia abrir mão do jogo, se o Rio abrisse mão do Centro de Midia. Pode ser?

TherealdealDF
Oct 25, 2011, 4:00 PM
Agora mudando de assunto, o povo foi no evento da feira do empreendedor? Viu a maquete do estádio? Eu reparei as expansões que ao redor do estádio vai ter, caso a cidade for escolhida para sediar a UNIVERSIADE em 2017. A reforma e ampliação do ginásico Claudio Coutinho, a ampliação do complexo de piscinas entre outros.

Pesquisador,
Você saberia informar se centro olímpico da Unb também não seria utilizado para os jogos da Universiade? parece-me que tem um projeto de reforma do CO, inclusive com a construção de um estádio de atletismo. Confere a informação?

pesquisadorbrazil
Oct 25, 2011, 5:18 PM
Pesquisador,
Você saberia informar se centro olímpico da Unb também não seria utilizado para os jogos da Universiade? parece-me que tem um projeto de reforma do CO, inclusive com a construção de um estádio de atletismo. Confere a informação?

Até aonde eu sei, o GDF não vai utilizar o CO da UNB, até mesmo porque, não tem verba para essa obra. Somente o CO que o GDF vai construir tem orçamento. O CO da UNB é apenas um sonho nada de concreto saiu e nem vai sair.:hell:

HLbsb
Oct 25, 2011, 11:49 PM
:previous:

Esses dias li uma matéria, não lembro onde, em que um secretário do GDF dizia que utilizaria o CO da UnB para uma possível universiade.

Na verdade, ganhando apoio do governo federal, como obviamente irá acontecer, sai o dinheiro para a reforma do CO que é o local mais óbvio para o evento.

Só quero entender, por outro lado, como está sendo pensada a logistica de transportes entre o Jockey, onde o Agnelo disse será a Vila dos atletas, e a UnB.

Imagino que, como normalmente ocorre, a vila seria construída no Jockey e depois do evento os apartamentos seriam vendidos.

pesquisadorbrazil
Oct 26, 2011, 11:58 AM
:previous:

Esses dias li uma matéria, não lembro onde, em que um secretário do GDF dizia que utilizaria o CO da UnB para uma possível universiade.

Na verdade, ganhando apoio do governo federal, como obviamente irá acontecer, sai o dinheiro para a reforma do CO que é o local mais óbvio para o evento.

Só quero entender, por outro lado, como está sendo pensada a logistica de transportes entre o Jockey, onde o Agnelo disse será a Vila dos atletas, e a UnB.

Imagino que, como normalmente ocorre, a vila seria construída no Jockey e depois do evento os apartamentos seriam vendidos.

Isso mesmo, geralmente esses apartamentos serão comercializados depois. A logistica já está pronta, a Estrutural ou EPCL (estrada parque ceilândia), vai ganhar vias marginais e também via exclusiva de ônibus, então vai existir um BRT desde o terminal do metrô da BR 070, futuro terminal é claro, até a Rodoviária do Plano Piloto.

Jota
Oct 26, 2011, 2:06 PM
:previous:

Esses dias li uma matéria, não lembro onde, em que um secretário do GDF dizia que utilizaria o CO da UnB para uma possível universiade.

Na verdade, ganhando apoio do governo federal, como obviamente irá acontecer, sai o dinheiro para a reforma do CO que é o local mais óbvio para o evento.

Só quero entender, por outro lado, como está sendo pensada a logistica de transportes entre o Jockey, onde o Agnelo disse será a Vila dos atletas, e a UnB.

Imagino que, como normalmente ocorre, a vila seria construída no Jockey e depois do evento os apartamentos seriam vendidos.

Oh rapa, lembra ai onde vc leu essa materia. Mas realmente acho que fica meio longe o Jockey Clube do CO, mesmo com intervenções citadas pelo Pesquisa. Vamos ver.

TherealdealDF
Oct 26, 2011, 2:24 PM
O Jornal da Comunidade noticiou a vila no Jockey.

"Agnelo apresenta Brasília à China
Com o objetivo de sediar Universíade, em 2017, governador tem três dias para mostrar que Brasília está pronta para sediar grandes eventos

A agenda de compromissos do governador Agnelo Queiroz, em Shenzhen, na China, é intensa. No país, ele terá encontros decisivos para a candidatura de Brasília como sede da Universíade em 2017. Na sexta-feira (12), o governador esteve reunido com representantes do governo chinês e, na companhia deles participou da abertura oficial da 26ª edição dos jogos. Os quase 10 mil atletas, representando 152 países, começaram a competir no sábado (13) nas mais de 20 modalidades esportivas, como futebol, atletismo, vôlei, basquete, saltos ornamentais, entre outras. Desde que chegou ao país o governador está empenhado em apresentar Brasília aos organizadores do evento. Entre as qualidades da capital federal, Agnelo destacou a mobilidade urbana e a privilegiada localização do Estádio Nacional de Brasília em relação ao setor hoteleiro.

Após enfrentar uma maratona aérea - 26 horas de voo entre Brasília e a China - agora, a corrida do governador e sua comitiva – composta pelos secretários de Esporte, Célio Renê; de Turismo, Luís Otávio; de Comunicação Social, Samanta Sallum; e Particular, Bolivar Rocha – é mostrar, em apenas três dias, que a cidade está preparada para receber grandes eventos esportivos. O campeonato fica atrás, em tamanho, importância e participação, apenas da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Afinal, demanda estrutura, organização e segurança. “Sabemos da dificuldade de disputar esta vaga.

Entretanto, Brasília tem-se mostrado capacitada”, afirmou Agnelo Queiroz. Segundo a assessoria de comunicação do GDF, os secretários que lá estão se impressionaram com a enorme estrutura criada na cidade para receber os atletas. As novas instalações esportivas construídas para o evento, segundo eles, são estruturas em padrões olímpicos.

Os preparativos para receber a Copa em 2014, como a construção de um estádio que atenda às exigências da Federação Internacional de Futebol (Fifa), obras que vão melhorar a infraestrutura da cidade, além de adaptações e reformas no aeroporto serão oportunos para que o governador reafirme que Brasília está qualificada para receber este evento.

Durante a semana, o governador em exercício, Tadeu Filippelli, ao participar de um evento, mencionou a batalha de Agnelo para trazer esta competição à cidade. “Agnelo e a comitiva de Brasília estão na China empenhados em trazer mais esta conquista para a cidade. Assim, esta infraestrutura que está sendo feita poderá ser usada em outras oportunidades”, disse.

Três candidatas
Brasília é a única cidade do Brasil que se candidatou. Está disputando a vaga com Kocaeli (Turquia) e Taipé (Taiwan). Segundo Agnelo, a capital federal é a que está a frente. “Brasília é candidata a receber a Universíade porque reúne as melhores condições para isso. E este é o momento não só de Brasília, mas do Brasil, já que estamos recebendo a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016”, disse Agnelo.

Com esta oportunidade, a cidade terá benefícios não só turísticos, mas econômicos. “A Universíade é mais um evento esportivo que ajuda a cidade que realiza a se promover para o mundo. A capital federal merece essa projeção. Sem contar os benefícios econômicos e sociais que esse tipo de evento deixa para suas sedes. Estamos sempre pensando no legado”, completou, Agnelo.

Cidade sediará grandes eventos esportivos
Na quinta-feira (11), Agnelo e sua comitiva visitaram a Vila dos Atletas para conhecer as instalações e o funcionamento do local. Na ocasião, ele anunciou que Brasília também terá uma Vila. E, informou que esta será construída em uma parte do Jockey Club de Brasília, área pública na região do Guará. O governador também esteve com a delegação do Brasil, uma das maiores no evento, com 210 atletas, entre eles alguns brasilienses como Hugo Parisi, atleta do salto ornamental. Em seguida, se encontrou com os dirigentes da Federação Internacional de Esporte Universitário (Fisu).

Entre setembro e novembro, uma comitiva da Fisu visitará Brasília. Ocasião em que farão uma analise da cidade. Em seguida, previsto para novembro, será anunciada a cidade sede da Universíade. Na volta ao Brasil, Agnelo e a comitiva que o acompanha nessa empreitada, espera trazer na bagagem bons resultados. Se escolhida como sede, Brasília passará a contar com um extenso calendário internacional de eventos esportivos, que serão realizados entre 2013 e 2017. “O estádio, que está com 35% de sua execução concluída e estará pronto em dezembro de 2012 a tempo de receber a Copa das Confederações (2013), também será palco de jogos da Copa do Mundo (2014), da qual Brasília é cidade-sede e candidata à abertura. Também faz parte das cidades que apresentarão os jogos da Copa América (2015) e de partidas de futebol dos Jogos Olímpicos (2016)”, lembrou Agnelo.

Com boas expectativas, o governador acredita que fazer parte das cidades que vão sediar estes grandes eventos, ajudam Brasília a ser favorita à conquista. “Toda a infraestrutura que está sendo preparada na capital federal para receber este calendário esportivo contará muito para credenciar Brasília a receber a Universíade, em 2017. Afinal, toda a preparação está sendo realizada desde agora, até o ano que acontecerá estes jogos, a cidade estará preparada e todos os setores consolidados”, completou Agnelo Queiroz."

http://comunidade.maiscomunidade.com/conteudo/2011-08-13/politica/5375/AGNELO-APRESENTA-BRAS%C3%83%20LIA-%C3%83%E2%82%AC-CHINA.pnhtml

MAMUTE
Oct 29, 2011, 2:15 PM
Governo do DF decide abrir mão de dinheiro do BNDES na construção de arena para Copa


http://e.imguol.com/esporte/futebol/2011/10/28/obra-do-estadio-nacional-de-brasilia-no-dia-16-de-outubro-de-2011-1319837541491_615x300.jpg
Obra do Estádio Nacional de Brasília no dia 16 de outubro de 2011



O governo do Distrito Federal não vai usar os R$ 400 milhões que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) disponibiliza para os construtores de cada estádio que está sendo erguido ou reformado para a Copa do Mundo de 2014. O governo distrital é o único entre os entes públicos envolvidos na construção de estádios que optou por não fazer uso da linha especial de financiamento do BNDES (Pró Copa Arenas).

De acordo com as autoridades do Distrito Federal que comandam a preparação para a Copa em Brasília, todos os R$ 671 milhões que serão utilizados na obra do Estádio nacional de Brasília sairão dos cofres da Terracap, estatal dona dos terrenos pertencentes ao governo do Distrito Federal. Até agora, já foram gastos na obra R$ 255 milhões, segundo o governo distrital.


"A Terracap, empresa do Governo do Distrito Federal, está investindo na obra do Estádio Nacional de Brasília, que é de sua propriedade, e possui recursos suficientes para cumprir com o organograma financeiro de desembolso da obra. Por isso, a empresa não fez e não irá fazer empréstimos para pagar a obra do estádio", informou, por meio de nota, o governo do DF ao UOL Esporte.

A nota afirma ainda que a Terracap trabalha fazendo licitações regulares de acordo com a necessidade do mercado imobiliário para não permitir a ausência de oferta de terrenos no DF, evitando que o mercado inflacione. "Os recursos captados com essas licitações, naturalmente, serão utilizados também para investimento na obra do estádio".

Apesar das afirmações oficiais, a venda de um terreno para a ampliação do Setor Hoteleiro Norte, a Quadra 901 Norte, foi impedida pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que deu parecer contrário à construção da quadra 901 norte, que seria uma expansão do Setor Hoteleiro Norte (SHN). A venda dos lotes renderia à Terracap cerca de R$ 500 milhões, que seriam utilizados na construção do estádio.

O UOL Esporte perguntou por três dias ao governo do Distrito Federal quais terrenos seriam ou foram vendidos para atingir o caixa de R$ 671 milhões para a construção da arena, mas não obteve nenhuma resposta.

Das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014, oito já contrataram o financiamento do BNDES. São Paulo, Porto Alegre e Curitiba ainda não fecharam contrato. São exatamente os três estádios privados, pertencentes a Corinthians, Internacional e Atlético-PR, respectivamente. isso porque as condições do empréstimo do BNDES são menos vantajosas para particulares. Ainda assim, o Atlético-PR optou por contratar os recursos, e o processo encontra-se em fase inicial.

As condições da linha Pró-Copa Arenas são bem melhores que as de mercado. Para entes públicos, a soma de juros, correção e taxas cobradas pelo BNDES ficam em torno de 7% ao ano. Não há nada igual no mercado.

Em contrapartida, porém, o banco exerce, por força de contrato, um papel de fiscalização e controle da obra. Quem assina o contrato com o BNDES tem os recursos liberados aos poucos. É preciso, por exemplo, a cada três meses, apresentar um relatório de progresso físico-financeiro da obra.

Além disso, semestralmente, o contratante deve apresentar um relatório de acompanhamento da execução físico-financeira feito por uma auditoria independente. Depois, ao término da obra, o tomador do empréstimo tem três meses para apresentar um relatório final, também feito por uma auditoria.

Nada disso terá que fazer o Distrito Federal.






DINHEIRO DO BNDES NAS ARENAS DA COPA
Demandante Financiamento (em R$ milhões) Situação
Estado do Amazonas 400 Contratado
Estado da Bahia 323,7 Contratado
Estado do Ceará 351,5 Contratado
Estado do Mato Grosso 392,3 Contratado
SPE Minas Arena 400 Contratado
Estado do Paraná 123 Carta-consulta
Estado de Pernambuco 400 Contratado
Estado do Rio de Janeiro 400 Contratado
SPE Arena das Dunas (RN) 398,7 Aprovado
TOTAL 3.189,2





http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/10/29/governo-do-df-decide-abrir-mao-de-dinheiro-do-bndes-na-construcao-de-arena-para-copa.htm

MAMUTE
Nov 1, 2011, 3:06 PM
Empresários: obras da Copa andam abaixo do esperado


"O governo federal não conseguiu desenvolver um ritmo de desembolsos como era esperado para obras de infraestrutura", afirma o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI


Os empresários da construção civil veem as obras de infraestrutura para a Copa do Mundo de 2014 caminhando em um ritmo abaixo do esperado. Essa avaliação levou a expectativa para o nível de atividade do setor para os próximos seis meses, medida pela sondagem da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a desacelerar de 60,8 pontos apurados em outubro do ano passado para 57 pontos neste mês.

A queda foi mais expressiva entre as empresas maiores, envolvidas com grandes projetos, que tiveram o índice reajustado de 64,3 pontos em outubro do ano passado para 55,5 pontos no mesmo mês de 2011, o menor nível da série histórica. "O governo federal não conseguiu desenvolver um ritmo de desembolsos como era esperado para obras de infraestrutura", afirma o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.

O especialista aponta como justificativa para a demora nas obras tanto o ajuste fiscal promovido pela União no enfrentamento da crise internacional quanto os escândalos na Esplanada dos Ministérios, que já derrubaram seis ministros da presidente Dilma Rousseff. Fonseca citou como exemplo as denúncias que forçaram a saída de Alfredo Nascimento do Ministério dos Transportes, em julho, e a substituição de Orlando Silva no Esporte, na semana passada. "Quando há problemas, o governo coloca o pé no freio dos empreendimentos", justifica. "Com exceção dos estádios, as obras para o Mundial ainda não começaram", completa.

Os dados da Sondagem Indústria da Construção, divulgada hoje, mostram o que Fonseca diz. A percepção dos empresários é de que o nível de atividade do setor ficou abaixo do usual para o trimestre, especialmente em relação aos empreendimentos estruturais. O indicador para atividade de obras de infraestrutura passou de 53,2 pontos em setembro de 2010 para 42,7 pontos, o menor nível da série histórica, iniciada em 2009. O indicador, que vai de 0 a 100 pontos, indica atividade elevada em relação ao usual quando acima dos 50 pontos.

No entanto, Fonseca mostra otimismo para os próximos meses. "A Copa do Mundo não está retratada nesta pesquisa ainda, vai aparecer só em 2012", diz. "Essas obras vão ter que começar a andar, por isso a expectativa tende a aumentar positivamente", explica.

Problemas

Outro dado que corrobora com esse cenário é o que mostra quais são os maiores problemas apontados pelos empresários da construção civil. A sondagem de setembro revela aumento de citações do item "falta de demanda". Entre as grandes companhias, este item passou de 10,6% das citações no segundo trimestre deste ano para 19,5% no terceiro trimestre. Entre as pequenas, foi de 17,9% para 19,9%.

A falta de qualificação do trabalhador segue como principal problema enfrentado pela construção civil. Houve, no entanto, uma redução drástica nas citações de grandes empresas, de 68,1% no segundo trimestre para 48,8% no seguinte. Entre as pequenas, passou de 59,7% para 56,5%. "Esse item também foi influenciado pela redução da atividade, já que diminui a demanda por profissionais qualificados", explica o gerente-executivo.

Lucro

A sondagem da CNI mostra ainda que o empresário da construção civil está insatisfeito com a margem de lucro no terceiro trimestre. O índice ficou em 46,3 pontos, ou 3,9 pontos abaixo do verificado no mesmo trimestre do ano passado. Em uma escala de 0 a 100, abaixo de 50 mostra insatisfação. Já a situação financeira foi avaliada como satisfatória, com o indicador em 50 pontos.







http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI276372-16357,00-EMPRESARIOS+OBRAS+DA+COPA+ANDAM+ABAIXO+DO+ESPERADO.html

MAMUTE
Nov 2, 2011, 2:24 AM
Plano Plurianual prevê R$ 18 bi para sedes da copa


A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aprovou hoje o parecer preliminar do senador Walter Pinheiro (PT-BA) ao Plano Plurianual 2012-2015. O PPA estabelece os projetos e os programas de longa duração do governo federal. Está no texto a previsão de gastos de R$ 18 bilhões em mobilidade urbana nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo e a duplicação da capacidade dos principais aeroportos brasileiros.

Com a aprovação será aberto agora o prazo de emendas ao PPA. Nesta fase as bancadas, as comissões temáticas do Congresso e os deputados e senadores poderão sugerir mudanças no texto. Segundo o vice-líder do governo, Gilmar Machado (PT-MG), o PPA está sendo conduzido de forma conjunta ao Orçamento do próximo ano. Em ambos os casos não há previsão para reajuste de pessoal, como o reivindicado pelo Judiciário, mas está aberta a possibilidade de atender a essas demandas em etapas posteriores da tramitação.


O PPA prevê gastos de R$ 1,4 trilhão na Previdência Social até 2015 e mais R$ 316,7 bilhões no Sistema Único de Saúde. O Plano Brasil sem Miséria deve receber R$ 20 bilhões por ano, considerando-se a ampliação do Bolsa Família para mais 800 mil famílias. Atualmente são 13 milhões de famílias atendidas.

Na área de infraestrutura a maior fatia dos recursos vai para as ações de moradia popular, em especial com o programa Minha Casa, Minha Vida, que receberá R$ 389,7 bilhões. A previsão é construir mais dois milhões de moradias até o fim do atual governo. A área de petróleo e gás receberá R$ 227,7 bilhões, sendo que a estimativa do projeto é de que, nos próximos quatro anos, o País esteja produzindo 3,1 milhão de barris por dia.


O PPA traz ainda como meta para o governo a ampliação do investimento de 18% para 22,4% do PIB. Dos recursos previstos para a organização do Estado, que totalizam R$ 60,5 bilhões, a maior parte vai para a Política Nacional de Defesa, que fica com R$ 52,8 bilhões, destinados à manutenção e ampliação da capacidade de operação das Forças Armadas.












http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/71608_PLANO+PLURIANUAL+PREVE+R+18+BI+PARA+SEDES+DA+COPA

pesquisadorbrazil
Nov 3, 2011, 1:29 PM
Eu acho hilário nossos politicos começarem a reclamar das regras da FIFA. Quando o Brasil se canditatou, sabia das regras. E agora não quer aceita-las. Isso dá motivos para a FIFA tirar a COPA daqui. É igual um contrato pré-nupcial. Os governos federal, estadual e municipais sabiam das regras e agora não querem cumpri-las?

MAMUTE
Nov 3, 2011, 8:52 PM
Pacote VIP mais caro para ver jogos da Copa sairá por R$ 4 mi



A Fifa divulgou nesta quinta-feira os preços de camarotes e pacotes para a Copa de 2014, que apenas pessoas jurídicas (empresas) poderão adquirir. Estes pacotes voltados aos VIP's já estão sendo comercializados pelo Grupo Águia e pela empresa de marketing esportivo Traffic.

O mais caro da série (denominado 'Aquarela Series' custará US$ 2,3 milhões (equivalente hoje a R$ 4 milhões). Neste plano, a empresa poderá levar de 16 a 26 pessoas para os 19 confrontos (incluindo abertura, semifinais e decisão) que acontecerão no Rio, em São Paulo e em Belo Horizonte.

A empresa que adquirir este plano ficará em um camarote central com direito a estacionamento, bebidas e comida.

Para assistir a todos os jogos previstos para uma determinada sede, o comprador pode optar pelo pacote 'Venue Series', que tem preços que variam de R$ 4 mil a R$ 3 milhões (US$ 2.350 a US$ 1,75 milhão).


Outra opção é comprar apenas partidas de uma seleção ('Team Series'). Caso a equipe escolhida seja eliminada, o cliente continuará com os ingressos para os jogos que acontecem onde sua equipe eleita jogaria.

O Team Series tem preços que variam entre R$ 1,2 mil e R$ 53 mil (de US$ 700 a US$ 30.900). É possível também comprar um ou três partidas de uma determinada equipe.

Os jogos do Brasil não são contemplados por esta modalidade. Para ver de perto apenas um jogo do time pentacampeão, é necessário que a empresa adquira um 'Venue Series'. Para os que preferirem assistir apenas os momentos decisivos do Mundial de 2014, há o Final Round (equivalente hoje a R$ 17 mil a R$ 36 mil). O Final Round contempla duas possibilidades: uma semifinal e a final ou as duas semifinais e a finalíssima.

O contato para compra no Brasil é o 11-2770-2014 ou pelo comercial@match-hospitality.com.

2013

A Fifa informou que prevê o início da venda dos ingressos populares (ou avulsos) da Copa-2014 após a Copa das Confederações, no segundo semestre de 2013. O mês provável para a comercialização dos bilhetes é agosto daquele ano.

A expectativa da entidade é que sejam negociados 3,3 milhões de ingressos, embora o número total ainda não esteja fechado porque os estádios não estão prontos.

Como em outros Mundiais, a Fifa começará a primeira fase de venda pela internet, em que os torcedores vão aplicar pelo direito dos bilhetes. Depois, haverá um sorteio de quem tem direito a esses primeiros bilhetes.

Para atender a todos, inclusive os que não tem internet, ainda serão estabelecidas parcerias com entidades a definir para que as pessoas possam fazer as aplicações em locais físicos.

"O jeito que vendemos ingressos é diferente [do que ocorre no Brasil]. Não vendemos em estádios", contou o diretor de marketing e diretor da Agência de Tickets da Fifa, Thiery Weil. "Pretendemos instalar 700, 800 escritórios para a venda pelo país".

As vendas de ingressos para a Copa das Confederações será feito a partir do final de 2012. O objetivo é não misturar as duas comercializações dos bilhetes.
















http://www1.folha.uol.com.br/esporte/1001150-pacote-vip-mais-caro-para-ver-jogos-da-copa-saira-por-r-4-mi.shtml

MAMUTE
Nov 5, 2011, 12:35 AM
Fifa garante ingressos a preços populares na Copa-2014



A Fifa planeja vender ingressos para a Copa de 2014 a brasileiros por preços entre US$ 20,00 e US$ 30,00 (R$ 34,60 a R$ 51,90), semelhantes aos que se cobram hoje em alguns jogos do Campeonato Brasileiro. Mas esses valores somente serão válidos para a primeira fase. As informações são do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, que desembarca no País na segunda-feira para reuniões com o governo que prometem ser decisivas.

Porém, o cartola garantiu ao Estado que a Fifa não vai abrir mão das demais exigências, na defesa de seus parceiros comerciais. Assegura que bebidas alcoólicas serão vendidas nos estádios e alerta: o Brasil não tem chances de vencer uma disputa com a entidade.

Valcke vem ao País para tentar costurar o acordo que estabelece a Lei Geral da Copa, cuja negociação, entende, sofreu atraso por conta da crise no Ministério do Esporte, e participará de audiência pública no Congresso. Insinua que aqueles que estão criticando a Fifa por conta da Lei Geral tentam tirar proveito político da ocasião e admite não saber qual será o custo final do Mundial para o País.







http://espn.estadao.com.br/futebolnacional/noticia/224322_ESTADAO+FIFA+GARANTE+INGRESSOS+POPULARES+NA+COPA+DE+2014+NO+BRASIL

MAMUTE
Nov 6, 2011, 12:31 AM
Câmara aprova uso de FGTS em estádios da Copa



Deputado modificou medida provisória sobre impostos de empresas exportadoras para incluir uso do FGTS


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/34365/size_590_estadio-mane-garrincha.jpg?1310668929
Obras do Mané Garrinha, em Brasília: MP libera uso de FGTS em obras


Uma medida provisória aprovada pela Câmara permite o uso de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para o financiamento de obras da Copa. A informação foi publicada neste sábado na coluna Radar da revista VEJA.

A medida provisória original enviada pelo Palácio do Planalto tratava apenas de impostos para empresas exportadoras. A ideia de modificar o texto original partiu do deputado Renato Molling (PP-RS).

Para entrar em vigor, a medida ainda precisa ser aprovada pelo Senado e sancionada pela presidente Dilma.

Inicialmente, o governo prometia não utilizar recursos públicos nos estádios da Copa. Diversos incentivos, entretanto, já foram aprovados pelo poder público. Sabe-se agora que até o FGTS, um dinheiro que pertence aos trabalhadores formais, pode dar uma força para a construção e reforma dos estádios.




http://exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/camara-aprova-uso-de-fgts-em-estadios-da-copa

HLbsb
Nov 6, 2011, 3:43 AM
Oh rapa, lembra ai onde vc leu essa materia. Mas realmente acho que fica meio longe o Jockey Clube do CO, mesmo com intervenções citadas pelo Pesquisa. Vamos ver.

:previous:
Para não ficar no disse que me disse:

Comitiva da Fisu visita Centro Olímpico da UnB

Agência Brasília (http://www.agenciabrasilia.df.gov.br/042/04299003.asp?ttCD_CHAVE=160056)


A matéria também fala de outros locais para competições, como Pontão (Triatlo e Maratona Aquatica), Esplanada (Volei de Praia), Parque da Cidade e Centro Poliesportivo.

MAMUTE
Nov 8, 2011, 1:35 AM
Atrasos elevam custos das obras para a Copa-2014


Atrasos nos projetos de estádios e aeroportos farão o país gastar, no mínimo, R$ 720 milhões a mais para realizar a Copa de 2014 –montante suficiente para a construção de um estádio novo. A informação é da reportagem de Dimmi Amora e José Ernesto Credendio, publicada na edição desta segunda-feira da Folha . O valor se deve à despesa com turnos extras de operários para não estourar ainda mais o prazo das obras.

Nove arenas e sete aeroportos já são ou deverão ser erguidos em “regime de urgência”, que inclui expediente noturno e implica gasto adicional de 8%. Entre esses projetos, que somam R$ 9 bilhões –incluído o custo extra–, está o estádio Itaquerão e o aeroporto de Guarulhos.


http://f.i.uol.com.br/folha/publicidade/images/11310409.gif










http://www1.folha.uol.com.br/poder/1002597-atrasos-em-obras-da-copa-vao-custar-ao-menos-r-720-mi.shtml

MAMUTE
Nov 8, 2011, 1:48 PM
Secretário-geral da Fifa admite meia entrada para estudantes na Copa de 2014



Em um encontro na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (8) para discutir a Lei Geral da Copa do Mundo de 2014, o secretário-geral da Fifa, Jerôme Valcke, afirmou que não está descartada a meia-entrada para estudantes no evento. Ele disse ter discutido o assunto com a presidente Dilma Rousseff e o novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

Valcke admitiu que a Fifa “não gosta da ideia” da meia-entrada. Mas disse que a criação de uma categoria especial, assim como aconteceu na África do Sul, viabilizaria a entrada de estudantes por um preço reduzido em pelo menos 12% dos assentos disponíveis em cada partida. O preço de cada entrada para os 48 jogos da fase de grupos seria de US$ 25 – R$ 43 em valores atuais.

“Não queremos mexer na lei nacional [que garante meia-entrada aos estudantes]. Dissemos à presidente que temos um problema técnico. Em vez de haver diferentes grupos com direito a meia-entrada, propus que implantemos uma categoria 4, especial, reservada apenas para os brasileiros. Trabalharemos com o governo brasileiro para assegurar, inclusive, acesso a estudantes dentro dessa categoria”, disse.

Uma das razões para as restrições, disse Valcke, é o preço dos ingressos de Copa do Mundo no mercado negro. Dirigentes da Fifa, em especial o ex-vice-presidente Jack Warner, são acusados de ganharem milhões de dólares comercializando entradas no mercado negro. Documentos obtidos pela BBC apontam que Warner foi obrigado a restituir a entidade por causa disso.

Críticas ao Brasil

Também presente no encontro, o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, foi sucinto em sua apresentação. Disse apenas que a livre entrada de funcionários da Fifa no Brasil e as isenções fiscais aos patrocinadores da entidade “não fazem parte de uma discussão ideológica ou de soberania, mas sim de flexibilidade para um evento global e único”.

Valcke pediu colaboração do meio político e rejeitou as acusações de que a Fifa está aumentando suas exigências em relação ao Brasil. “Nunca exigimos garantias suplementares às pedidas ao presidente Lula. Não mudamos nada, nem uma palavra”, disse. "Nós decidimos viabilizar que as equipes viajem pelo Brasil, ao contrário do que aconteceu na África do Sul. Não damos declarações pelo prazer de dar declarações. Viajar no Brasil não é fácil.”

O secretário-geral da Fifa também se comprometeu a aplicar princípios transparentes para conceder credenciamento a jornalistas. “Não haverá nenhum sistema diferente de credenciamento”, disse. Em entrevista à revista “Piauí”, Teixeira afirmou que poderia cometer “as maiores maldades” para dificultar o acesso de veículos de comunicação críticos a ele.











http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/11/08/secretario-geral-da-fifa-admite-meia-entrada-para-estudantes-na-copa-de-2014.htm

pesquisadorbrazil
Nov 9, 2011, 6:09 PM
Eu quase morri quando li que a FIFA anda preocupada com a sede de São Paulo, mesmo se decretarem feriado nos dias de jogos em Sampa, vai haver congestionamentos. Enquanto isso em Brasília, com ou sem feriado não tem esse problema na região do Estádio.

HLbsb
Nov 9, 2011, 7:44 PM
:previous:

Vi umas plantas lá no outro fórum nos quais os estacionamentos do estádios terão que ser destinados para hospitalidade e transmissão, parte do estacionamento do shopping e outro estacionamento que deve ser construído serão destinados a veículos credenciados. Ou seja, quem quiser ir de carro durante a copa, ainda que chegue, terá de estacionar há quilometros do estádio e ficar perambulando por Itaquera.

Pensando nisso é que SP já começou uma campanha de copa ecológica com o slogan: "vou ao jogo de metrô". Agora, imaginem 65.000 pessoas tentando pegar o metrô ao mesmo tempo.... Os paulistanos não admitem. Falam que tem 50% da malha metroviária do país (contando CTPM, claro). Mas não se dão conta que 300km de trilhos numa região com mais de 20 milhões de pessoas, altamente adensada, chega a ser piada.

Eu já desisti de bater nessa tecla com os paulistanos e receber PMs lá no outro fórum. Ao menos aqui se pode falar desse tipo de assunto.

pesquisadorbrazil
Nov 9, 2011, 7:50 PM
Aqui poderemos debater TUDO, aqui não vai ter restrinções. O hilário vai ser obrigar um turista a utilizar o metrô numa zona de guerra com uma belissima cracolândia anexa ao estádio. Acho que eles vão erguer um gigantesco muro ao redor da cracolândia, pois tirar não vão conseguir. Até mesmo porque o DIREITO DO IR E VIR é garantido por LEI, e de se drogar é garantido pelo ECA.

HLbsb
Nov 9, 2011, 8:45 PM
Por curiosidade, o metrô-SP informa que a capacidade da estação Corinthians/Itaquera, que integra metrô e CPTM, é de 60 mil pax/hora no pico. O projeto que citei acima sugere a utilização da estação Artur Alvim para algumas entradas do estádio. Essa estação é apenas para metrô e comporta 20 mil pax/hora no pico, com o detalhe que se o vagão sai cheio da estação Corinthians/Itaquera ninguém consegue embarcar aí.

Ou seja, a capacidade de escoamento no horário lata de sardinha é 60 mil pax/hora, sendo que no sentido centro/resto da cidade é ainda menor já que a linha da CPTM faz viagens dessa estação para a zona leste.

Preparem-se para passar mais de uma hora só pra pegar o metrô, lotado....

MAMUTE
Nov 9, 2011, 9:00 PM
:previous:Sem sacanagem, vai ser uma vergonha isso, o local do estádio é bem longe do centro o metrô não vai comportar a demanda em horários de pico (saída do estádio) a região e bem periferia, tem a cracolandia logo alí, sem desmerecer a cidade...
O estádio e bem simples, sem nenhuma inovação, vai ter muitos assentos descobertos e por ai vai...
Só rolando uma grana preta pra ser escolhido para abertura esse estádio, essa abertura podia ser em BH, SSA, POA ou BSB que ao meu ver são bem mais estruturadas para a abertura, mas já passou, agora vamos mostrar o quanto Brasília merecia ter ficado com a abertura da copa, mostrando o sucesso da copa das confederações:tup:

MAMUTE
Nov 10, 2011, 8:50 PM
Pacotes para Copa custam até US$ 2,3 milhões


Opção mais cara cobre 19 partidas, incluindo jogo de abertura e final


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/18282/size_590_arena-corinthians-nova.jpg?1289239499
Projeto do estádio do Corinthians: pacotes para a Copa custam até US$ 2,3 milhões

A Copa no Brasil acontece só em 2014, mas para quem pode desembolsar alguns milhões, a corrida para garantir um lugar já começou. O preço dos ingressos comuns de cada jogo ainda não foi definido pela Fifa, mas os pacotes mais luxuosos para a competição já começaram a ser vendidos. Os preços variam entre 700 dólares e inacreditáveis 2,3 milhões de dólares.


Os ingressos normais de arquibancada ainda não estão à venda e não tem preços definidos. Já os pacotes premium estão sendo comercializados por parceira da Fifa chamada Match Hospitality, com sede na Suíça. No Brasil, os representantes de vendas são a Traffic Sports, do Grupo Traffic, e a Top Service, do Grupo Águia.

No mundo todo, estarão disponíveis 450.000 pacotes, segundo Andreas Herren, porta-voz da empresa em Zurique. Boa parte desse total virá para as mãos de torcedores da seleção canarinho. “Estamos trabalhando com 100.000 pacotes no mercado brasileiro, mas esse número pode aumentar de acordo com a demanda”, afirma Gilmar Pinto Caldeira, da Top Service.

O foco principal será vender os pacotes para empresas, que devem oferecer as vagas em programas de relacionamento para clientes. Herren, de Zurique, explica, porém, que os programas da série Match Premier, com desenho simplificado, foram pensados também para serem adquiridos diretamente por torcedores. Para esses casos, é necessário comprar ao menos quatro pacotes.

Os clientes terão direito de assistir as partidas dentro de espaços exclusivos, similares a grandes camarotes. São cinco opções de pacotes de partidas e cinco espaços diferentes de acomodação nos estádios. O pacote mais caro, de 2,3 milhões de dólares, dá acesso a 19 partidas distribuídas entre São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, incluindo o jogo de abertura, as duas semifinais e a final.

Aqui no Brasil, para os pacotes comprados até maio de 2012, o pagamento poderá ser feito com uma entrada de 10% do valor, e outras três parcelas anuais até 2014. No país, os pacotes serão vendidos em reais, com cotação fixada no dia da compra.

Os pacotes incluem entrada para assistir aos jogos em espaços exclusivos, serviço de alimentação, bebida e estacionamento especial. Para viajar de uma cidade a outra, porém, será preciso desembolsar mais alguns milhares de reais, já que passagens e hospedagens não estão incluídas.















http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/pacotes-para-copa-custam-ate-us-2-3-milhoes

MAMUTE
Nov 10, 2011, 8:53 PM
:previous:Tá muito barato!!!!!!! Só US$ 2,3 Milhões:cheers:

MAMUTE
Nov 13, 2011, 6:44 PM
Investimentos para a Copa são considerados positivos por brasilienses



A maioria dos brasilienses acredita que valerão a pena os altos investimentos do governo local para sediar a Copa do Mundo em 2014. Pesquisa realizada pela O&P Brasil entrevistou 900 brasilienses sobre a questão e 54,9% consideraram a participação do Distrito Federal positiva. Os mais animados são os moradores de Taguatinga, Ceilândia e Vicente Pires, com 62,6% de aprovação. Por outro lado, os residentes em Águas Claras, Núcleo Bandeirante, Park Way, Sobradinho, Planaltina, Brazlândia e Gama não estão tão convencidos. Menos da metade, 46,5%, acredita que os investimentos valerão a pena.



A pergunta, respondida entre 4 e 7 de novembro, transpareceu um pouco da expectativa do País para a realização dos jogos. O policial civil aposentado Enoque Venâncio, 49 anos, está nesse time. Se conseguir, pretende assistir aos sete jogos que serão sediados na capital. Fanático por futebol, ele não deixa de acompanhar os jogos do time do coração, mas concorda que durante a Copa do Mundo o sentimento é ainda mais forte.



Enoque não esquece o primeiro Mundial que acompanhou. “Em 70, eu era muito novinho, mas lembro das pessoas comemorando nas ruas”, conta. Também por esse motivo, de quatro em quatro anos, o mês de junho tem um clima de torcida constante para todos os seus familiares. “Não deixamos de receber os amigos e parentes para assistir aos jogos da seleção.”



Ele ressalta que, como em todos os outros países que receberam o evento, o Brasil terá muitos investimentos privados, além do público. “Ainda precisamos saber quais seleções jogarão aqui. Se tivermos Itália ou Inglaterra, com certeza o número de turistas será imenso, o que movimenta todos os setores da economia”, acredita. Um dos pontos principais para o policial aposentado é que a população poderá usufruir dos investimentos por muito tempo depois do evento. “Na Copa do Mundo, o país anfitrião vira uma vitrine para o mundo. Isso chama a atenção dos investidores também”, argumenta.



Final

Se a seleção canarinho for para a final, Enoque tentará assistir ao jogo no Maracanã. “Com certeza, não só Brasília, como o País inteiro tem muito trabalho pela frente”, diz, com esperança. Morador do Guará, ele está em uma das regiões administrativas mais positivas quanto aos investimentos.



A faixa etária que aguarda com maior ansiedade a realização da Copa e acredita que os gastos são justificáveis está entre 16 e 24 anos. A escolaridade também influenciou na decisão sobre os gastos. A maioria daqueles com menor escolaridade, 1º grau incompleto, não se mostraram felizes com os altos investimentos.



De acordo com a Secretaria de Governo do DF, o GDF está investindo R$ 671 milhões na obra do Estádio Nacional de Brasília. Ele foi idealizado como uma arena multiuso, exatamente para que não se torne obsoleto após a realização dos jogos. Uma licitação internacional definirá uma empresa especializada em entretenimento para administrar o espaço. A empresa que vencer deverá oferecer o melhor preço de aluguel e ainda uma agenda de shows nacionais e internacionais, que insiram Brasília em um calendário intenso e internacional de eventos.















http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=375036

MAMUTE
Nov 15, 2011, 4:09 PM
Obras para a Copa receberam apenas 1,3% do previsto


As obras de mobilidade urbana são parte importante do legado que ficará para os brasileiros depois da Copa do Mundo de 2014. Mesmo com tamanha importância e relevância para o bom andamento do megaevento, em termos orçamentários, o setor não deu o ponta pé inicial. A rubrica “mobilidade urbana”, administrada pelo Ministério das Cidades (MC), desembolsou apenas 1,3%, dos quase R$ 650,2 milhões previstos para serem aplicados este ano. Desconsiderando os dispêndios com os “restos a pagar”, compromissos assumidos em gestões anteriores, apenas 0,02% foram realmente pagos

http://www.jornalalobrasilia.com.br/noticias/img/noticias/foto_15112011124351.jpg

O objetivo do programa é promover a melhoria da mobilidade urbana, de forma sustentável, favorecendo os deslocamentos não-motorizados e o transporte coletivo, na tentativa para reduzir os efeitos negativos da circulação urbana que assolam as principais capitais brasileiras.

Além disso, as obras devem contribuir para a melhoria da prestação de serviços de transporte metro-ferroviários, por meio da modernização e expansão dos sistemas vinculados ao transporte público. Passados dez meses, o Ministério afirma que vai gastar todos os recursos previstos para o ano.

No mês de outubro o Contas Abertas entrou em contato com o Ministério das Cidades para questionar sobre o ritmo de investimentos do programa de mobilidade urbana. Na época, a Pasta informou que da dotação prevista, 92%, equivalente a R$ 597,5 milhões referiam-se a emendas parlamentares, que estavam contingenciadas, mas que o desembolso tradicionalmente ocorreria nos últimos meses do exercício.

Questionados sobre a preocupação em relação ao possível atraso das obras do setor, a Pasta afirmou que o cumprimento aos prazos estabelecidos é a maior preocupação do GECOPA, Grupo Executivo de acompanhamento das ações relativas à Preparação e à Realização da Copa do Mundo de 2014, lançado pela Advocacia-Geral da União e o Ministério dos Esportes. A equipe trata das diversas questões jurídicas que possam afetar as atividades relacionadas à Copa do Mundo.

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) vem criticando a atual infraestrutura de mobilidade urbana das cidades-sede da Copa. No começo da semana o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, em debate na Comissão Especial que discute a Lei Geral da Copa na Câmara dos Deputados, resumiu a situação: “Estamos atrasados e não podemos perder mais um dia. Nós, da Fifa, viajamos para as 12 cidades-sede e se deslocar em São Paulo, por exemplo, é um pesadelo”. Além disso, Valcke ressaltou que a Copa das Confederações de 2013 será um grande teste para a Fifa, mas será tarde para fazer alguma mudança fundamental.













http://www.alo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=146527

pesquisadorbrazil
Nov 16, 2011, 3:46 PM
Medida da Fifa faz com que comércio perto dos estádios da Copa deixe de lucrar

Quem tem comércio perto de umas das arenas que receberão jogos da Copa do Mundo de 2014 já pode começar a se preocupar. Se pensou que poderia lucrar com alto fluxo turístico se enganou. Como parte das exigências impostas pela Fifa, o comércio nas proximidades dos estádios será proibido, ficando restrito às lojas oficiais e patrocinadores do Mundial.

De acordo com a Lei Geral da Copa cabe, às cidades-sede definirem o tamanho dessa zona de exclusão, como foi denominado o artigo 11 do projeto que está em tramitação na Câmara. No entanto, estima-se que a solicitação da Fifa seja para comandar uma área de cerca de dois quilômetros ao redor das arenas.

Com a medida, a Fifa pretende evitar que grandes marcas, principalmente de concorrentes de seus patrocinadores, se aproveitem do evento para aumentar seus ganhos.

Preocupados, representantes de entidades ligadas ao comércio e serviços estão preocupados e pedem solução ao Congresso, como informou o Estado de S. Paulo nesta segunda-feira. A ideia é que os lojistas não tenham de fechar as portas, ou então, que recebam uma indenização pelo tempo em que deixarão de lucrar.

Para se ter uma ideia, estudos realizados na Arena das Dunas, em Natal, indicam que cerca de 80 vias públicas seriam atingidas pela zona de exclusão. Nessas ruas, além do comércio, que também afeta o vendedor ambulante, a norma também proibiria as publicidades. Assim, qualquer anúncio que não seja dos patrocinadores oficiais teria que ser retirado ou coberto.

A discussão deve se arrastar ainda por muito tempo até que Fifa e lojistas sintam-se beneficiados com o que for decidido. Na última Copa do Mundo, na África do Sul, as regras de restrição de comércio e publicidade próximo aos estádios só foram definidas menos de um ano antes do início da competição. Se o prazo se repetir, só devemos ter uma definição em 2013.

Se comércio pode ser prejudicado, os cofres das cidades sofrerão um grande impacto econômico. De acordo com um estudo feito pela consultoria SportBusiness, São Paulo será a cidade com maior movimentação financeira, cerca de R$ 12 bilhões. O número representa 30% a mais do que o fluxo no Rio de Janeiro, que abrigará a final da Copa do Mundo.

A pesquisa revela ainda que Brasília é a terceira em possibilidades de lucro, chegando a R$ 4 bilhões, enquanto Curitiba, Cuiabá e Natal sofrerão um impacto de R$ 2 bilhões. Porto Alegre é a única que terá um fluxo abaixo desse valor.

Fonte: http://www.pefutebol.com/nosacrescimos/?p=3388

pesquisadorbrazil
Nov 16, 2011, 3:48 PM
E tem gente falando mal da COPA em Brasília, que será um gasto desnecessário. Com certeza deve ser um maluco do PSUT e PSOL que não tem o que fazer, se CUBA fosse tão boa, porque não buscam moradia lá? Igual aquele vereador do Rio de Janeiro, já viram um militante do PSOL com medo da bandidagem. Eu não sei quem é pior, os bandidos ou os militantes do PSOL e PSTU, detalhe, andam com medo do próprio povo marginalizado que tanto defendem.

MAMUTE
Nov 21, 2011, 7:41 PM
Programa Transporte na Copa começa a preparar profissionais


Mais de 380 mil profissionais do setor de transporte das 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 deverão receber qualificação profissional por meio do programa Transporte na Copa, lançado hoje (21), em Brasília. O objetivo é desenvolver e reforçar conceitos de direção segura, qualidade na prestação de serviços, cidadania, meio ambiente, turismo, marketing pessoal e profissional, conversão de moedas e comunicação eficaz em português, inglês e espanhol.



O programa é uma iniciativa do sistema Sest Senat (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte), vinculado à Confederação Nacional do Transporte (CNT). Em Brasília, serão beneficiados 19 mil trabalhadores, entre taxistas, motoristas de ônibus urbano e de turismo, cobradores, agentes de bordo e de turismo e atendentes do setor de transporte em geral.



Para a presidente do Sindicato dos Taxistas de Brasília, Maria Bonfim, conhecida como Mariazinha, o programa dará uma grande contribuição para o aprimoramento profissional da categoria. “O taxista é o cartão de visitas de uma capital, já que recebe os primeiros turistas que chegam a Brasília”, destacou. “Eles também são formadores de opinião: com o conhecimento que têm, vão mostrando e divulgando tudo de bom que Brasília tem. Com isso o turista vai embora satisfeito, com uma boa imagem da cidade”, acrescentou.



Segundo Mariazinha, os cursos de inglês e espanhol são os mais importantes para os taxistas, que participaram de outros cursos de aperfeiçoamento profissional por meio de uma parceria do sindicato com o sistema Sest Senat. Ela acredita que, dos 7 mil profissionais do setor, pelo menos 70% (4.900) devem participar da capacitação oferecida pelo Transporte na Copa.



Os cursos serão realizados durante os próximos três anos. Além de Brasília, as atividades do programa estão previstas para as cidades do Rio de Janeiro, de Natal, Recife, Fortaleza, de Belo Horizonte, Cuiabá, Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Manaus e Salvador.



O Transporte na Copa oferece materiais didáticos aos participantes, sendo variáveis a carga horária e a modalidade – presencial ou a distância – conforme a área de formação. Todos os cursos são gratuitos e em Brasília as inscrições devem ser feitas na unidade Sest Senat em Samambaia. Outras informações podem ser obtidas no portal www.sestsenat.org.br/transportena copa.









http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=376289

MAMUTE
Nov 24, 2011, 10:46 AM
Copa em Brasília é tema de seminário na Câmara dos Deputados


A Comissão Especial da Câmara dos Deputados encarregada de elaborar parecer ao projeto da Lei Geral da Copa do Mundo de 2014 realiza nesta quinta-feira (24) em Brasília o terceiro seminário da série programada para discutir o texto encaminhado pelo governo. Estarão presentes autoridades estaduais e representantes da sociedade civil.



A comissão já realizou seminários idênticos em Salvador e Porto Alegre e vai se deslocar ainda para Manaus, no dia 28, e São Paulo, no dia 1º de dezembro, onde os encontros serão realizados nas assembleias legislativas.



O objetivo dos deputados é discutir detalhes do projeto, como a questão de meia-entrada para idosos e estudantes e o andamento dos preparativos das cidades-sede para o Mundial e para a Copa das Confederações, que também faz parte do PL 2.330/11.



Entre os convidados para o debate está o governador do Distrito Federal (DF), Agnelo Queiroz, que foi ministro do Esporte antes da escolha do Brasil para sediar a Copa de 2014.



Brasília é uma das 12 capitais brasileiras onde serão realizados os jogos da Copa e está construindo o Estádio Nacional no mesmo lugar do antigo Estádio Mané Garrincha, que foi demolido pelo governo do DF. A abertura do seminário está marcada para as 10h, no plenário 5 da Câmara dos Deputados.



Também estarão presentes a procuradora-geral de Justiça do DF e Territórios, Eunice Pereira Amorim Carvalhido, o secretário executivo do Comitê Organizador da Copa 2014 no DF, Cláudio Monteiro, representantes do Ministério Público, do Procon, do Ministério do Esporte, da Federação Brasiliense de Futebol, de entidades estudantis e da Administração Regional de Brasília.



O cronograma de trabalho prevê ainda a realização de uma audiência pública para ouvir o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no dia 29 deste mês.



A apresentação do parecer pelo relator, deputado Vicente Cândido (PT-SP), está prevista para o dia 6 de dezembro, mas a discussão deverá se prolongar por duas sessões e, nesse caso, a votação só ocorrerá no dia 13 de dezembro. Depois, o projeto terá que ser votado no plenário da Câmara dos Deputados.












http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=376896

MAMUTE
Nov 25, 2011, 2:39 PM
Oposição pede que TCU apure fraude em obra da Copa


Ministério das Cidades alterou o projeto de infraestrutura de Cuiabá (MT), elevando em 700 milhões de reais o custo das obras


http://assets3.exame.abril.com.br/assets/pictures/24409/size_590_Aeroporto_de_Cuiabá.jpg?1298317856
Aeroporto de Cuiabá: obras de transporte na cidade teria tido orçamento alterado



Brasília - O PPS protocolou nesta quinta-feira na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados um pedido para que o Tribunal de Contas da União (TCU) apure a suspeita de fraude em obras para Copa do Mundo de 2014. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada desta quinta-feira informou que o Ministério das Cidades alterou o projeto de infraestrutura de Cuiabá (MT) para a Copa, elevando para 1,2 bilhão de reais o custo das obras – 700 milhões de reais a mais do que o orçamento original. A mudança foi feita com o aval do chefe de gabinete do já enrolado ministro da pasta, Mário Negromonte (PP).

“Queremos uma apuração rigorosa para que não se repita o que aconteceu nos jogos Pan-americanos, onde o próprio TCU apontou um festival de superfaturamentos e desvios de dinheiro público”, afirmou o líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR). Para o parlamentar, o Planalto também tem responsabilidade no caso.

“A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e a própria presidente Dilma chancelaram a obra e aprovaram o financiamento da Caixa”, disse. Bueno defendeu a suspensão do projeto.

Reportagem - O jornal O Estado de S. Paulo revelou que a diretora de Mobilidade Urbana do ministério, Luiza Viana, fraudou o parecer técnico que negava ao governo do Mato Grosso a possibilidade de alterar o projeto inicial, construindo um Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) em vez de uma linha rápida de ônibus. Tudo foi feito com o aval do chefe de gabinete de Negromonte, Cássio Peixoto. A partir de então, o ministério passou a respaldar o projeto.

Em resposta enviada ao jornal, o Ministério das Cidades não respondeu por que existem duas notas técnicas de número 123/2011 sobre o projeto de Cuiabá para a Copa do Mundo. Afirmou apenas que há um parecer com esse número, assinado pela diretoria e gerência de Mobilidade Urbana da pasta, "concordando com a defesa técnica do estado e aprovando a mudança na matriz de responsabilidade apresentada pelo governo do estado".















http://exame.abril.com.br/economia/noticias/oposicao-pede-que-tcu-apure-fraude-em-obra-da-copa

MAMUTE
Nov 26, 2011, 12:15 AM
Dirceu critica proposta que libera bebidas alcoólicas nos estádios


O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT) criticou nesta sexta-feira a proposta do relator da Lei Geral da Copa do Mundo de 2014, o deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), de liberar as bebidas alcoólicas dentro dos estádios.

“Não tem que reformar, nem alterar nada ou flexibilizar o Estatuto do Torcedor e nem a determinação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para autorizar venda”, escreveu em seu blog o petista.

Cândido defende que seja permitida a comercialização de bebidas alcoólicas em bares nos estádios, mas com o consumo restrito ao local de venda – o torcedor não poderia levar o copo para a arquibancada, por exemplo.

O argumento do deputado petista é que a bebida é permitida em outros países e em alguns Estados brasileiros. "O argumento de que a bebida deixa o torcedor violento não me convence. O torcedor que quiser já entra bêbado no estádio. Estamos construindo um novo conceito de estádio, de arena, com eventos", disse Cândido, em declaração reproduzida no blog de Dirceu.

Na opinião do ex-ministro, “as justificativas do relator carecem de profundidade” e não convencem. “[A proibição] Já devia ter sido adotada em épocas mais remotas, em que a rotina nos estádios era mais calma. Imagine agora, quando é muito maior a violência entre torcidas”, afirmou Dirceu.











http://www.valor.com.br/politica/1111508/dirceu-critica-proposta-que-libera-bebidas-alcoolicas-nos-estadios

MAMUTE
Nov 27, 2011, 2:46 AM
Teixeira convida Ronaldo para assumir Comitê Organizador da Copa


De acordo com o jornal “O Globo”, atual mandatário do COL e da CBF quer tirar o foco das acusações sofridas nos últimos meses


O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, chamou Ronaldo Fenômeno para ser o novo mandatário do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014 (COL). O convite aconteceu na última terça-feira em um jantar em São Paulo e a iniciativa do dirigente se deu por conta das acusações que têm sofrido nos últimos meses. A informação foi divulgada neste sábado na coluna “Panorama Esportivo”, de “O Globo”.

http://s.glbimg.com/es/ge/f/300x230/2011/11/25/ronaldo2_leandrocanonico62.jpg
Ronaldo foi convidado na última terça-feira

Ronaldo seria um nome inquestionável e o voto principal de um conselho formado pelas três principais forças do Comitê Organizador Local. De acordo com o jornal, Ricardo Teixeira foi incisivo no convite e está à espera de uma resposta rápida do Fenômeno, o que deve ocorrer nos próximos dias. Em outra ocasião, Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, recebeu o convite, mas acabou declinando.

Nos últimos meses, Teixeira ganhou mais um desafeto e isso pode pesar na sua continuidade no Comitê Organizador Local. Após apoiar o qatari Mohammed bin Hamman nas eleições da Fifa, o atual presidente da entidade máxima do futebol, Joseph Blatter, tem trabalhado para tirar o brasileiro do Comitê Executivo e do COL. Segundo a coluna, o caso foi tratado como traição pelo dirigente suíço, já que Teixeira foi o principal articulador para a escolha do Qatar como sede em 2022.

De acordo com o jornal, o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke levou uma mensagem de Blatter até a presidente Dilma Rousseff pedindo pela escolha de um novo presidente para o Comitê Organizador da Copa do Mundo. Porém, a governante preferiu deixar a iniciativa para a entidade máxima do futebol.

Neste sábado, o vereador Marcelo Mendes (PTC-CE) postou em seu Twitter que o senador Álvaro Dias teria recebido uma ligação confirmando a saída de Teixeira. Os dois almoçaram juntos neste sábado. O político do PSDB-PR não confirmou a informação, mas postou na rede social que a indicação de Ronaldo Fenômeno para o Comitê Organizador era mera especulação.












http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2011/11/teixeira-convida-ronaldo-para-assumir-comite-organizador-da-copa.html

MAMUTE
Nov 29, 2011, 3:14 AM
Coleta seletiva na copa de 2014


Logística reversa para o setor de embalagens começará pelas cidades-sedes do campeonato mundial. Elas são responsáveis por produzir 35% dos resíduos sólidos urbanos do País.


As doze cidades brasileiras escolhidas para sediar a Copa de 2014 e suas regiões metropolitanas são responsáveis pela produção de 35% dos resíduos sólidos urbanos do País, algo em torno de 91 mil toneladas de lixo geradas por dia. É por essas cidades que os empresários do setor de embalagens propõem começar a logística reversa de seus produtos, excluídas as embalagens de agrotóxicos e óleos lubrificantes que terão modelagem específica de devolução ao ciclo produtivo.

Desde maio os grupos do Comitê Orientador da Logística Reversa da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) trabalham na elaboração dos editais de chamamento das cinco cadeias produtivas definidas como prioritárias pelo próprio Comitê Orientador da PNRS: embalagens em geral; embalagens de óleos lubrificantes; lâmpadas fluorescentes; eletroeletrônicos; descarte de medicamentos.

A previsão é que os editais de algumas categorias sejam publicados até dezembro deste ano. Com isso as empresas e indústrias envolvidas serão convidadas a apresentar suas propostas de logística reversa, de forma a compor o acordo setorial de cada uma das cadeias.

No caso das embalagens, a proposta está adiantada e uma coalizão de 15 associações do setor liderada pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre) sugere que a cadeia preste todo o apoio para implantação eficaz de coleta seletiva nas cidades-sede da Copa, inclusive com recursos, fortalecendo todo o sistema, desde a educação do consumidor que precisa mudar o comportamento e começar a separar os resíduos domiciliares, incluindo os investimentos necessários para estruturação das cooperativas de catadores que deverão participar em parceria com os serviços de limpeza urbana para recolhimento separado dos resíduos.

"Sabemos que grande parte das embalagens está nas casas das pessoas, que as descartam no lixo comum, até por que a coleta seletiva funciona em apenas 18% dos municípios, mas a separação precisa começar com o consumidor", alerta o representante do Cempre, Victor Bicca.

O Cempre reúne 75% dos representantes da cadeia de embalagens e conta com a associação de empresas líderes nos mercados de PET, plástico, latas, cerveja, bebidas não alcoólicas, refrigerantes, alimentos, massa, chocolate, óleo vegetal, papel e celulose, higiene pessoal e cosmético e limpeza doméstica. Além disso, estão em negociação avançada com associações do varejo supermercadista e de vidro, ambas interessadas em compor o acordo.

Na visão deles a meta de logística reversa para as embalagens deve ser global para a cadeia e não por segmento separadamente (plástico, lata, papel, etc.). Ainda propõem que o índice esteja atrelado à fração seca de lixo reciclado e não ao percentual de embalagens coletadas por fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, que são os atores envolvidos na questão da responsabilidade compartilhada estabelecida pela Política, no que se refere à restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

"Esse grupo está empenhado em fazer com que a mudança de hábito do consumidor vire uma realidade", garantiu Bicca.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, considera a proposta interessante, mas se preocupa com a inclusão dos pequenos e médios empresários do setor e com a regionalização do País que demanda soluções diferenciadas para cada localidade.

"Precisamos focar nessa nova classe média que está consumindo cada vez mais e ter uma visão regionalizada de cada segmento do setor de embalagens para buscar resultados compatíveis com a realidade de cada estado e município", reforça a ministra.

Alumínio - A reciclagem das latas de alumínio para bebidas movimentou R$ 1,3 bilhão na economia nacional em 2009, conforme dados do Cempre. Só a etapa de coleta (a compra das latas usadas) injetou R$ 382 milhões, o equivalente à geração de emprego e renda para 216 mil pessoas.

É um caso em que o fabricante nem tem a chance de coletá-la e destiná-la à reciclagem, já que é um material valioso e as cooperativas se encarregam eficientemente delas, recebendo, em média, de R$ 3,2 por quilo, o equivalente a 75 latinhas (Cempre-dez/2010).

O que acontece com as latas de alumínio justificaria a proposta do setor de vincular a meta de logística reversa de embalagens à reciclagem, pois, por mais que a indústria não esteja recebendo o produto de volta, a destinação adequada efetiva está acontecendo, já que 98,2% das latas de alumínio foram recicladas em 2009, assegura a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), superando países industrializados, como Estados Unidos (57,4%), Argentina (92%) e Japão (93,4%).

A reciclagem do alumínio tem números expressivos e tem potencial ainda maior, considerando as 350 milhões de unidades de desodorante aerosol que são fabricadas anualmente e utilizam o mesmo material. De acordo com a associação da indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, esse mercado cresce, em média, 20% ao ano e a estimativa para 2011 é a produção de 420 milhões de unidades que precisam somar ao lucrativo negócio da reciclagem.

Para determinar a meta global e monitorar o cumprimento, eles apoiam a instalação de um fórum com modelo de governança alinhado aos representantes do setor empresarial envolvidos na responsabilidade compartilhada. Seria a instância encarregada de estabelecer as linhas de capacitação e mobilização com os catadores, a partir dos conhecimentos de reciclagem adquiridos pelo setor nos últimos 20 anos, montando as cooperativas e deixando-as aptas para funcionar adequadamente.

"Os investimentos começariam pelas doze cidades-sede da Copa do Mundo, pois até 2014 o tempo seria suficiente para implantarmos a coleta seletiva efetiva apenas nessas localidades, atendendo tanto o prazo da Política de Resíduos Sólidos quanto do evento esportivo, mas na segunda fase expandiríamos para os demais municípios", argumenta Bicca.

Em contrapartida, o setor pede ao Governo Federal a ampliação do parque reciclador na mesma medida em que aumentará o volume coletado; a desoneração da reciclagem, inclusive para impulsionar a exportação dos produtos brasileiros reciclados, que ainda são mais caros do que os novos e não consomem a matéria-prima; e a criação da política industrial do setor com previsão de investimentos em pesquisa e inovação para incremento das recicladoras com novas tecnologias.

Os empresários ainda alertam que estados com legislação de resíduos sólidos anterior à PNRS, como São Paulo e Espírito Santo, estão cobrando da indústria a implantação da logística reversa, mas para coordenar as políticas estaduais com a nacional, o MMA começa agora um processo de pactuação com as secretarias de ambiente dos estados e com o Ministério Público a fim de organizar o processo e dar conhecimento sobre o andamento do trabalho dos grupos do Comitê Orientador da Logística Reversa da PNRS.

"As cinco audiências públicas regionais para debater o Plano Nacional de Resíduos Sólidos também foram espaços para dialogar com os prefeitos e atores locais sobre o desenvolvimento de toda a Política, que será consolidada gradativamente", lembra o secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, Nabil Bonduki. Além disso, estão sendo preparados manuais, guias e cursos a distância para disseminar as informações nos municípios.

Plano Nacional - Nesse processo de debate com a sociedade, o Governo está atento para conciliar todas as metas do Plano Nacional com a necessidade de reduzir a quantidade de lixo seco que chega aos aterros sanitários, e eventualmente aos lixões, pois estudos de gravimetria apontam que ele representa 32% dos resíduos sólidos urbanos, onde há uma grande quantidade de embalagens.

O Plano irá acompanhar o que vai acontecer nos aterros sanitários ao longo do tempo e terá metas de redução dessa quantidade de resíduos secos que chegam a eles. Nas audiências públicas, a logística reversa está sendo discutida em função desses objetivos, que, no caso das embalagens, tem relação direta com a coleta seletiva.

GTT de Embalagens - A proposta do setor produtivo está evoluindo no Grupo de Trabalho Temático (GTT) de Embalagens, vinculado ao Comitê Orientador da Logística Reversa, e a governança por meio do fórum já foi aceita. A instância vai promover o processo de decisão e estabelecer o diálogo do setor privado (fabricantes, importadores, comerciantes, indústria, todos que têm a obrigatoriedade da responsabilidade compartilhada do ponto de vista do setor empresarial) com o conjunto de outras entidades que têm a ver com a logística reversa, como os governos federal, estadual, municipal, o Movimento Nacional de Catadores e a representação dos consumidores. Cada entidade que compõe a governança, além do Fórum, fará a coordenação com o setor representado.

O Governo Federal participará do fórum porque irá coordenar e assinar os acordos setoriais. Os governos estaduais também terão representação porque, além de poderem fazer termos de compromisso locais, serão obrigados a acompanhar a fiscalização desses acordos setoriais nos estados. Já a participação dos governos municipais será fundamental, pois, especificamente no caso das embalagens, a expectativa é que a logística reversa seja harmonizada com a coleta seletiva e o fórum será a oportunidade de diálogo dos municípios com o setor produtivo para definir a modelagem, que, depois de decidida, deverá ser implementada pelos municípios e apoiada pelos empresários.

A governança já está definida, mas a intenção de priorizar a ação nas cidades-sede da Copa ainda é um tema em discussão no GTT, pois a PNRS prevê o planejamento de ações de manejo de resíduos para o Brasil inteiro. No entanto, o grupo reconhece que todo trabalho que o governo vem desenvolvendo e discutindo aponta para a necessidade de ter uma estratégia focalizada nas regiões metropolitanas e nas grandes cidades, já que, de uma forma geral, concentram grande parte dos resíduos.

Nessa direção, o Governo Federal está discutindo a perspectiva de priorizar as ações de coleta seletiva nos grandes centros onde há mais geração de resíduos, o que acontece não só nas cidades-sede da Copa, mas também nas regiões metropolitanas e nas demais capitais do País.
O diretor de Ambiente Urbano, Silvano Costa, esclarece que a proposta que eles trazem não é contrária ao que o governo entende ser uma boa estratégia, tem aderência a tudo que estamos fazendo, mas ela ainda vai ser discutida e poderá fazer parte de um acordo setorial.

Há a perspectiva de que o estudo de viabilidade técnica e econômica seja concluído até meados de dezembro, o que subsidiará a tomada de decisão do Comitê Orientador para aprovar o edital e publicá-lo.

Para Costa, a ideia do setor empresarial é uma sinalização interessante para o avanço da Política, justamente porque a Copa será em 2014 e o esforço é para que o acordo seja assinado no primeiro semestre de 2012.
"Estar nesse caminho desde já é importante e esse movimento vem num bom momento", acredita o diretor.












http://www.jornaldiadia.com.br/jdd/index.php/temperatura-e-meio-ambiente/77955-coleta-seletiva-na-copa-de-2014

MAMUTE
Nov 29, 2011, 5:18 PM
Ronaldo aceita convite de Teixeira e assume o Comitê da Copa de 2014



Fenômeno será anunciado quinta-feira como novo homem forte do COL e repete feitos do francês Platini (1998) e do alemão Beckenbauer (2006)


Ronaldo será o novo homem forte do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014 (COL). O Fenômeno aceitou o convite de Ricardo Teixeira na noite de segunda-feira e vai repetir os feitos do francês Michel Platini e do alemão Franz Beckenbauer, que comandaram a organização do Mundial em 1998 e 2006.

O ex-camisa 9 se reunirá com Teixeira na quarta para finalizar os detalhes e será anunciado oficialmente na quinta. Uma entrevista coletiva já está sendo marcada em um hotel da Zona Sul do Rio de Janeiro, às 11h (de Brasília), e o nome do cargo do Fenômeno será revelado.


http://s.glbimg.com/es/ge/f/620x470/2011/06/06/ronaldo00_rib-3.jpg
Ronaldo e Teixeira em evento da CBF: troca de poder no COL



Na segunda, outros campeões mundiais aprovaram o nome de Ronaldo como presidente do COL, depois que a notícia do convite de Teixeira ao Fenômeno ter sido publicada pelo jornal "O Globo". Para o ex-lateral-direito Cafu, companheiro do ex-camisa 9 na conquista do penta em 2002, o maior artilheiro das Copas está preparado para a função:

- Aprovo e acho que ele pode fazer um bom trabalho. Há tanta gente que preside algo ligado ao esporte sem ter sido atleta ou sem entender muito. Ronaldo tem a empresa dele, então já tem a prática na administração. O comando, ele pega com o tempo - disse Cafu.

Zagallo, técnico de Ronaldo na Copa do Mundo de 1998, também concordou com a escolha:

- A experiência, ele já tem. E acho que tem condições, sim, de ser um bom executivo - afirmou.

Segundo o jornal "O Globo" de sábado, a iniciativa de Teixeira se deu por conta das acusações que tem sofrido nos últimos meses. Nos últimos meses, o presidente da CBF ganhou mais um desafeto e isso pode pesar na sua continuidade no Comitê Organizador Local. Após apoiar o qatari Mohammed bin Hamman nas eleições da Fifa, o atual presidente da entidade máxima do futebol, Joseph Blatter, tem trabalhado para tirar o brasileiro do Comitê Executivo e do COL. Segundo o diário, o caso foi tratado como traição pelo dirigente suíço, já que Teixeira foi o principal articulador para a escolha do Qatar como sede em 2022.

Antes de Ronaldo aceitar o cargo, o mandatário da CBF havia convidado Henrique Meirelles, mas o ex-presidente do Banco Central acabou recusando. De acordo com "O Globo", o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke levou uma mensagem de Blatter até a presidente Dilma Rousseff pedindo pela escolha de um novo presidente para o Comitê Organizador da Copa do Mundo. Porém, a governante preferiu deixar a iniciativa para a entidade máxima do futebol.

No último sábado, o vereador Marcelo Mendes (PTC-CE) postou em seu Twitter que o senador Álvaro Dias teria recebido uma ligação confirmando a saída de Teixeira. O político do PSDB-PR não confirmou a informação, mas postou na rede social que a indicação de Ronaldo Fenômeno para o Comitê Organizador era mera especulação.













http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2011/11/ronaldo-aceita-assumir-o-col-e-sera-apresentado-quinta.html

MAMUTE
Nov 30, 2011, 11:13 AM
Fifa usa painel para mostrar obras dos estádios da Copa em tempo real


Stand na Soccerex transmite os preparativos das 12 sedes brasileiras que receberão as partidas do Mundial de 2014 e agrada a João Havelange


http://s.glbimg.com/es/ge/f/original/2011/11/29/tempo-real-das-obras-copa_felippecosta62.jpg
Painel em tempo real dos 12 estádios para a Copa do Mundo




A Fifa está aproveitando a Soccerex, feira de negócios de futebol que reúne executivos de todo o mundo no Rio de Janeiro, para mostrar o andamento dos trabalhos para a Copa de 2014. Um grande painel foi montado no stand da entidade e transmite em tempo real as obras de reforma ou construção dos 12 estádios que serão sedes das partidas. Alguns, como São Paulo, Natal e Cuiabá, estão sob pressão por só terem a previsão de entrega para dezembro de 2013.

Em Curitiba, na Arena da Baixada, do Atlético-PR, o canteiro é menor, já que o palco moderno atende a muitas das reivindicações da Fifa, mas as atividades começaram apenas recentemente, o que tirou a possibilidade de receber a Copa das Confederações, em junho de 2013, por exemplo. Caso semelhante ao do Beira-Rio, estádio do Inter, que tem sua reforma parada há seis meses por impasse financeiro e burocrático entre o clube e a construtora responsável.

Depois de participar de palestra com Zagallo, o presidente de honra da Fifa, João Havelange, passou pelo stand e ficou admirado com as telas, indicando que havia operários em todos os locais naquele momento. O evento está acontecendo no Forte de Copacabana e termina nesta quarta.













http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-do-mundo/noticia/2011/11/fifa-usa-painel-para-mostrar-obras-dos-estadios-da-copa-em-tempo-real.html

MAMUTE
Dec 1, 2011, 4:59 PM
Copa do Mundo no Brasil terá 300 mil ingressos populares



Assim como aconteceu na África do Sul, a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, terá uma carga de ingressos populares. Segundo anúncio feito nesta quinta-feira por Ronaldo, novo membro do Conselho Administrativo do Comitê Organizador Local (COL), 300 mil entradas mais baratas serão disponibilizadas para o público brasileiro.


Enquanto respondia perguntas sobre sua função no COL, Ronaldo foi informado que o número de ingressos populares já estava definido e foi enviado ao governo federal nesta semana.

Na África do Sul, os bilhetes da categoria 4 eram os mais baratos e custavam US$ 20 (R$ 36), valor que contemplava quase todos os jogos. As exceções eram a abertura e a final do Mundial.

Devido à baixa procura dos sul-africanos, o comitê local chegou a distribuir gratuitamente mais de cem mil ingressos. Tal iniciativa não está prevista pelos organizadores brasileiros.

Se a Copa no Brasil seguir o padrão da última edição e disponibilizar os bilhetes mais baratos para 62 dos 64 jogos, os brasileiros terão pouco menos de cinco mil ingressos populares por partida.






http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/12/01/copa-do-mundo-no-brasil-tera-300-mil-ingressos-populares.htm

MAMUTE
Dec 1, 2011, 5:02 PM
:previous:Êita, o que tem cambista nessas horas com um soriso de orelha a orelha:D, vão ter mais margem de lucros:banana:

MAMUTE
Dec 2, 2011, 3:11 AM
TCU diz que Copa pode legar herança indesejável



Relatório de avaliação das obras da Copa do Mundo de 2014 aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) alerta para o risco de as obras da Copa se transformarem em "herança" indesejável. A pouco mais de dois anos e meio do início do torneio, apenas 8 dos 49 projetos de obras para transportar torcedores e turistas nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo tiveram contratos assinados e 24 nem sequer lançaram licitação.

A área de mobilidade urbana é a que mais preocupa no cardápio de obras financiadas com dinheiro público. É também a que exigirá a maior fatia de investimentos da União: R$ 7,9 bilhões só em financiamentos da Caixa Econômica Federal (CEF), segundo a matriz de responsabilidade, que estabelece o custo das obras e quem faz o quê.

"Temo que essas intervenções de mobilidade, a serem inevitavelmente realizadas às pressas, baseiem-se em projetos sem o devido amadurecimento quanto ao seu detalhamento técnico; e mesmo quanto à sua viabilidade. Preocupa-me o risco de conceber uma herança que não corresponda às reais necessidades da população ao término dos jogos", diz o relator Valmir Campelo, responsável pelo acompanhamento das obras da Copa.

O relatório divulgado hoje (1) menciona entre as obras que nem começaram a sair do papel o polêmico veículo leve sobre trilhos (VLT) de Cuiabá, orçado em R$ 1,2 bilhão.

O jornal O Estado de S. Paulo revelou na semana passada que a obra foi aprovada pelo Ministério das Cidades mediante um documento fraudado. O projeto original era o BRT, uma linha rápida de ônibus, que custava R$ 489 milhões.

Um acordo político do governo federal com o estadual alterou o projeto. Só que uma análise técnica feita pela pasta vetava a mudança imediata. Com o aval do ministro Mário Negromonte, a diretora de Mobilidade Urbana, Luiza Vianna, adulterou o parecer original, deixando a conclusão a favor do VLT.

Como as demais obras de mobilidade urbana, o VLT deveria ter as obras concluídas até dezembro de 2013, mas não passou ainda por licitação, como outras 23 obras do setor de mobilidade. O TCU registra que o governo do Mato Grosso conseguiu substituir o projeto, daí o atraso nos contratos de financiamento.


Em junho, a presidente Dilma Rousseff havia estabelecido o mês de dezembro como data limite para o início das obras de construção dos corredores de BRT (do inglês Bus Rapid Transit), faixas preferenciais, e monotrilhos. As obras que não tivessem sido contratadas poderiam ser excluídas da matriz de responsabilidade da Copa. O levantamento do TCU mostra que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já desembolsou R$ 273 milhões para a construção e reforma dos estádios nas cidades-sede da Copa. E alerta que as arenas de Porto Alegre e Curitiba, sob responsabilidade dos clubes de futebol, têm as obras "interrompidas ou não iniciadas".














http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=378255

MAMUTE
Dec 3, 2011, 10:03 PM
Manifestantes fazem protesto contra intenção de privatizar o estádio do Maracanã


Membros do Comitê Popular da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos realizaram na manhã deste sábado uma manifestação em frente ao estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, contra a intenção do governo estadual fluminense de entregar à iniciativa privada a gestão da arena após a Copa do Mundo de 2014.

http://e.imguol.com/esporte/futebol/2011/11/16/fotos-do-maracana-em-novembro-de-2011-ao-custo-de-r-1-bilhao-reforma-e-praticamente-uma-reconstrucao-do-estadio-1321453122859_615x300.jpg

Integrante do comitê, o manifestante Marcos Alvito explicou que a reforma orçada em R$ 900 milhões está sendo feita com dinheiro público e não com investimento privado.

“O pensamento do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas é que o Maracanã é um bem público, é um patrimônio de todos os cariocas e dos brasileiros. É até um patrimônio da humanidade, que a gente não pode gastar R$ 1 bilhão de dinheiro público no Maracanã e entregar à iniciativa privada. Quer dizer, o Estado fica com o prejuízo e a iniciativa privada, com o lucro”, afirma Marcos Alvito.

De acordo com o manifestante, o protesto também alertou para possibilidade de uma “elitização” do futebol com a tendência de aumento do preço dos ingressos e cada vez maior a ausência das famílias com menor renda dos estádios.

O protesto foi o primeiro da campanha “O Maracá é Nosso”. Além da briga contra a privatização do Maracanã, o comitê também se mostra contrário à remoção de famílias de comunidades carentes para a construção de instalações do Mundial e dos Jogos Olímpicos Rio-2016, caso da Vila Autódromo, em Jacarepaguá.




http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/12/03/manifestantes-fazem-protesto-contra-intencao-de-privatizar-o-estadio-do-maracana.htm

MAMUTE
Dec 6, 2011, 6:35 PM
VLT de Brasília não cumprirá cronograma


Principal obra de mobilidade urbana da capital federal espera nova licitação até o final deste ano

Mesmo preterida por São Paulo para a abertura da Copa, Brasília conquistou um papel de destaque na competição que a Fifa realizará no Brasil em 2014. A capital do país foi contemplada com o maior número de jogos entre as cidades-sede do torneio, sete ao todo, número igualado apenas pelo Rio de Janeiro.

Para fazer jus ao papel de destaque, o governo do Distrito Federal usa como vitrine a construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, um dos mais caros e suntuosos da Copa, que deve fechar 2011 com 45% de execução das obras.

http://www.portal2014.org.br/midia/noticias/vlt_de_brasilia_nao_cumprira_cronograma_6122011-12371-1.jpg
Trecho de 6,5 km do VLT vai ligar o aeroporto à Asa Sul

Uma agilidade, porém, que não se repete quando o assunto é mobilidade urbana. O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), principal obra de transporte para a Copa, está emperrado há dois anos. A licitação realizada em 2009 foi colocada sob suspeita pela Justiça do Distrito Federal, que suspendeu as obras em abril deste ano.

A Justiça entendeu que a concorrência foi fraudulenta e direcionada para beneficiar empresários ligados ao então presidente do Metrô do Distrito Federal, José Gaspar de Souza. O pior é que a obra também havia sido suspensa em 2010 para que o processo licitatório fosse investigado.

Nas arredores de Brasília restam apenas esqueletos do VLT, cujo trecho de 6,5 km visa ligar o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek à Asa Sul.

Para cumprir o prazo de entrega, dezembro de 2013, e se livrar do risco de fazer um papelão durante a Copa, o governo do Distrito Federal teve de voltar à estaca zero. Uma nova licitação deve ocorrer até o final do ano, e nem mesmo os projetos básicos da primeira versão do VLT serão aproveitados.

O problema é que o consórcio vencedor da primeira licitação (Daclon, Altran/TCBR e Veja Engenharia) promete comprar briga com o governo. Em agosto, as empresas entraram com recurso contra a suspensão do contrato e aguardam o julgamento.

Redução
Junto com a decisão de abrir nova concorrência para o VLT, o governo decidiu reduzir o tamanho da linha. O plano original era que o VLT saísse do aeroporto, cruzasse toda a Asa Sul pela avenida W3 sul e chegasse à rodoviária do Plano Piloto, totalizando 22,6 km.

Por conta dos problemas com a licitação e de dificuldade em conseguir licenças ambientais e urbanísticas a tempo, o governo decidiu implantar apenas a linha 1, que sai do aeroporto e vai até a estação sul do metrô, menos de um terço da ideia original.

A estação ficará a mais de seis quilômetros do Mané Garrincha: não servirá, portanto, para levar os torcedores aos jogos da Copa.

Além disso, com a redução do projeto o governo distrital se restringe a cumprir o combinado na Matriz de Responsabilidades, documento assinado em janeiro de 2010 entre a União e os estados e municípios que receberão a Copa, com o objetivo de estabelecer os projetos essenciais para a realização do evento.

Na primeira versão do documento, o valor previsto para a obra era de R$ 269 milhões. Com a revisão da Matriz ocorrida em outubro deste ano, o montante passou para R$ 276,9 milhões. O governo não sabe explicar o aumento, mas o valor pode subir ainda mais com a nova licitação.

Pelo fato de a concorrência ter entrado no Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC), aprovado pela Câmara para acelerar as obras da Copa, o custo do projeto só é divulgado ao final da concorrência.

Outras obras
O atraso nas obras do VLT provoca um efeito cascata em outras intervenções para melhorar o trânsito de Brasília. No pacote da Copa também foi incluída a duplicação da rodovia DF-047, que dá acesso ao aeroporto Juscelino Kubitschek. No entanto, o projeto depende das obras do VLT para sair do papel.

O secretário executivo do Comitê Organizador Brasília 2014, Claudio Monteiro, muda o foco quando o assunto são os atrasos na construção do VLT. Citando projetos alternativos, Monteiro afirma que Brasília não pode ficar restrita ao sistema sobre trilhos.

“A via expressa do aeroporto ao Setor Hoteleiro, que já existe com o ônibus executivo e que precisa e pode ser intensificada; a faixa presidencial do Eixão (faixa exclusiva para o tráfego de presidentes e veículos de emergência que cruza todo o Plano Piloto), que também nos dá a oportunidade de utilizá-la; e temos o VLP. O fato de Brasília ser uma cidade planejada, com largas avenidas, nos coloca em vantagem. Por isso, estamos trabalhando para aumentar a quantidade de equipamentos públicos nessas vias.”

As obras para o Veículo Leve sobre Pneus (VLP) foram autorizadas pelo governador Agnelo Queiroz em agosto deste ano. Os canteiros de obra estão sendo instalados e a previsão de entrega é para o início de 2013.

O VLP ligará as cidades satélitedo Gama e Santa Maria ao Plano Piloto, num trajeto de 42 km e 15 estações. A expectativa é que a capacidade seja de 20 mil pessoas por hora.

VLT Linha 1
Status: atrasada
O que é: Trecho de 6,5 km liga o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek à Asa Sul de Brasília.
Estágio: Obras suspensas pelo Ministério Público do Distrito Federal.
Valor: R$ 276,9 milhões (R$ 263 milhões financiados pela CEF).

Ampliação da rodovia DF-047
Status: em alerta
O que é: duplicação da rodovia que dá acesso ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubitscheck.
Estágio: início está marcado para janeiro de 2012, mas duplicação depende do início das obras do VLT.
Valor: R$ 103,4 milhões (R$ 98 milhões financiados pela CEF).


http://www.portal2014.org.br/midia/noticias/vlt_de_brasilia_nao_cumprira_cronograma_6122011-125320-2.jpg
Licitação do modal ocorreu em 2009 e a suspensão em abril deste ano












http://www.portal2014.org.br/noticias/8626/VLT+DE+BRASILIA+NAO+CUMPRIRA+CRONOGRAMA.html

MAMUTE
Dec 9, 2011, 8:30 PM
Governo quer índice de nacionalização para equipamentos na Copa


A compra de produtos para a Copa do Mundo de 2014 terá exigência de conteúdo produzido no Brasil, segundo o ministro dos esportes, Aldo Rebelo. O ministro participa de almoço com empresários dos setores elétrico e eletrônico promovido pela Abinee, em São Paulo. Rebelo não soube estimar percentuais de nacionalização. De acordo com o ministro, os índices variarão dependendo do tipo de produto. “Temos que ver os produtos que são feitos, aqui, montados aqui e a quantidade de itens nacionais utilizados”, disse. Para acompanhar a nacionalização dos produtos comprados, Rebelo afirmou que pretende firmar convênios com a Abinee, a Abimaq e o Simdimaq, que ficarão responsáveis por fazer relatórios periódicos. A expectativa é de que os acordos estejam prontos até o começo do ano.











http://www.valor.com.br/empresas/1131940/governo-quer-indice-de-nacionalizacao-para-equipamentos-na-copa

MAMUTE
Dec 12, 2011, 12:25 PM
Dossiê mostra que pressa para entregar estádios prejudicou condições de trabalho nas obras


O dossiê Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil mostra que a pressão para entregar as obras de reforma e construção de estádios em tempo hábil para a Copa de 2014 tornou precárias as condições de trabalho nesses empreendimentos. O documento divulgado hoje (12) foi elaborado pela Articulação Nacional de Comitês Populares da Copa, rede de movimentos sociais e pesquisadores que acompanham os preparativos para os eventos esportivos.



O relatório destaca que ocorreram dez paralisações de trabalhadores nas obras de seis dos 12 estádios que serão usados no Mundial (em Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Fortaleza, Recife e no Rio de
Janeiro). As pautas de reivindicação tinham em comum, segundo o levantamento, pedidos de aumento salarial, de concessão de benefícios, do fim do acúmulo de tarefas e das jornadas excessivas de trabalho.



O levantamento mostra ainda as tentativas de repressão aos movimentos grevistas. Segundo o documento, em Brasília e Pernambuco, funcionários ligados às paralisações foram demitidos arbitrariamente. No estado nordestino, houve denúncia de ação truculenta da polícia para impedir as manifestações.



As condições de trabalho nos canteiros de obra estão relacionadas, de acordo com o dossiê, à pressa para que os empreendimentos fossem entregues a tempo para os eventos. “Criou-se um fantasma que acompanhou e acompanha todo o processo de preparação para 2014 e 2016, e que, com certo incentivo de meios de imprensa, cria expectativas sobre a possibilidade de um fracasso vexatório da Copa no Brasil”, diz o texto.



Essa pressão, conforme o documento, beneficiou as empreiteiras envolvidas, reduzindo os entraves legais e servindo de pretexto para “violações de direitos dos trabalhadores”. “[A pressão] contribuiu para os atropelos legais, aportes adicionais de recursos públicos, irregularidades nos processos de licenciamento de obras e inconsistência e incompletude de alguns projetos licitados sem qualquer segurança econômica, ambiental e jurídica”.



O relatório mostra também que 50% do financiamento dos projetos são feitos com recursos públicos, principalmente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).









http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=379846

MAMUTE
Dec 12, 2011, 12:29 PM
Decisões sobre obras de infraestrutura para Copa são tomadas sem participação social


As decisões sobre as obras de infraestrutura para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 têm deixado a sociedade de fora das discussões, segundo o dossiê Megaeventos e Violações de Direitos Humanos no Brasil. O documento divulgado hoje (12) aponta ainda que “a ausência de participação e de mecanismos de controle social é também revelada nas decisões arbitrárias relativas a obras milionárias, opções por soluções mais caras e intervenções na cidade direcionadas a eixos de valorização imobiliária e 'limpeza social'”.



Como exemplo dos problemas causados por esse modelo, cita o veículo leve sobre trilhos (VLT) planejado para ser construído em Brasília. Segundo o documento, apesar de a capital federal apresentar deficiências em relação ao transporte coletivo, principalmente nas áreas periféricas e mais populosas da cidade, foi feita uma opção que não contempla essas questões. “A decisão pelos investimentos no VLT implica altos investimentos conectando o aeroporto à região nobre da cidade, na área mais bem servida por linhas de ônibus, metrô, táxis”.



O relatório destaca que alguns empreendimentos atendem mais aos interesses de pequenos grupos do que de grandes parcelas da população. “As grandes obras viárias apresentam fortes indícios de direcionamento para interesses imobiliários em detrimento das demandas sociais”, ressalta o texto.



A situação decorre, segundo o dossiê, de um processo de definição de investimentos baseado na urgência e que ouve apenas as empresas privadas para a negociação dos projetos. “A situação extrema revela um conjunto de decisões tomadas para a definição de investimentos estruturais na cidade sem qualquer participação da população, sem audiências públicas, e sem estudos previstos em lei.”



Entre os estudos que não estão sendo feitos, o levantamento destaca os de impacto ambiental. O trabalho aponta a criação do Grupo de Trabalho Meio Ambiente como forma de facilitar os processos de licitação para os megaeventos. “Apesar dessa 'flexibilização', as prefeituras não abrem mão de burlar a legislação ambiental”, assinala o documento, ao acrescentar que há um uso indiscriminado do relatório ambiental simplificado (RAS) pelas administrações municipais, “desconhecendo de maneira grosseira os impactos sociais e ambientais”.



Segundo o dossiê, o "atropelo" dos procedimentos muitas vezes é justificado com base em compromissos com entidades privadas como o Comitê Olímpico Internacional (COI) e a Federação Internacional de Futebol (Fifa). “Apoiado em uma noção pervertida de 'interesse público', o Estado brasileiro tem sistematicamente se recusado a estabelecer processos de diálogo horizontal com os grupos sociais e comunidades ameaçados [pelas obras de infraestrutura]”.









http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=379865

MAMUTE
Dec 13, 2011, 7:42 PM
Relator da Lei Geral muda texto e libera bebida em estádio só na Copa


Texto previa mudar Estatuto do Torcedor e liberar álcool permanentemente Votação do texto seria nesta terça (13), mas foi adiada por falta de acordo.



O relator da Comissão Especial da Lei Geral da Copa na Câmara, deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), alterou nesta terça-feira (13) o texto do relatório final para liberar a venda de bebidas alcoólicas em estádios somente durante o Mundial de 2014.

O texto apresentado na semana passada previa mudança no Estatuto do Torcedor, que atualmente proíbe bebida em estádio, o que tornaria permanente a venda do álcool durante os jogos no país.

De acordo com o relator, a mudança apresentada nesta terça foi feita a pedido do governo federal e do Ministério da Saúde, que pretende discutir de forma mais ampla as mudanças no Estatuto do Torcedor.

A votação do relatório final, prevista para esta terça, foi adiada por falta de acordo. Alguns parlamentares alegaram que não tiveram acesso ao texto com antecedência. A previsão é que a comissão volte a se reunir nesta quinta-feira (15) para votar o relatório.

Vicente Cândido disse que o adiamento da votação foi "fruto do processo democrático". "Na última reunião tiveram vistas do projeto e procuramos dialogar até a última hora com deputados, governo, Fifa e entidades. Um projeto dessa natureza só prospera se tiver acordo. Ninguém quer votar atordoadamente."

Copos de papel
Ainda em relação ao consumo de bebidas, a versão atual do projeto prevê a venda de bebidas alcoólicas também nas arquibancadas, em copos de papel. Na versão anterior, o consumo era permitido apenas em bares e camarotes dentro dos estádios.

O relator comentou declarações do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que criticou a liberação de bebida nos estádios brasileiros.

“Também acho enviesado esse discurso de achar que o problema da embriaguez no Brasil é só nos estádios. Acho que estádio é onde há menos. As pessoas vão ao estádio para torcer e não para beber. As pessoas enchem a cara em botecos. Tem de discutir outras formas de lazer, educação nas escolas e ser mais severo na educação das famílias, do que achar que proibir bebida nos estádios vai resolver este problema”, disse Cândido.

Preços mais baixos
Outra mudança importante foi a retirada dos idosos do grupo de beneficiados com os ingressos mais baratos, chamados de ingressos do Grupo 4. Segundo o relator, a retirada ocorreu porque os idosos já têm direito à meia-entrada conforme a legislação brasileira.

Com isso, sobrariam mais ingressos para os demais que têm direito ao valor mais baixo, como estudantes, portadores de deficiência, indígenas e participantes de programa de transferência de renda.

A Lei Geral prevê reserva de pelo menos 300 mil ingressos - dentre os cerca de 1 milhão que serão colocados à venda direcionados a brasileiros - para com preço sugerido de R$ 50.

Calendário
Também foi apresentada nesta terça mudança no calendário escolar de 2014 para antecipar o início das aulas e aumentar o período das férias de julho em toda a rede escolar.

Na maioria dos estados, as aulas começam no fim de fevereiro e as férias de meio de ano duram todo o mês de julho. De acordo com o calendário proposto pelo deputado, que valeria, segundo ele, tanto para rede pública quanto para rede privada, o ano letivo começará no dia 20 de janeiro de 2014 e as férias do meio de ano vão de 11 de junho a 21 de julho.

O deputado disse também que sua intenção, com a alteração no calendário das aulas, é desafogar o trânsito e desestimular que estados e municípios instituam feriados, conforme prevê a Lei Geral.

Se aprovado na comissão, o texto, que tramita em regime de prioridade, vai direto para o plenário. Depois, ainda precisa ir para o Senado antes de ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff.

Aeroportos
Na semana passada, a Comissão Especial da Lei Geral da Copa se reuniu para uma apresentação dos principais pontos do projeto. Uma das propostas debatidas foi a utilização de aeroportos militares como forma de aliviar a demanda por aeroportos civis durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

A proposta é resultado de uma emenda de autoria do deputado Otávio Leite (PSDB-RJ). A intenção é discutir com o Ministério da Defesa o uso dos aeroportos militares para se receber delegações de atletas e autoridades dos países participantes do evento.















http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/12/relator-da-lei-geral-muda-texto-e-libera-bebida-em-estadio-so-na-copa.html

MAMUTE
Dec 14, 2011, 5:16 PM
Contra a Constituição Projeto de Lei da Copa ameaça liberdade de imprensa, dizem juristas


http://copa.imguol.com/2010/copadomundo/2009/11/26/cafu-segura-o-trofeu-apos-o-brasil-ganhar-o-penta-da-copa-do-mundo-1259255834261_615x300.jpg
Comemoração de 2002: pela Lei da Copa, Fifa poderia vetar veiculação da festa de 2014


O projeto de Lei Geral da Copa que tramita na Câmara dos Deputados fere a liberdade de imprensa, afirmam especialistas em direito constitucional e desportivo ouvidos pelo UOL Esporte.

O texto da proposta extingue um direito garantido pela Lei Pelé (9.615/1998) a todos os meios de comunicação, de registrar e divulgar até 3% dos eventos esportivos, ainda que privados. É o que a lei caracteriza como “flagrante jornalístico”, e serve para que o direito constitucional à informação da sociedade em geral não seja prejudicado pelo direito dos organizadores de um evento de explorar comercialmente a sua transmissão.

O projeto da Lei da Copa, de autoria do Poder Executivo e alterado pelo relator do projeto na Câmara, deputado Vicente Cândido (PT-SP), proíbe até mesmo os órgãos de imprensa credenciados de captar imagens ou sons dos jogos e eventos da Copa do Mundo de 2014, salvo com autorização expressa da Fifa.

Se a proposta for aprovada como está, todos os meios de comunicação só poderão tornar públicos os vídeos, fotos e trechos de áudio que a Fifa selecionar. Assim, ao fim de cada partida de futebol ou evento da Copa, a Fifa teria até duas horas para selecionar quais imagens estaria disposta a liberar para uso da imprensa e conhecimento do público em geral. No caso das partidas de futebol, seriam liberados seis minutos de imagens.

Para virar lei, o projeto tem que passar por mais duas votações na Câmara e outra no Senado, para então ser submetido à aprovação final da presidente Dilma Rousseff.

Fifa quer decidir o que é 'flagrante jornalístico

A exclusividade de transmissão garantida àqueles que compraram os direitos de transmissão da Copa não é o que caracteriza a inconstitucionalidade do projeto de lei. O problema, afirmam especialistas ouvidos pelo UOL Esporte, é que a proposta reserva à Fifa o direito exclusivo de escolher o que poderá ser considerado de interesse jornalístico ou não.

Para o jurista Ives Gandra Martins, a norma em análise na Câmara fere frontalmente a Constituição Federal em seu artigo 220, que determina que “nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social”.

“Ora, se a Fifa é quem vai selecionar quais imagens poderão ser levadas a público, derruba-se o conceito de ‘flagrante jornalístico’, pois cabe a cada meio de comunicação decidir o que é material noticioso”, pondera o jurista.

Segundo ele, é natural que a Fifa, detendo o poder de escolha sobre o que será liberado, prefira esconder imagens que, por exemplo, possam prejudicar seus interesses comerciais, como uma eventual invasão de campo ou protesto contra um de seus dirigentes.

“A Constituição é muito clara. Não se pode inibir a liberdade absoluta dos órgãos de imprensa de informar que está ocorrendo. Se a Fifa seleciona o que pode ser publicado, a liberdade de expressão e de imprensa estão cerceadas”, finaliza Gandra Martins.

O entendimento do jurista é compartilhado por Martinho Neves Miranda, coordenador do curso de pós-graduação de direito desportivo da Universidade Cândido Mendes e autor do livro “O Direito no Desporto”.

O professor usa de exemplos para ilustrar seu posicionamento. “A Fifa não costuma divulgar invasão de campo. É um direito dela, para não incentivar atos deste tipo. Mas, flagrante é flagrante. Se um torcedor invade o campo, e um veículo de imprensa considera ser este um fato jornalístico, ele deve ter o direito de publica-lo. Caso contrário, é censura”, afirma Miranda.

Para ele, o conflito entre o direito de exploração comercial do espetáculo de quem o organiza e o direito a informação de toda a população estava bem equacionado com a regulação da Lei Pelé, que permite que se capte e se divulgue até 3% do espetáculo. “Agora, se só a Fifa e seus contratantes podem captar as imagens e decidirem o que irá ser levado ao público, me parece muito claro que está havendo um cerceamento à liberdade de imprensa e expressão”.

O presidente da Comissão de Direito Constitucional da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil), Dircêo Torrecillas Ramos, reforça: “Os 3% de tempo de espetáculo que são concedidos aos meios de comunicação a título de flagrante jornalístico não podem ter nenhuma ingerência do organizador do evento. Qualquer ingerência nesse sentido é censura, e fere o artigo 220 da Constituição Federal”, acredita o jurista, que é professor livre-docente de direito constitucional pela USP. “Eventos internacionais realizados no Brasil devem seguir as leis brasileiras, principalmente a Constituição”, conclui.

Já o professor Luciano Ferraz, chefe do departamento de direito público da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), tem outra opinião. Segundo ele, “os direitos de transmissão, desde que a lei preveja, podem ser restritos à entidade detentora dos direitos inerentes”.

Ferraz acredita que “liberdade de imprensa não se confunde com direito de transmissão, tampouco liberdade sem limites na divulgação”.

O UOL Esporte procurou o relator do projeto da Lei Geral da Copa na Câmara, deputado Vicente Cândido, para comentar a questão, mas até a publicação desta reportagem não conseguiu o contato.








http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/12/14/projeto-de-lei-da-copa-fere-liberdade-de-imprensa-dizem-juristas.htm

MAMUTE
Dec 19, 2011, 12:28 AM
Investimentos em transporte para a Copa terão isenção de ICMS


Apesar de não resolver as grandes questões da pauta, a reunião desta sexta-feira do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) estabeleceu acordos entre Estados sobre questões técnicas relacionadas a notas eletrônicas e também benefícios do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em investimento em mobilidade urbana para a Copa do Mundo em 2014.

A informação é do secretário Andrea Calabi, da Fazenda de São Paulo. Entre os incentivos ele destaca a redução de ICMS a zero para a importação de trens e equipamentos ferroviários destinados à infraestrutura de transporte urbano. O benefício do imposto vale somente para casos sem similar nacional.

As discussões sobre a convalidação dos incentivos fiscais e a redução de alíquotas do imposto devem ser retomadas apenas em março do ano que vem, quando acontece nova reunião do conselho.












http://www.valor.com.br/brasil/1142422/investimentos-em-transporte-para-a-copa-terao-isencao-de-icms

MAMUTE
Dec 28, 2011, 8:26 PM
FGTS financiará até R$ 4 bilhões para obras da Copa


As 12 cidades-sede dos jogos da Copa do Mundo de 2014 poderão recorrer ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) a fim de financiar as obras para mobilidade urbana, tais como a criação e ampliação de corredores viários, a instalação de monotrilho, VLT (veículo leve sobre trilhos) e sistema de ônibus BRT (Bus Rapid Transit).



Conforme circular da Caixa, publicada hoje (28) no Diário Oficial da União, os projetos devem estar definidos na matriz de responsabilidades das obras prioritárias de infraestrutura da Copa ou vinculados à segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).



O uso do FGTS para as obras da Copa havia sido proposto pelo Congresso Nacional em emendas parlamentares a medidas provisórias sobre o Fundo de Financiamento à Exportação e sobre Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra).



No dia 14 de dezembro, a presidenta Dima Rousseff vetou o uso do FGTS para as obras da Copa justificando que a preparação do evento esportivo já era contemplada com linhas de crédito estabelecidas. O fundo criado na década de 1960 financia programas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana e pode ser sacado pelo trabalhador demitido.











http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=382317

MAMUTE
Dec 31, 2011, 4:24 PM
Desperdício de dinheiro público em 2011 com preparação para Copa chega a R$ 776 milhões


http://w3.i.uol.com.br/novas-midias/2011/07/27/gramado-de-r-500-mil-do-estadio-castelao-de-fortaleza-some-e-vira-jardim-em-predio-publico-do-ceara-1311763513847_615x300.jpg
Gramado de R$ 500 mil do Castelão, em Fortaleza, virou jardim de prédio público


O desperdício de dinheiro público com os preparativos do Brasil para a Copa do Mundo de 2014 alcançou a cifra mínima de R$ 776 milhões em 2011. Esta é a soma do que foi gasto em oito episódios protagonizados pelos governos federal, estaduais e municipais em que foram consumidos recursos em obras que não saíram do papel, compras mal sucedidas, eventos privados pagos com dinheiro público e convênios irregulares com ONGs.

O Estado de Mato Grosso lidera a lista dos pouco atentos com os cofres estatais. Em uma só obra, uma linha de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), o dinheiro mal empenhado foi de R$ 700 milhões. É que a obra de mobilidade urbana original planejada para Cuiabá, uma das sedes da Copa, eram dois corredores exclusivos de ônibus (BRT - Bus Rapid Transit).

Era este o empreendimento planejado pelo Estado e previsto na Matriz de Responsabilidades da Copa, assinada em janeiro de 2010 pelo Ministério do Esporte e Estados e cidades-sedes do Mundial de 2014.

A escolha do modal aconteceu após a encomenda de estudos técnicos e teve a aprovação unânime de especialistas em transporte público de três universidades (USP, UFRJ e UFMT). Os políticos de Mato Grosso, porém, manobraram para que o projeto fosse substituído pela linha de VLT, elevando os custos para R$ 1,2 bilhão, R$ 700 milhões a mais do que o projeto original.

Em outro episódio no mesmo Estado, em novembro, o governo cancelou o contrato da obra de um teleférico na Chapada dos Guimarães, no valor de R$ 6 milhões, que estava sendo construído dentro do planejamento do Estado para a Copa do Mundo de 2014 (e com os recursos destinados a este fim) como equipamento que fomentaria o turismo na região. O equipamento seria construído a 67 quilômetros da capital Cuiabá, sede da Copa.

O contrato assinado em 2009 com a empresa Zucchetto Máquinas e Equipamentos Industriais, que construiria o teleférico, não sobreviveu a uma auditoria interna do Poder Executivo de Mato Grosso. A empresa, porém, já havia recebido R$ 600 mil do governo matogressense, e não irá devolvê-los aos cofres públicos. À Procuradoria Geral do Estado do Mato Grosso, cabe ingressar na Justiça para reaver os recursos.

Fialmente, ainda no pantanal, em novembro, um imbróglio envolvendo uma compra frustrada por parte do governo de Mato Grosso de dez veículos Land Rover equipados com radares móveis fez com que os cofres públicos do Estado sofressem um prejuízo de R$ 2,2 milhões.

Os carros, comprados junto a uma empresa brasileira que representa uma fábrica russa, tinham um custo total de R$ 14 milhões, e foram adquiridos pela Secopa-MT (Secretaria Especial da Copa). A justificativa era que eles seriam utilizados no patrulhamento da fronteira matogrossense com a Bolívia para reforçar a segurança brasileira durante o Mundial de futebol, em 2014. O negócio foi fechado em julho deste ano. Cada veículo sairia por R$ 1,4 milhão.

A aquisição, porém, de acordo com o TCE-MT (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso) e com o Ministério Público do Estado, foi feita com uma série de irregularidades, a começar por uma compra sem licitação injustificável, feita junto a uma empresa "constituída às pressas" e "sem nenhuma experiência comprovada", conforme descreve o relatório do TCE-MT sobre o caso.

Assim, no dia 4 de novembro, o governo de Mato Grosso resolveu cancelar a compra, e os veículos nem chegaram ao Brasil. O problema, porém, é que a Secopa-MT já havia feito o pagamento de R$ 2,2 milhões antes de receber as Land Rovers, a título de "cheque caução". Quando o negócio foi desfeito, a empresa não quis devolver o dinheiro, e os cofres públicos de Mato Grosso amargam o prejuízo.

Já no Rio de Janeiro, em julho, a Geo Eventos, empresa de eventos das Organizações Globo e do Grupo RBS, recebeu R$ 30 milhões do governo estadual e da prefeitura do Rio de Janeiro para organizar o sorteio preliminar das eliminatórias da Copa do Mundo de 2014.

A empresa foi contratada em regime de exclusividade pelo Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014 para produzir a cerimônia. Quando foi ao mercado à caça de patrocinadores para bancar a festa, encontrou apenas dois: a prefeitura do Rio e o governo estadual. Cada um assinou um contrato de patrocínio no valor de R$ 15 milhões.

Ou seja, a Fifa, que era a dona da festa, não investiu qualquer quantia no evento, que foi feito pela Globo e pago integralmente com recursos públicos.

Também em julho, em Fortaleza (CE), o gramado do estádio do Castelão, que está sendo reformado para a Copa, virou jardim de prédios públicos e relvado de campo de "pelada" de soldados da Polícia Militar. O gramado havia sido adquirido pelo Estado em dezembro de 2009, a um custo de R$ 500 mil.

O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (esq), junto com o secretário da Secopa, Éder Moraes, foI até a Rússia em julho conhecer as Land Rovers. Gostaram, mas não consultaram o Ministério da Defesa para efetuar a compra.

http://w3.i.uol.com.br/novas-midias/2011/11/09/selo-reportagem-teleferico-para-a-copa-de-2014-1320833488887_300x300.jpg
A ideia de construir um teleférico na Chapada dos Guimarães acabou em nada, a não ser um prejuízo de R$ 600 mil ao contribuinte de Mato Grosso

À época, as autoridades públicas justificaram o investimento com argumento de que tratava-se de um tipo de gramado com alta maciez e que requer manutenção apenas a cada dez anos. Não durou nem dois anos.

Em setembro, foi a vez de Minas Gerais e Belo Horizonte abrirem os bolsos públicos. Estado e prefeitura uniram forças para patrocinar uma festa comemorativa para os mil dias que faltavam para a Copa, no dia 15 daquele mês.

O povo mineiro bancou a festa, orçada em R$ 650 mil, que contou com jantar de gala para cartolas da Fifa e políticos do Brasil, apresentações musicais e contratação de agências de marketing e empresa de segurança.

Por fim, o governo federal deixou seu quinhão de desperdício, avaliado em mais de R$ 42 milhões, através de convênios com associações que foram reprovados por órgãos de fiscalização e projetos que não produziram resultado algum, além de prejuízo.

Em setembro, o programa do Ministério do Turismo "Bem Receber Copa", que visava elaborar treinamentos e cursos para recepcionar os milhares de turistas no Mundial através de convênios com entidades privadas, foi suspenso por ser alvo de investigações que indicavam desvio de recursos públicos.

A Polícia Federal acredita que houve desvio de dois terços dos R$ 4,4 milhões destinados pelo Ministério ao Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi).

No mesmo mês, quatro funcionários do Ministério do Esporte foram pegos pelos auditores do Tribunal de Contas da União por descumprirem a lei de licitações 8666/93. Os auditores do TCU pediram que os funcionários fossem multados por terem autorizado pagamentos a quatro empresas do Consórcio Copa 2014 sem ordens de serviço e, pior, sem relatório detalhado do trabalho realizado.

Os funcionários também autorizaram pagamentos de despesas não previstas no edital, como passagens aéreas dos consultores contratados, computadores, hotéis. A exceção custou R$ 700 mil. O Consórcio Copa 2014 foi contratado em licitação de julho de 2009 para dar “suporte de gerenciamento ao Ministério do Esporte”.

O caso foi agravado porque, após auditoria do TCU, o Ministério do Esporte decidiu aumentar o valor do contrato de prestação de serviços em quase 80%. Como se não bastasse, as empresas felizardas renovaram o contrato até julho de 2013.

O custo do serviço foi orçado em R$ 13,1 milhões em 2009 e em 2011, graças a aditivos, o preço saltou para R$ 24 milhões. No total, as empresas vão ganhar cerca de R$ 40 milhões, se não houver mais aumentos, e ninguém explicou ainda quais são efetivamente os serviços prestados nem por que o valor final ficou tão acima do previsto inicialmente.














http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/12/31/desperdicio-de-dinheiro-publico-em-2011-com-preparacao-para-copa-chega-a-r-776-milhoes.htm