PDA

You are viewing a trimmed-down version of the SkyscraperPage.com discussion forum.  For the full version follow the link below.

View Full Version : Noticias do Brasil - Imprensa Nacional



Pages : [1] 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 6:17 AM
Espaço dedicado a noticias de ambito nacional.

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 6:18 AM
Ibope ganha rival: Nielsen medirá audiência no Brasil

A Nielsen, uma das maiores empresas de pesquisa do mundo, entrará no Brasil para medir audiência de TV.
A Folha apurou que estão avançadas as conversas da empresa americana com as emissoras e agências de publicidade -os maiores clientes da medição de audiência televisiva. A novidade pode acabar com um monopólio de décadas do Ibope.

Desde 1988, o instituto mede sozinho a audiência em tempo real na TV brasileira. Apesar de algumas tentativas isoladas de concorrência, o Ibope segue como a única referência de pesquisa na TV, o que dá margem para uma série de questionamentos.
Representantes da Nielsen recentemente se reuniram com dirigentes de Record, Band, Globo, SBT e Rede TV!. Dessas, apenas a Globo não se posicionou sobre o interesse de pagar por uma nova pesquisa de audiência.

A empresa apresentará nos próximos dias o planejamento da medição e seus orçamentos. Prometeu colocar a pesquisa em vigor já em 2012.

A concorrência na medição de audiência na TV deve atrapalhar a parceria da Nielsen com o Ibope no Brasil, em pesquisas na internet.

Procurada, a Nielsen não quis falar sobre o assunto.

O Ibope diz que a concorrência é um fenômeno saudável, mas que manterá sua posição no Brasil.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2609201102.htm

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 6:19 AM
Isso que eu quero ver, o oco do IBOPE mentiroso. Quero ver a mascara dessa entidade cair. Brincadeira né, o IBOPE atua de forma virtual na cidade de Brasília e Goiânia.

MAMUTE
Sep 26, 2011, 10:26 AM
Quem não deve estar gostando disso é a GROBO:whip:

MAMUTE
Sep 26, 2011, 2:15 PM
Congresso prepara mudanças no Código Penal para corrigir distorções


O Senado Federal e a Câmara dos Deputados estão prestes a revisar o Código Penal brasileiro. Duas subcomissões foram instaladas para apurar as desproporcionalidades nas penas e as distorções que foram surgindo ao longo dos anos. Revisto pela última vez em 1940, o conjunto de leis penais do país acabou sofrendo mudanças pontuais e isoladas, além de estar desatualizado, por não prever situações que nem sequer existiam há 70 anos, como as relacionadas à internet. Como resultado, há crimes brandos punidos com rigidez e crimes graves com penas brandas. “A situação é de impotência do Judiciário, dos ministérios públicos e da polícia”, resume o procurador federal do Ministério Público da Bahia Vladimir Aras.

Em algumas situações, a pena prevista é tão discrepante que os juízes tentam enquadrar as penalidades em outras normas para dar punições “justas”. É o caso da lei que trata de falsificação de medicamentos, cuja pena varia de 10 a 15 anos de detenção e é mais rigorosa que a legislação para o tráfico de drogas — 5 a 15 anos (veja quadro). A revisão da lei que trata da falsificação de remédios ocorreu em 1998, após pílulas anticoncepcionais feitas de farinha serem vendidas por uma empresa farmacêutica. “Foi uma dessas reformas feitas pelo Congresso ao sabor dos acontecimentos”, explica Vladimir Aras. “Tudo bem ter penas razoáveis para falsificação de anticoncepcionais. Mas foi incluída nessa lei a falsificação de cosméticos”, acrescenta. Quem falsificar um creme para rugas, por exemplo, fica sujeito à mesma pena, que vai de 10 a 15 anos de prisão. “Em alguns casos, quando é possível, os juízes tentam enquadrar o crime na lei de narcotráfico, que tem pena mínima de cinco anos, metade da outra”, detalha.

No outro extremo, estão os crimes negligenciados, tratados como de menor importância. Pela lei, o prazo para a prescrição corresponde à metade da pena máxima e, nos casos de ilícitos com penas curtas, isso pode gerar impunidade. Nesse rol estão os crimes ambientais, cujas penas são de seis meses a um ano de prisão. “Essa legislação foi substancialmente modificada em 1998, quando já existiam as críticas de que as punições para crimes ambientais eram muito severas. Muitas dessas penas, que de fato deveriam ser graves, agora não são mais”, aponta Vladimir.

Discussões
Das duas subcomissões criadas no Congresso, a da Câmara está com os trabalhos mais adiantados. Foram convidadas entidades da sociedade civil que lidam com o Código Penal, como a Ordem dos Advogados do Brasil e o Ministério da Justiça, para avaliar as penas e chegar a um critério que dê proporcionalidade a todas. Os integrantes já foram divididos por temas.

No Senado, a subcomissão contará com 15 juristas, mas eles ainda serão indicados pelas lideranças partidárias. Ainda não foi acertado como será a cooperação entre as duas subcomissões. “Mas com certeza, chegaremos a uma proposta única do Congresso”, diz o relator da subcomissão da Câmara, deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Apesar das discussões estarem apenas no início, a subcomissão na Câmara já chegou a um consenso: “Um dos critérios para definir as penas deve ser o uso ou não da violência”, afirma o secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira. Na opinião do especialista, um dos motivos para as penas serem tão desproporcionais são as modificações feitas quando algum acontecimento gera clamor público. “Agradar a opinião pública pode gerar distorções”, afirma.

Crimes cibernéticos
Uma das preocupações atuais é modificar a legislação para compreender os crimes cibernéticos. “Não podemos esperar que uma legislação de 1940 sirva para isso. A internet começou a ser popularizada a partir da década de 1990”, diz Vladimir Aras, que cuidará do tema na subcomissão da Câmara. O procurador explica que existem dois tipos de crimes relacionados à rede virtual. Os primeiros são os comuns, infrações previstas em outras legislações, mas que usam computadores para serem executados. É o caso da clonagem de cartões. O segundo tipo é próprio da internet. “São aqueles crimes que atingem os bens jurídicos da sociedade da informação. Atacam a disponibilidade, a confiabilidade e a autenticidade da informação.” Mas esses ataques, como os vírus, por exemplo, hoje não são punidos.

Comparação
Veja algumas punições previstas no Código Penal brasileiro:

» Roubo simples
Quando atinge apenas uma pessoa: de 4 a 10 anos de prisão e multa.

» Furto qualificado
Um ladrão que pula o muro para roubar um botijão de gás, por exemplo: de 2 a 8 anos de prisão e multa.

» Lesão corporal de natureza gravíssima
Desfigurar a pessoa, causar lesão que ampute um membro ou que a pessoa não possa mais andar, por exemplo: de 2 a 8 anos de prisão

» Formação de cartel
Abusar do poder econômico, eliminando total ou parcialmente a concorrência, crime que atinge número grande de pessoas: de 2 a 5 anos, ou multa como pena alternativa.

» Lesão corporal dolosa
Quando é intencional, mas leve: de 3 meses a 1 ano de detenção.

» Lesão corporal culposa
Quando não há intenção de matar e a pessoa conduz um veículo automotor: de 2 a 4 anos de prisão.

» Medicamentos
Falsificar, adulterar ou corromper produtos destinados a fins terapêuticos e medicinais: de 10 a 15 anos de reclusão.

» Drogas
Tráfico de entorpecentes: de 5 a 15 anos de prisão.






http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,12/2011/09/26/interna_brasil,271345/congresso-prepara-mudancas-no-codigo-penal-para-corrigir-distorcoes.shtml

pesquisadorbrazil
Sep 26, 2011, 4:23 PM
Eles deveriam acabar com FORO PREVILEGIADO para qualquer servidor PUBLICO e também para o povinho que ter NIVEL SUPERIOR.

MAMUTE
Sep 27, 2011, 9:43 PM
Decreto reduz alíquota de imposto sobre gasolina


A redução dos valores da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a importação e a comercialização de petróleo e derivados, gás natural e derivados e álcool etílico teve por objetivo evitar que a alteração do percentual de mistura de álcool anidro à gasolina, prevista para ocorrer a partir de 1º de outubro, resulte em aumento do preço dos combustíveis para o consumidor final. Foi o que explicou hoje (27) o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antônio Henrique Silveira.



Diário Oficial da União publicou na edição de hoje o decreto que reduz os valores da Cide. Com isso, o valor da contribuição sobre o metro cúbico de combustível cai de R$ 230 para R$ 192,60.



De acordo com o secretário, a medida foi “exclusivamente motivada pelo pequeno aumento de preço que poderia derivar da mudança da mistura [de álcool anidro na gasolina]”. Ele, no entanto, ressaltou que a medida não garante a manutenção dos preços atuais. "O preço é livre", lembrou.



A partir de outubro, o percentual de álcool anidro na gasolina do tipo C passará de 25% para 20%. “Com isso, o percentual de gasolina do tipo A [na composição da do tipo C] passará de 75% para 80%. Como se trata de um produto mais caro [que o etanol anidro], compensaremos [a variação] por meio da redução dessa alíquota”, disse o secretário.



Por esse motivo, o governo reduziu a Cide em R$ 0,04 por litro, passando de R$ 0,23 para R$ 0,19. Segundo projeção do governo, deixarão de ser arrecadados, em valores líquidos, R$ 50 milhões este ano devido à redução do tributo.







http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=366695

MAMUTE
Sep 29, 2011, 2:38 AM
Justiça suspende construção de Belo Monte no rio Xingu


A Justiça Federal no Pará determinou na terça-feira (27) a imediata paralisação das obras da usina de Belo Monte no rio Xingu, por considerar que 1.000 famílias que dependem da pesca serão prejudicadas. A decisão foi divulgada hoje.

Na liminar, o juiz federal Carlos Eduardo Castro Martins, da 9ª Vara Ambiental, proíbe "qualquer obra que venha a interferir no curso natural" do rio.

A implantação do canteiro de obras e de alojamentos, porém, não está suspensa.

A decisão judicial foi resultado de uma ação da Associação dos Criadores e Exportadores de Peixes Ornamentais de Altamira (PA). A associação diz que a hidrelétrica vai inviabilizar a atividade pesqueira na região, pois as principais espécies de peixes seriam extintas.

Para o juiz, o prazo estabelecido para compensar quem vive da pesca é muito longo. Segundo ele, o projeto ambiental de Belo Monte só permite que pescadores retomem as atividades em 2020, prazo da última fase do projeto de aquicultura.

Caso descumpra a decisão, o consórcio Norte Energia, responsável pelas obras, terá de pagar multa diária de R$ 200 mil.

O Ibama concedeu em junho a licença de instalação de Belo Monte, que autoriza o início das obras. O Ministério Público Federal no Pará pediu a suspensão da licença.

A Norte Energia disse que ainda não foi notificada da decisão e que já prevê ações para mitigar impactos na pesca.










http://www1.folha.uol.com.br/mercado/982513-justica-suspende-construcao-de-belo-monte-no-rio-xingu.shtml

MAMUTE
Sep 29, 2011, 2:51 AM
A Kalunga está à venda, mas quem quer comprá-la?


Com faturamento de R$ 1 bilhão e modelo de negócios único no país, a empresa pode atrair muitos interessados

http://exame.abril.com.br/assets/pictures/40115/size_590_Kalunga.jpg?1317240654
Kalunga: rede possui quase 70 lojas e faturamento de R$ 1 bilhão


São Paulo – A Kalunga está à procura de um comprador. Conforme antecipou o blog Faria Lima, de EXAME.com, a maior varejista especializada em material de escritórios e informática do país contratou os serviços do banco francês Crédit Agricole para conduzir as negociações.

A rede possui um modelo quase exclusivo de negócio no varejo brasileiro, é bem posicionada, e o próprio setor no qual atua deve permanecer aquecido ainda por um longo período de tempo. Diante desse cenário, segundo especialistas consultados por EXAME.com, razões não faltam para que existam interessados nas operações da varejista. A dúvida, no entanto, é saber quem pode comprar a Kalunga, uma vez que no Brasil nenhuma outra rede se aproxima de seu modelo de negócio.

“Aqui, não consigo enxergar nenhuma companhia que possa gerar sinergia com as operações da Kalunga. Minha aposta é em fundos de privite equity, ou varejistas internacionais com modelos similares de negócios”, afirmou Ricardo Paixão , professor da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Estrangeiros


Dentre as redes citadas por Paíxão, a americana Paper Depot é um dos destaques. “A rede já mostrou interesse no mercado brasileiro e, por meio de uma aquisição, ficaria mais fácil começar a operar aqui”, afirmou o especialista.

A Paper Depot possui operações em mais de 50 países, inclusive na América Latina. Em 2010, a varejista registrou vendas de 11,6 bilhões de dólares e, no mundo, soma mais de 40.000 funcionários. Uma de suas concorrentes no mercado americano, a Staples, também pode entrar na disputa pela varejista brasileira.

A Staples é uma das que mais se aproximam do modelo de negócios da Kalunga. No passado, a rede já tentou, sem sucesso, operar por aqui. Em 2010, as vendas da Staples somaram mais de 24 bilhões de dólares.

Caixa para comprar a varejista brasileira não seria problema. Segundo Paixão, a rede é avaliada entre 300 e 500 milhões de reais. O que pode atrapalhar as negociações é o fato de ambas as companhias possuírem capital aberto nos Estados Unidos e a Kalunga ser uma empresa fechada aqui – algo tradicionalmente relacionado pelos acionistas a falta de transparência

Investidores


“Diante das possibilidades, minha aposta é que fundos de investimentos possam fazer ofertas pela Kalunga. O setor varejista vive uma de suas melhores fases no país, o que chama a atenção de diversos fundos”, afirmou Eugênio Foganholo, especialista de varejo.

O mesmo pensamento é compartilhado por José Lupoli Junior, sócio da Lupoli Junior Consultores Associados e professor da EACH/USP. Para ele, a compra das operações, ou pelo menos do controle da Kalunga por um fundo pode reposicionar a marca e elevá-la a um novo patamar no varejo. “Não descartaria, inclusive, a abertura de capital da companhia”, afirmou o especialista.

Fundada no início da década de 70, a Kalunga possui hoje quase 70 pontos de vendas. Segundo estimativas da própria rede, seu faturamento, no ano passado, somou mais de 1 bilhão de reais. A varejista atualmente é controlada por Roberto e Paulo Garcia, filhos de Damião Garcia, seu fundador.

Procurada, a Kalunga afirmou que a possibilidade de venda de suas operações não passa de boatos. “Nossa relação com o Crédit Agricole não é recente, e o banco francês há anos nos presta assessoria”, disse Hoslei Pimenta, diretor-geral da varejista.







http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/a-kalunga-esta-a-venda-mas-quem-quer-compra-la?page=2&slug_name=a-kalunga-esta-a-venda-mas-quem-quer-compra-la

MAMUTE
Sep 29, 2011, 2:54 AM
Itaú compra operação de varejo do HSBC no Chile


Banco brasileiro ganha 5.500 clientes e carteira de US$ 20 milhões


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/34288/size_590_fachada-do-banco-itau-2.jpg?1310590046
Itaú: mais um passo no avanço internacional do banco


São Paulo – O Itaú comprou a operação de varejo do HSBC no Chile. De acordo com o jornal Valor Econômico, o negócio foi confirmado pelo banco britânico. Já o Itaú não comenta a informação.

A negociação foi divulgada nesta quarta-feira pelo jornal chileno El Mercurio. Segundo a publicação, o acordo faz sentido para as duas instituições. O HSBC pretende concentrar sua atividades no Chile em empréstimos corporativos. Já o Itaú avançará no segmento de varejo premium, com 5.500 clientes e uma carteira de 20 milhões de dólares em crédito.

A fatia do HSBC no varejo bancário do Chile, segundo a Dow Jones, é bastante pequena: apenas 0,03% da clientela. Já o Itaú detém 3,33% do mercado sul-americano.





http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/itau-compra-operacao-de-varejo-do-hsbc-no-chile

pesquisadorbrazil
Sep 29, 2011, 3:03 AM
A Kalunga está à venda, mas quem quer comprá-la?


Com faturamento de R$ 1 bilhão e modelo de negócios único no país, a empresa pode atrair muitos interessados

http://exame.abril.com.br/assets/pictures/40115/size_590_Kalunga.jpg?1317240654
Kalunga: rede possui quase 70 lojas e faturamento de R$ 1 bilhão


São Paulo – A Kalunga está à procura de um comprador. Conforme antecipou o blog Faria Lima, de EXAME.com, a maior varejista especializada em material de escritórios e informática do país contratou os serviços do banco francês Crédit Agricole para conduzir as negociações.

A rede possui um modelo quase exclusivo de negócio no varejo brasileiro, é bem posicionada, e o próprio setor no qual atua deve permanecer aquecido ainda por um longo período de tempo. Diante desse cenário, segundo especialistas consultados por EXAME.com, razões não faltam para que existam interessados nas operações da varejista. A dúvida, no entanto, é saber quem pode comprar a Kalunga, uma vez que no Brasil nenhuma outra rede se aproxima de seu modelo de negócio.

“Aqui, não consigo enxergar nenhuma companhia que possa gerar sinergia com as operações da Kalunga. Minha aposta é em fundos de privite equity, ou varejistas internacionais com modelos similares de negócios”, afirmou Ricardo Paixão , professor da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Estrangeiros


Dentre as redes citadas por Paíxão, a americana Paper Depot é um dos destaques. “A rede já mostrou interesse no mercado brasileiro e, por meio de uma aquisição, ficaria mais fácil começar a operar aqui”, afirmou o especialista.

A Paper Depot possui operações em mais de 50 países, inclusive na América Latina. Em 2010, a varejista registrou vendas de 11,6 bilhões de dólares e, no mundo, soma mais de 40.000 funcionários. Uma de suas concorrentes no mercado americano, a Staples, também pode entrar na disputa pela varejista brasileira.

A Staples é uma das que mais se aproximam do modelo de negócios da Kalunga. No passado, a rede já tentou, sem sucesso, operar por aqui. Em 2010, as vendas da Staples somaram mais de 24 bilhões de dólares.

Caixa para comprar a varejista brasileira não seria problema. Segundo Paixão, a rede é avaliada entre 300 e 500 milhões de reais. O que pode atrapalhar as negociações é o fato de ambas as companhias possuírem capital aberto nos Estados Unidos e a Kalunga ser uma empresa fechada aqui – algo tradicionalmente relacionado pelos acionistas a falta de transparência

Investidores


“Diante das possibilidades, minha aposta é que fundos de investimentos possam fazer ofertas pela Kalunga. O setor varejista vive uma de suas melhores fases no país, o que chama a atenção de diversos fundos”, afirmou Eugênio Foganholo, especialista de varejo.

O mesmo pensamento é compartilhado por José Lupoli Junior, sócio da Lupoli Junior Consultores Associados e professor da EACH/USP. Para ele, a compra das operações, ou pelo menos do controle da Kalunga por um fundo pode reposicionar a marca e elevá-la a um novo patamar no varejo. “Não descartaria, inclusive, a abertura de capital da companhia”, afirmou o especialista.

Fundada no início da década de 70, a Kalunga possui hoje quase 70 pontos de vendas. Segundo estimativas da própria rede, seu faturamento, no ano passado, somou mais de 1 bilhão de reais. A varejista atualmente é controlada por Roberto e Paulo Garcia, filhos de Damião Garcia, seu fundador.

Procurada, a Kalunga afirmou que a possibilidade de venda de suas operações não passa de boatos. “Nossa relação com o Crédit Agricole não é recente, e o banco francês há anos nos presta assessoria”, disse Hoslei Pimenta, diretor-geral da varejista.







http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/a-kalunga-esta-a-venda-mas-quem-quer-compra-la?page=2&slug_name=a-kalunga-esta-a-venda-mas-quem-quer-compra-la

Eu acho meio temeroso essas informações que a EXAME publica. Detalhe, as lojas COLOMBO nessa mesma semana DESMENTIU a publicação, alegando que a mesma também teria procurado um banco para intermediar a venda.:tup:

MAMUTE
Sep 29, 2011, 2:48 PM
BC: estimativa de crescimento da economia em 2011 diminui para 3,5%



O Banco Central (BC) reduziu a estimativa de crescimento da economia neste ano. A previsão de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, caiu de 4% para 3,5%, segundo o Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta quinta-feira (29/9).

%u201CEssa revisão reflete ações de política [econômica] implementadas [de restrição do crédito e aumento da taxa Selic de até julho deste ano] desde o final do ano passado e, principalmente, a deterioração do cenário internacional, que tem levado a reduções generalizadas e de grande magnitude nas projeções de crescimento para os principais blocos econômicos%u201D, destaca o relatório do BC.











http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/09/29/internas_economia,271915/bc-estimativa-de-crescimento-da-economia-em-2011-diminui-para-3-5.shtml

MAMUTE
Sep 30, 2011, 3:36 PM
Chineses dão garantia, mas não têm peças para consertar


Motoristas expressam descontentamento com a falta de peças para reposição no site Reclame Aqui - e também nas ruas


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/40227/size_590_chery-Sabrina-Andrade-Rocha.jpg?1317331647
Carro da Chery trafegando em Fortaleza: motorista colou adesivo para expressar descontentamento com a falta de peças


São Paulo – O simples tráfego de um carro chinês danificado não seria o suficiente para provocar acaloradas discussões, certo? Errado se o veículo em questão tiver recebido um adesivo colado pelo próprio dono com os dizeres "Não tem peças, nem previsão de chegar. Pense num arrependimento!". Fotografado por uma motorista de Fortaleza, no Ceará, o flagra fez barulho nas redes sociais e colocou, mais uma vez, o custo benefício dos automóveis chineses na linha de fogo.


Montadora do automóvel, a Chery se defendeu por meio de sua assessoria de imprensa, afirmando que "o prazo máximo para a entrega de itens disponíveis é de 48 horas". Para os indisponíveis, não há razão que explique a demora de certas peças, pois "trata-se apenas da demanda e da programação de pedidos, que ocorre semanalmente". Em nota, a empresa diz ter quadriplicado o volume de itens nos últimos meses, chegando a um índice de atendimento superior a 80%. Só em setembro, 21 contêineres de peças chegaram ao Brasil.

Se depender da visão dos internautas que registram queixas no site Reclame Aqui, a rede de distribuição ainda tem o que melhorar. De setembro de 2010 até o último dia de agosto deste ano, a Chery recebeu 158 reclamações. Embora todas tenham sido respondidas pela marca, apenas 32% dos usuários afirmaram que voltariam a fazer negócio com a empresa, o maior percentual entre todas as montadoras chinesas instaladas no país.

O número de queixas corresponde a quase 1% dos veículos vendidos pela Chery no mesmo período. Segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) foram 17.176 unidades emplacadas na época. A título de comparação, esta relação é dez vezes maior que a apresentada pela Fiat, que encabeça o ranking de vendas com 780.413 unidades comercializadas.

Peso das queixas no Reclame Aqui em relação ao número de veículos vendidos (setembro de 2010 a agosto de 2011):


As maiores do Brasil


Vendas Queixas %

Fiat

780.413 | 876 | 0,1%



Volkswagen

723.363 | 1.041 | 0,1%


As chinesas instaladas no país


Vendas Queixas %
Chery

17.176 | 158 | 0,9%

JAC

14.483 | 60 | 0,4%

__________________________________________


Embora muitas reclamações em relação à Chery chamem a atenção para a diferença de preço entre os veículos anunciados nas propagandas e encontrados nas concessionárias, a referência à falta de peças invariavelmente aparece entre os comentários. Neste mês, um motorista contou ter furado o pneu do seu QQ depois de ter passado por um buraco. Ele ligou para a Chery para saber onde poderia comprar outro, mas foi informado que a montadora não contava com nenhuma peça disponível.

Outro consumidor relatou ter tido problemas com um Chery Face em agosto. Depois de um defeito impedi-lo de abrir o carro com o botão do alarme, ele foi orientado por telefone a desativar o dispositivo e levar o automóvel para a concessionária. O diagnóstico exigia a troca de um módulo inexistente no estoque. A promessa foi que a peça chegaria em no máximo duas semanas. Por ora, o proprietário permanece rodando sem poder acionar o vidro elétrico ou o alarme. E a previsão de chegada do módulo foi revisada para a segunda semana de outubro - dois meses depois do infortúnio.

Para um internauta de Brasília o problema foi com o Chery Cielo, comprado em junho de 2010 e vendido antes mesmo de completar um ano. Segundo o motorista, o break light caiu na primeira semana, o farol direito permitia a entrada de água e a tampa do porta-malas estava desalinhada. Por estes e outros problemas, o Cielo foi deixado nove vezes na concessionária em exatos nove meses de uso. No total, o veículo ficou parado por 31 dias e seu dono reclama não ter tido acesso ao carro reserva prometido pela montadora em nenhuma ocasião.

Apesar da Chery oferecer três anos de garantia para todos os seus automóveis, a realidade pode ser bem diferente para os proprietários que precisam fazer reparos. É o que acredita José Roberto Ferro, consultor automotivo do Lean Institute. "Algumas empresas entraram de maneira muito agressiva no mercado brasileiro, sem ter um conhecimento claro de qual seria o comportamento dos seus produtos por aqui considerando o nosso tipo de estrada, calçamento e motorista", afirma.

Sem prever com mais precisão o número de peças que seria necessário para suprir a demanda em condições diferentes, emenda Ferro, foram os clientes que saíram prejudicados. "A JAC e a Chery chegaram com volumes grandes para quem está começando, ofertando vários modelos. Mas a China é longe, as peças têm que vir de navio. Então a capacidade de resposta destas empresas muitas vezes é baixa diante do tamanho da demanda conquistada."

Para ele, as montadoras chinesas também têm uma estratégia de entrar com um preço baixo na venda do veículo, esperando recuperar a margem perdida na venda das peças de reposição. Estendendo a garantia dos seus carros até seis anos, a JAC preferiu não se pronunciar. Procurada pela reportagem, a marca alegou não ter constatado queixas sobre a reposição de peças no site Reclame Aqui.

De setembro do ano passado ao fim de agosto deste ano, foram computadas 60 reclamações contra a montadora, a segunda chinesa em número de vendas no país. Entre os principais protestos, figuram a falta de veículos para a pronta entrega e a existência de peças defeituosas.

















http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/carros/noticias/chineses-dao-garantia-mas-nao-tem-pecas-para-consertar?page=2&slug_name=chineses-dao-garantia-mas-nao-tem-pecas-para-consertar

MAMUTE
Sep 30, 2011, 3:42 PM
Gasto do BNDES com infraestrutura deve crescer no ano


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve fechar o ano com desembolsos de R$ 18,7 bilhões para infraestrutura. O valor é 23% superior aos R$ 15,2 bilhões desembolsados em 2010 para o setor. As informações foram anunciadas hoje pelo superintendente de Infraestrutura do banco, Nelson Siffert.

Em seminário sobre concessões aeroportuárias no Rio, ele afirmou ainda que o consórcio vencedor do leilão do aeroporto de São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte, já procurou o banco para discutir financiamento. O grupo é formado pela Engevix e pela argentina Corporación América. "Eles estiveram no banco, apresentaram o business plan (plano de negócios). Tivemos uma impressão bastante positiva. Acredito que vão fazer algo bastante interessante em São Gonçalo do Amarante", disse.








http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/68124_GASTO+DO+BNDES+COM+INFRAESTRUTURA+DEVE+CRESCER+NO+ANO

MAMUTE
Sep 30, 2011, 5:17 PM
CNI/Ibope: popularidade de Dilma supera as de Lula e FHC



A avaliação positiva da presidente Dilma Rousseff é maior do que as dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) nas terceiras pesquisas de popularidade CNI/Ibope das suas gestões. Enquanto 71% aprovaram Dilma Rousseff à frente do governo neste mês, 69% aprovaram a maneira de governar de Lula na terceira pesquisa do seu primeiro mandato. Em relação a FHC, 57% o aprovaram como presidente em setembro de 1995.

http://n.i.uol.com.br/noticia/2011/01/01/no-parlatorio-ex-presidente-lula-passa-a-faixa-presidencial-para-dilma-rousseff-1293908584548_300x230.jpg
No parlatório, ex-presidente Lula passa a faixa presidencial para Dilma Rousseff


A avaliação do governo Dilma também supera a das gestões dos ex-presidentes. Enquanto o governo da presidente Dilma foi avaliado como ótimo ou bom por 51% dos entrevistados em setembro, em setembro do primeiro ano do governo Lula, o percentual foi de 43%. No mesmo período do primeiro ano de FHC, sua gestão recebeu aprovação de 40%.

O gerente-executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, Renato da Fonseca, destacou que a presidente Dilma herdou a popularidade de Lula. Na última pesquisa de popularidade do seu governo, em dezembro de 2010, Lula atingiu 87% de aprovação pessoal.


'Faxina' melhorou avaliação, diz CNI

A melhora da avaliação da presidente Dilma Rousseff se deve à faxina promovida na Esplanada dos Ministérios, segundo o gerente-executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca.

A pesquisa de setembro, diz Fonseca, reflete as demissões dos envolvidos em denúncias de corrupção no alto escalão do governo. "Ela conseguiu, dentro do episódio virar um pouco o jogo para trazer coisas positivas para o seu governo", afirmou.

Na pesquisa de setembro, os assuntos mais lembrados de forma espontânea são as denúncias de corrupção nos ministérios dos Transportes, Agricultura e Turismo. Em segundo lugar, vem a faxina ministerial empreendida por Dilma.

Na sondagem realizada em julho, os assuntos mais lembrados foram a crise no Ministério dos Transportes, com 21%, e a demissão do então ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, com 14%. As ações da presidente em relação às denúncias não chegaram a ser mencionadas pelos entrevistados na época.

A avaliação positiva da presidente Dilma Rousseff subiu quatro pontos percentuais entre julho e setembro, passando de 67% para 71%. A pesquisa CNI/Ibope entrevistou 2.002 eleitores em 141 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais.






http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2011/09/30/cniibope-popularidade-de-dilma-supera-as-de-lula-e-fhc.jhtm

MAMUTE
Sep 30, 2011, 8:10 PM
Banco Central espera novo recuo da relação dívida/PIB em setembro


BRASÍLIA - O Banco Central calcula que a dívida líquida do setor público não financeiro tenha fechado o mês de setembro em 37,6% do Produto Interno Bruto (PIB). No fim de agosto, essa relação era de 39,2%. O recuo foi favorecido pela depreciação do real frente ao dólar.

A desvalorização cambial reduz a dívida pública líquida porque, em função do alto patamar das reservas cambiais, o governo brasileiro tem mais ativos do que passivos em moeda estrangeira. As reservas já ultrapassam US$ 352 bilhões.

Em agosto, o comportamento do câmbio já tinha sido preponderante para a queda da dívida como proporção do PIB. Nominalmente, a dívida se elevou cerca de R$ 4 bilhões, fechando o mês em R$ 1,549 trilhão. Mas a relação dívida/produto, que era de 39,4% no fim de julho, recuou.

O aumento do preço do dólar provocou impacto redutor, no mês, de R$ 9,09 bilhões no saldo, contribuindo para compensar o efeito de despesas com juros (R$ 21,66 bilhões).

O chefe do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel, informou que a estimativa de saldo para fim de setembro leva em conta uma taxa de câmbio em R$ 1,82 no fechamento do mês.

Para dezembro, o BC faz duas projeções, com base em duas taxas de câmbio diferentes. Pela primeira delas, a dívida líquida chegaria ao fim de 2010 em 38,5% do PIB, tomando como hipótese a taxa de câmbio esperada pelo mercado na pesquisa de expectativas feita pelo BC na semana passada (R$ 1,68 em dezembro). A outra projeção toma como pressuposto um câmbio por volta de R$ 1,80 até dezembro. Nesse caso, a dívida ficaria entre 37,5% a 38% do PIB no fim do ano.

O BC considera que cada 1% de aumento da taxa de câmbio implica redução de 0,13 ponto percentual na dívida como proporção do produto.

As premissas usadas pela autoridade monetária para projetar a dívida incluem gastos com juros na casa de 5,6% do PIB este ano. Houve uma revisão, pois a previsão anterior era de que o setor público registraria despesas com juros de 5,4% em 2011. Apesar disso, a estimativa de déficit nominal no ano também se alterou e caiu de 2,5% para 2,4% do PIB, por causa da elevação da meta de superávit primário do setor público consolidado para 2011 (de R$ 117,9 bilhõs para R$ 127,9 bilhões).

Em relação ao fim de 2010, a dívida também caiu como proporção do produto, pois em dezembro era de 40,2% do PIB. Nesse caso, porém, a variação cambial não contribuiu. Ao contrário, evitou queda maior. O fator preponderante de redução no acumulado do ano foi o superávit primário, que alcançou de R$ 96,540 bilhões em oito meses e provocou impacto redutor de 2,4 pontos percentuais de PIB. Já o comportamento do câmbio produziu efeito de 4,1 pontos percentuais no sentido contrário.






http://www.valor.com.br/brasil/1029124/banco-central-espera-novo-recuo-da-relacao-dividapib-em-setembro

pesquisadorbrazil
Sep 30, 2011, 10:06 PM
Construção e reforma de salas de cinema terão isenção fiscal

A construção e a reforma de salas de cinema passarão a ser isentas de tributos federais. Medida provisória publicada nesta sexta-feira (30/9) no Diário Oficial da União prevê a suspensão do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS) para projetos de salas de exibição de filmes.

O benefício consta do programa Cinema Perto de Você, criado pela medida provisória. A principal novidade é um regime especial de tributação para as empresas com projetos de construção de salas aprovados pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). Elas comprarão mercadorias sem tributação para concluir as obras. No caso de produtos importados, também haverá a suspensão do Imposto de Importação.

Segundo o subsecretário de Tributação da Receita Federal, Sandro Serpa, a medida tem como objetivo estimular o aumento no número de salas de cinema no país. “A ideia é incentivar a construção e reformas de salas de cinema para ampliar o acesso da população [à produção cinematográfica]”, declarou.

Atualmente, a alíquota de PIS e Cofins soma 9,25%. O IPI, em média, corresponde a 12%, o que totaliza uma carga tributária federal de cerca de 20% para o setor de cinema. A Receita Federal, no entanto, informou não ter previsão de quanto deixará de arrecadar com a suspensão desses tributos.

Um decreto ainda sem data para ser editado decidirá se a suspensão de tributos vale apenas para equipamentos específicos de cinema (como projetores e telas) ou se também abrangerá os materiais de construção usados nas obras das salas de exibição.

Para ter direito ao incentivo, a empresa terá de apresentar projeto de construção ou modernização de salas à Ancine. Se for aprovado, ela ainda terá de se habilitar na Receita Federal para aderir ao regime especial de tributação.

O programa Cinema Perto de Você também prevê a criação de uma linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar a construção de salas. O Ministério da Fazenda, no entanto, não informou os detalhes sobre as condições dos empréstimos.

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2011/09/30/internas_economia,272167/construcao-e-reforma-de-salas-de-cinema-terao-isencao-fiscal.shtml

MAMUTE
Sep 30, 2011, 11:52 PM
:previous: Muito bom, espero que daqui pra frente os investimentos sejam em larga escala, o Brasil tem muito potencial para cinemas, principalmente em cidades médias:notacrook:

salengasss
Oct 1, 2011, 3:24 PM
CNI/Ibope: popularidade de Dilma supera as de Lula e FHC

Com o tanto de queda de Ministro e de roubalheira desse governo, só devem ter feito a pesquisa com anarfas inconsequentes. NÃO TEM BASE, essa mulher ter uma boa aprovação. NÃO TEM!!!!!!!!!!!!!! :whip: :slob:

pesquisadorbrazil
Oct 2, 2011, 1:16 AM
Eu quero ver o governo federal conseguir fazer a JAC voltar atrás na sua decisão de CANCELAR a fabrica no Brasil. Praticamente todas as outras fabricantes de carro chineses vão cancelar também.

emblazius
Oct 2, 2011, 6:09 AM
Neste senrido deve se analisar o recado do Governo Federal para as fábricas nacionais e as montadoras. As nacionais navegam em céu de brigadeiro, sob a proteção do Governo Federal. Com a vinda dos importados da Coréia e China, as fábricas nacionais baixaram, mesmo que irrisoriamente os preços. Com o problema cambial e a forte pressão da anfavea, o GF aumentou o IPI. Entretanto, a sina pela recuperação da diminuição de seus lucros, nunca de prejuízo fez as fábricas anunciarem aumento de preços. Acertadamente o GF já deu um DUPLO RECADO.
Para as fábricas nacionais ficou o recado de que, em aumento de preços, ele irá rever o IPI e importar, forçando a redução dos preços.
Para as montadoras ficou o recado de que a isenção de alguns tributos e isenções fiscais e cessão de terrenos deve ser acompanhada de um compromisso de nacionalização de fornecedores, algo que o Brasil tem capacidade instalada, mas para as montadoras é o sinal de deixar de importar de suas matrizes.

Por fim, vejo como acertadíssima as medidas adotadas pelo Governo Federal.

Isso no mercado de automóveis, se a gente falar de mercado monetário eu tiro o chapéu pro Tombini e pro GF que rompeu como a política neoliberal de em risco de inflação imediatamente derrubar a economia.

Vejam que o que falta de culhão na Grécia, sobrou na Argentina a uns anos atrás com o falecido Kirchner, e evitou los hermanos se afundarem em compromissos com os vampiros do FMI.

Chega dar dó dos Gregos em ver no JN eles receberem os mercadores do FMI. Isso só me lembra FHC, Malan, Armínio Fraga, Ricardo Loiola e Franco e seus 42% de Selic ao ano. Povo sem memória esse povo brasileiro. Hoje temos z300 bi de reservas, temos capacidade de queimar no mercado 2.5bi em um dia só para bancar os especuladores internacionais. E se Deus permitir vamos reduzir a Selic e diminuir nosso compromisso com os juros da dívida.

emblazius
Oct 2, 2011, 7:07 AM
Presidente da Renault-Nissan encontra Dilma e confirma fábrica no Brasil

Agência Brasil
Publicação: 01/10/2011 12:53 Atualização:
Brasília - Após reunião com a presidenta da República, Dilma Rousseff, o presidente mundial do grupo Renault-Nissan, Carlos Ghosn, confirmou hoje (1º), em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, investimentos na ampliação da fábrica da Renaut em São José dos Pinhais, no Paraná, e construção de uma fábrica da Nissan em Resende, no estado do Rio de Janeiro.

Ghosn disse que a reunião com a presidenta Dilma foi para informá-la dos novos investimentos do grupo no Brasil e da atuação da Renaut-Nissan no mundo. "Explicamos o que estamos fazendo em muitos países em termos de tecnologias novas e sobre nossa liderança no desenvolvimento de carros elétricos", disse.

Também participaram da reunião com a presidenta Dilma o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, os governadores do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), e do Paraná, Beto Richa (PSDB) e os prefeitos de Resende, José Rechuan, e de São José dos Pinhais, Ivan Rodrigues.

Fonte (http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2011/10/01/internas_economia,272230/presidente-da-renault-nissan-encontra-dilma-e-confirma-fabrica-no-brasil.shtml)

pegasusbsb27
Oct 2, 2011, 12:24 PM
Claro que tem. Tanto que o resultado tá aí...:D

MAMUTE
Oct 2, 2011, 12:50 PM
Alibaba tem interesse em comprar Yahoo!



Empresa chinesa teria sido abordada por fundos de private equity e outras empresas que também estariam interessadas no negócio

http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios2/foto/0,,20434961,00.jpg


A empresa chinesa de internet Alibaba Group Holding está "interessada" em comprar o Yahoo!, informou o The Wall Street Journal, citando um porta-voz de Jack Ma, diretor executivo da companhia chinesa. De acordo com o porta-voz, Ma fez a declaração durante um evento na Universidade Stanford, ontem (01/10).

Ma disse ainda que foi abordado por fundos de private equity e outras empresas que estariam interessadas no negócio, segundo o porta-voz. Questionado sobre sua amizade com o diretor e cofundador do Yahoo!, Jerry Yang, Ma disse que o interesse pela empresa americana é uma questão de negócios, e não pessoal. Uma porta-voz do Yahoo não quis comentar o assunto.

A CEO do Yahoo!, Carol Bartz, foi demitida em setembro, em meio ao descontentamento dos investidores com o desempenho da empresa. Desde então, o conselho de administração do Yahoo! vem tentando encontrar um novo CEO, enquanto estuda propostas de aquisição, segundo fontes próximas ao assunto. O conselho, porém, vem priorizando a possível venda de todas as unidades da empresa em detrimento da busca por um novo CEO, disseram as fontes.

Jack Ma já tentou anteriormente comprar a fatia de 40% que o Yahoo! detém na Alibaba, sem sucesso. As informações são da Dow Jones.







http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI269702-16355,00-ALIBABA+TEM+INTERESSE+EM+COMPRAR+YAHOO.html

MAMUTE
Oct 2, 2011, 12:56 PM
Senado dos EUA vota na próxima semana lei que atinge a China


O senador democrata Charles Schumer disse nesta sexta-feira que o projeto de lei que tem como objetivo reprimir a “manipulação” do câmbio na China deverá receber amplo apoio quando for à votação no plenário do Senado dos EUA na próxima semana.

“O governo chinês deve tomar nota: este projeto de lei terá uma rápida passagem no Senado”, disse Schumer em entrevista coletiva à imprensa. “Esperamos uma forte votação bipartidária na noite de segunda-feira que será um indicador do que esperamos que será uma esmagadora votação para aprovar o projeto de lei mais tarde na semana”, acrescentou.

A proposta de lei, que já recebeu o apoio dos senadores republicanos Jeff Sessions e Lindsey Graham, vai pressionar o Departamento do Comércio e do Tesouro a usarem as leis comerciais e as agências internacionais para responder aos países que manipulam o valor de suas moedas.

O Senado deve votar na noite de segunda-feira uma moção de procedimento para iniciar o debate sobre o projeto de lei. Se a votação da moção for bem sucedida, Schumer disse que o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, vai permitir algumas emendas – mas não unilaterais – à proposta para acelerar o processo.

Os senadores de ambos os partidos, particularmente aqueles de estados com grandes interesses industriais, vêm há anos criticando a cotação do yuan, que beneficiaria as exportações chinesas em detrimento das empresas e trabalhadores americanos.

“O Congresso tem uma responsabilidade, proteger o comércio justo”, disse o senador republicano Sessions nesta sexta-feira. “Não há dúvidas de que a China deliberadamente e estrategicamente está reduzindo o valor de sua moeda”, acrescentou.

A exemplo da administração do presidente Bush, a administração do presidente Barack Obama tem feito apelos para que a China permita a valorização do yuan, mas no geral não demonstra apoio aos esforços do Congresso para instituir um sistema formal de sanções para tratar da questão da manipulação cambial.

Na quarta-feira, a Casa Branca disse que a China precisa adotar mais medidas para permitir a valorização de sua moeda e disse que estava revendo a legislação. O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse que o yuan está “substancialmente subvalorizado”.

Em junho de 2010, o governo chinês assumiu o compromisso de permitir a alta do yuan frente ao dólar. Desde então, a moeda chinesa acumula um ganho de quase 6,7% frente ao dólar em uma base nominal e de cerca de 10% quando levado em consideração os níveis mais altos da inflação na China.

O Congresso americano já ensaiou esforços anteriores para aprovar medidas semelhantes ao projeto de lei que o Senado planeja votar na próxima semana, mas todas sem sucesso. Em parte, esse fracasso é atribuído às preocupações entre alguns grupos empresariais de que a China possa retaliar as exportações dos EUA – um dos poucos setores da economia do país que exibe algum vigor.

Porém, Schumer disse que em sua viagem à China este ano, executivos de multinacionais americanas disseram que embora não possam defender publicamente a proposta, eles a apoiam privadamente.

As pessoas agora “não acreditam que a China fará qualquer coisa para assumir por conta própria a sua responsabilidade”, disse o senador democrata.

Se for aprovado, o projeto de lei vai alterar em parte a legislação existente que exige que o Tesouro americano determine se outros países são culpados em manipular o valor de suas moedas. Em vez disso, o governo poderá identificar qualquer moeda que esteja “desalinhada”, um padrão menos rigoroso.

A nova legislação também permitirá que o governo americano busque uma variedade de sanções contra países cujas taxas cambiais foram consideradas “desalinhadas”, incluindo através de canais comerciais e o Fundo Monetário Internacional (FMI).








http://www.valor.com.br/internacional/1029632/senado-dos-eua-vota-na-proxima-semana-lei-sobre-manipulacao-do-cambio

MAMUTE
Oct 3, 2011, 12:26 AM
Dilma quer baixar taxa Selic a 9% no ano que vem


Segundo fontes do governo, a presidente quer evitar que a inflação coloque em risco o consumo da nova classe média


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/39084/size_590_dilma-rousseff2.jpg?1316172883
A estratégia embute o risco de os preços continuarem elevados, com a inflação rodando acima da meta do governo por mais tempo


Brasília - A presidente Dilma Rousseff quer aproveitar a crise internacional para reduzir a taxa básica de juros para pelo menos 9% no ano que vem, mas com cautela, segundo fontes do governo, para evitar que a inflação coloque em risco o consumo da nova classe média. A estratégia embute o risco de os preços continuarem elevados, com a inflação rodando acima da meta do governo por mais tempo que o desejado, o que corrói o poder de compra do consumidor.


O plano de voo traçado pelo Planalto e relatado à reportagem por dois ministros e um secretário de governo, prevê uma queda de 3 pontos porcentuais na taxa Selic, hoje em 12%. O corte seria possível, na avaliação do governo, porque a crise internacional provocaria queda de preços. A ordem é cortar juros, mas sempre dizendo que o ritmo vai ser determinado com "prudência".

Para o Planalto, ainda há "margem de manobra" para que a Selic caia, depois que o BC cortou a taxa preventivamente, em agosto, em meio ponto porcentual. "Estamos tomando todo o cuidado para que o excesso de remédio não prejudique o paciente", resumiu o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho. "O governo vai zelar para que aqueles que ascenderam a um nível de consumo maior não percam isso de jeito nenhum."









http://exame.abril.com.br/economia/noticias/dilma-quer-baixar-taxa-selic-a-9-no-ano-que-vem

emblazius
Oct 3, 2011, 12:32 AM
Qq eu falei. Entre 3 e 4 pontos para fazer cócegas, ou seja, para não impactar na inflação. Isso é basicamente um movimento para diminuir os juros da dívida. Lembrando que a selic a 9 e a inflacao no topo de sua banda, 6.5, deixa um juros real de 2.5. Inédito para os padrões brasileiros, porém, muito alto frente aos paises desenvolvidos. Onde está o pulo do gato do Brasil, relação Dívida/PIB extremamente menor que dos paises europeus e americano. O problema em tudo, o problema que nos atrasa é nossa nefasta classe política.

pesquisadorbrazil
Oct 3, 2011, 12:32 AM
Eu duvido que os juros venham ficar a 9% ao ano, até mesmo porque, os títulos do governo são atrelhados ao juros.

MAMUTE
Oct 3, 2011, 5:02 PM
Superávit comercial chega a US$ 23 bilhões, crescimento de 81% ao ano


O superávit comercial, exportações maiores que importações, de janeiro a setembro deste ano, chegou a US$ 23,034 bilhões, crescimento de 81,4% em relação ao mesmo período de 2010 (US$ 12,695 bilhões). As informações, divulgadas nesta segunda-feira (3/10), são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

No acumulado até setembro, com 189 dias úteis, as exportações chegaram a US$ 190 bilhões (média diária de US$ 1,005 bilhão) e as importações ficaram em US$ 166,966 bilhões (média de US$ 883,4 bilhão). Pelo critério da média por dia útil, o superávit comercial ficou em US$ 121,9 milhões, crescimento de 80,5% em relação ao ano passado (US$ 67,5 milhões).

Na última semana de setembro, as importações desaceleraram e o saldo comercial voltou a ficar positivo (US$ 1,126 bilhão), após fechar a quarta semana com déficit de US$ 584 milhões.

Em setembro, as exportações chegaram a US$ 23,286 bilhões, com média por dia útil de US$ 1,108 bilhão. As importações ficaram em US$ 20,212 bilhões, com média por dia útil de US$ 962,5 milhões. Com isso, o superávit comercial ficou em US$ 3,074 bilhões, ante US$ 1,078 bilhão registrado em igual período do ano passado.

Às 15h30 de hoje, haverá entrevista coletiva para comentar os resultados, no auditório do MDIC, em Brasília.







http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/10/03/internas_economia,272437/superavit-comercial-chega-a-us-23-bilhoes-crescimento-de-81-ao-ano.shtml

MAMUTE
Oct 3, 2011, 7:24 PM
Chinesa Shineray investe R$ 100 milhões em fábrica de motos


Shineray prevê inauguração da unidade no complexo industrial de Suape, em Pernambuco, para o segundo semestre de 2013

http://exame.abril.com.br/assets/pictures/40442/size_590_moto-shineray.jpg?1317666853
Moto da Shineray: quatro dos 14 modelos serão fabricados localmente


São Paulo – Não são apenas os automóveis chineses que estão invadindo o Brasil. As fabricantes de motos também querem aproveitar o quarto maior mercado do mundo. A chinesa Shineray anunciou nesta segunda-feira que irá construir uma fábrica no complexo industrial portuário de Suape, em Pernambuco, prevista para o segundo semestre de 2013.

Parar erguer o complexo de 60.000 metros quadrados, serão destinados 100 milhões de reais. O pólo terá capacidade para produzir entre 150.000 e 200.000 unidades por ano.

Desde 2005 no Brasil, a empresa chinesa, que tem foco em exportação, fabricará quatro dos 14 modelos que tem em seu portfólio. Após a construção, a atual sede da Shineray, em Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco, será transformada em Centro Nacional de Distribuição de Peças e Centro de Treinamento. Hoje, o Brasil corresponde a 70% do faturamento do grupo.

A empresa ainda tem 65% de suas concessionárias concentradas na região nordeste, mas a tendência é diversificar. “Em São Paulo, temos planos de ter mais 15 revendas até o final do ano”, disse a EXAME.com Abenaildo Galindo Filho, gerente comercial da Shineray. “Em 2012 pretendemos ter 50 revendas no estado de São Paulo. Hoje temos apenas três.”

Na região sul, a montadora tem parceria com a Colombo Motors, empresa do Grupo Colombo, desde 2009, comercializando os modelos da marca Shineray nas lojas da rede. A empresa chinesa tem foco maior no segmento entre 50 cilindradas e 300 cilindradas.






http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/chinesa-shineray-investe-r-100-milhoes-em-fabrica-de-motos

MAMUTE
Oct 3, 2011, 7:30 PM
:previous:Por quê em Brasília não temos nenhuma montadora??? é falta de incentivos do governo ou incompetencia???
:hell::hell:

MAMUTE
Oct 3, 2011, 9:57 PM
Família de preso pode ganhar até R$ 3.900 por mês do INSS. Veja como pedir benefício


Valor pago aos dependentes de detentos foi atualizado pela Previdência Social



http://i1.r7.com/data/files/2C95/948E/32BA/D666/0132/BB39/0B17/692D/presos%20700x525.jpg
Objetivo do auxílio-reclusão é prover o sustento da família do preso que trabalhou e contribuiu para o INSS e, que agora, com ele recolhido, não tem como se manter


O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) atualizou o valor do auxílio reclusão - benefício voltado para famílias de presos que pode chegar a R$ 3.961,74 mensais.

O valor varia de acordo com a contribuição do segurado à Previdência Social e parte de um salário mínimo (R$ 545) - veja todas as regras para a concessão do benefício no quadro abaixo.

Auxílio é importante no período de reintegração, diz preso.

O valor do teto do auxílio é o mesmo da aposentadoria. No entanto, se comparado ao benefício recebido por trabalhadores assalariados que precisam se afastar do emprego por doença ou acidente, o valor pode ser maior.

O motivo, explica o professor de direito previdenciário e trabalhista da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Marcel Cordeiro, é o cálculo feito sobre a contribuição do segurado.

Enquanto o percentual considerado sobre o salário de benefício em casos de doença ou acidente fica em 91% e 50%, respectivamente, no caso dos detentos, o valor é integral, ou seja, 100%.

Porém, não são todos os presos que têm direito à ajuda do governo. Há uma série de exigências para que a família possa receber esse valor mensal.

A principal delas é o detento estar na condição de segurado, ou seja, ter contribuído para o INSS com salário de contribuição igual ou menor a R$ 862,60 até um mês antes da prisão – valor reajustado em 14 de julho deste ano.

A advogada previdenciária, Beatriz Rodrigues Bezerra, ressalta esta condição e afirma que “é importante saber que o que vai contar é o último salário de contribuição e que o benefício é único”, ou seja, independe do número de filhos do segurado.

Além disso, o preso precisa estar cumprindo pena em regime fechado ou semiaberto – detentos em condicional ou em fuga estão fora do benefício, assim como aqueles que recebem aposentadoria ou ainda ligados a empresas.

Os dependentes começam a receber o benefício em até 30 dias. Em caso de fuga ou liberdade, o auxílio-reclusão é suspenso.

Quase R$ 4.000

Apesar de não exigir carência, para chegar ao valor máximo, de quase R$ 4.000, é preciso que o segurado tenha contribuído por muitos anos com valores superiores aos R$ 862,60, já que o auxílio corresponde à média aritmética dos 80% maiores salários de contribuição.

Sendo assim, diz Beatriz, se o segurado tiver contribuído sempre pelo teto, ele pode receber os R$ 3.961,74, caso contrário, o valor será sempre menor.

Do total de 496.251 presos de todo o país, apenas 31.274 receberam o benefício em julho deste ano. O valor recebido pelas famílias dos segurados foi de R$ 629,70, segundo o INSS.











http://noticias.r7.com/economia/noticias/familia-de-preso-pode-ganhar-ate-r-3-900-por-mes-do-inss-veja-como-pedir-beneficio-20111003.html

MAMUTE
Oct 4, 2011, 1:58 AM
Fitch reduz previsão de crescimento da economia global


A agência de classificação de risco Fitch revisou para baixo suas previsões de crescimento da economia global por causa de dados mais fracos no segundo trimestre deste ano em relação à sua projeção anterior. A Fitch prevê que a expansão da economia mundial será de 2,6% este ano, ante uma previsão de 3,1% anteriormente.

A agência também projeta um crescimento global de 2,7% em 2012, antes era de 3,4%, e de 3,1% em 2013, anteriormente era de 3,4%. De acordo com a agência, as economias emergentes também devem apresentar um resultado mais moderado, ainda que o crescimento delas permanecerá robusto.


Enquanto fatores temporários continuam suprimindo a atividade econômica, a recente intensificação da volatilidade dos mercados financeiros e as incertezas sobre as políticas fiscais minaram a confiança, o que prejudica o consumo privado e o crescimento de investimentos.


"A Fitch não projeta uma (recessão) de duplo mergulho nas suas projeções econômicas globais. Entretanto, a chance de uma recessão aumentou, já que a intensificação da volatilidade dos mercados financeiros poderia ampliar o comportamento de aversão ao risco e levar a condições de crédito mais contidas", disse Maria Malas-Mroueh, diretora do grupo soberano da Fitch.


"Na zona do euro, as previsões levam em conta (uma projeção de) crescimento trimestral perto de zero até os primeiros três meses de 2012, parcialmente refletindo o impacto da crise da dívida soberana - o sentimento em toda a Europa diminuiu e a incerteza aumentou significativamente desde junho", completou. As informações são da Dow Jones.












http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/68308_FITCH+REDUZ+PREVISAO+DE+CRESCIMENTO+DA+ECONOMIA+GLOBAL

MAMUTE
Oct 4, 2011, 6:13 PM
Sem acordo, discussão sobre royalties se dará no STF, diz Lindberg Farias


O senador petista Lindberg Farias disse ontem (3), durante reunião da bancada fluminense na Câmara dos Deputados, no Palácio Guanabara, que se não houver acordo político em torno das discussões sobre a distribuição dos royalties do petróleo, a questão irá parar no Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o senador, o debate federativo é “uma coisa muita séria” para ser tratado da forma como está sendo na questão dos royalties do petróleo.“Federação é um grande acordo e, na verdade, nós não podemos ter alguns estados se sentindo roubados, atacados. É dessa forma que estão querendo deixar o estado do Rio de Janeiro. Então, neste debate em torno da Federação, é fundamental que se discuta democracia no país”.

Para ele, “ou se estabelece uma política com 'P maiúsculo', uma liderança – que em minha opinião tem que ser a presidenta da República – ou vai cair tudo no Supremo. Aí nós estaremos mostrando a incompetência na articulação de muitos agentes políticos nesse país, e vamos jogar tudo no STF”.

“Aí quem vai discutir royalties, FPE [Fundo de Participação dos Estados] é o Supremo. Qualquer discussão no âmbito da Federação não pode se dar [apenas pela] maioria. Não é assim: 24 a 3. Eu tenho maioria, então eu esmago. Isto não tem lógica. É por isso que a gente acha que é a presidenta Dilma que deverá liderar essas negociações. Se não, tudo vai mesmo acabar no Supremo e a ele caberá decidir”.

Lindberg Farias considerou “uma grande vitória” do Rio a decisão da presidente Dilma de ligar para o presidente do Senado, José Sarney, lembrando que “não é o momento adequado de se assunto em função da crise econômica mundial”. Para o senador petista, a intervenção deverá adiar pelo menos até depois do feriado a apreciação do veto do presidente Lula à Emenda Ibsen – que modifica os critérios de distribuição dos royalties do petróleo. “A decisão nos ajuda muito e é uma grande vitória, porque o clima na semana passada era de querer atropelar, tratorar [os interesses do Rio]. Daí o debate ter ficado mais quente”.

Na opinião do senador petista, a presidenta Dilma Rousseff deve liderar um grande debate sobre algumas questões federativas e não só sobre a distribuição dos royalties. “O debate deve envolver varias outras questões federativas e não só royalties. Tem a questão do FDE [Fundo de Participação dos Estados], que inclusive o STJ [Superior Tribunal de Justiça] já apontou na direção da adoção de novos critérios para a distribuição do fundo”.

Ele lembrou, ainda, que o país tem uma Federação com um grau de desequilíbrio “já muito grande" e disse considerar um exagero que queiram “tirar ainda mais do Rio”.




http://www.maiscomunidade.com/conteudo/2008-05-19/brasil/112896/SEM-ACORDO,-DISCUSSÃO-SOBRE-ROYALTIES-SE-DARÁ-NO-STF,-DIZ-LINDBERG-FARIAS.pnhtml

MAMUTE
Oct 4, 2011, 6:14 PM
:previous:Era quase certeza que não haveria acordo, agora veremos o que o STF vai decidir:whip:

emblazius
Oct 4, 2011, 8:02 PM
Acho que o RJ devia extraditar todos os não nascidos no RJ e desempregados que estão no Estado e baixar uma legislação ambiental rigorosa quanto à questões sobre petróleo para inviabilizar a exploração do RJ como base para extração. Deveria também cobrar uma taxa de todo e qualquer cidadão que visitasse a cidade, isso até poderia ser implantado em cada estado do Brasil, sem problemas. E seguindo a mesma linha, deveria acabar com o Fundo Constitucional do DF, ou dividir igualmente este fundo para todos os estados da federação. :banana::notacrook::banana:Bota pra F.... mesmo!!!

HLbsb
Oct 4, 2011, 9:48 PM
Acho que o RJ devia extraditar todos os não nascidos no RJ e desempregados que estão no Estado e baixar uma legislação ambiental rigorosa quanto à questões sobre petróleo para inviabilizar a exploração do RJ como base para extração. Deveria também cobrar uma taxa de todo e qualquer cidadão que visitasse a cidade, isso até poderia ser implantado em cada estado do Brasil, sem problemas. E seguindo a mesma linha, deveria acabar com o Fundo Constitucional do DF, ou dividir igualmente este fundo para todos os estados da federação. :banana::notacrook::banana:Bota pra F.... mesmo!!!

:koko:

Observções e consequencias desse devaneio:
1. A quantidade de migrantes no RJ é bem menor do que em SP, por exemplo. Muitos cariocas fazem parte dos desempregados. Não consegui ver lógica alguma nisso...

2. O petróleo está em alto mar. Inviabilize a base terrestre no RJ e veja uma migração para ES ou SP. Só o RJ perderia com isso...

3. Imposto sobre trânsito de pessoas?! A consequencia imediata é o turismo no Brasil ser ainda mais pífio. Caso tal absurdo fosse aplicado apenas ao RJ é possível que perdesse turistas...

4. O Fundo Constuticional do DF é de fato questionável, mas é consideravelmente menor do que os Roayties do Petróleo. O pior é que, na minha opinião, são direitos igualmente ineficientes do ponto de vista econômico.

Enquanto o DF tem dinheiro em caixa e não consegue tirar projetos do papel, alem do absurdo de ter atingido o teto para o funcionalismo, municípios como Campos dos Goytacazes, talvez o que mais receba royalties, continuam paupérrimos, sustentando garotinhos.

Considero igualmente hipócrita o DF querer aumentar a participação no FCO ou o Cabral vir falar de liquidez das contas (estão gastando com o que?!). Pelo menos no caso do DF a reivindicação decorre de um conflito federativo (O estado de GO se recusa a investir no entorno e o DF sofre as consequencias). No caso do RJ, a reivindicação só se sustenta em pé por conta de legislação utrapassada, já que além dos Royalties o petróleo foi responsável pela manutenção e desenvolvimento desse estado nas últimas décadas, sem grandes ônus que justifiquem os royalties...

emblazius
Oct 4, 2011, 11:54 PM
:koko:

Observções e consequencias desse devaneio:
1. A quantidade de migrantes no RJ é bem menor do que em SP, por exemplo. Muitos cariocas fazem parte dos desempregados. Não consegui ver lógica alguma nisso...

2. O petróleo está em alto mar. Inviabilize a base terrestre no RJ e veja uma migração para ES ou SP. Só o RJ perderia com isso...

3. Imposto sobre trânsito de pessoas?! A consequencia imediata é o turismo no Brasil ser ainda mais pífio. Caso tal absurdo fosse aplicado apenas ao RJ é possível que perdesse turistas...

4. O Fundo Constuticional do DF é de fato questionável, mas é consideravelmente menor do que os Roayties do Petróleo. O pior é que, na minha opinião, são direitos igualmente ineficientes do ponto de vista econômico.

Enquanto o DF tem dinheiro em caixa e não consegue tirar projetos do papel, alem do absurdo de ter atingido o teto para o funcionalismo, municípios como Campos dos Goytacazes, talvez o que mais receba royalties, continuam paupérrimos, sustentando garotinhos.

Considero igualmente hipócrita o DF querer aumentar a participação no FCO ou o Cabral vir falar de liquidez das contas (estão gastando com o que?!). Pelo menos no caso do DF a reivindicação decorre de um conflito federativo (O estado de GO se recusa a investir no entorno e o DF sofre as consequencias). No caso do RJ, a reivindicação só se sustenta em pé por conta de legislação utrapassada, já que além dos Royalties o petróleo foi responsável pela manutenção e desenvolvimento desse estado nas últimas décadas, sem grandes ônus que justifiquem os royalties...




1 - acredito mesmo que em SP pode ser bem maior. Sobre a quantidade de desempregados do RJ em SP eu não tenho dados para concordar nem discordar, mas no meu achismo eu não acredito nisso não. Como sempre falo, se fosse pobre, preferiria ser pobre no RJ que em Brasília, tampouco em SP.

2- verdade, está em alto mar, mas vc conhece o litoral do RJ, já pegou a BR. 101 de ponta a ponta. Te digo que a infra-estrutura em torno do petróleo desconfigurou muitas cidades, inclusive Angra que favelizou de não cariocas.

3 - acho o contrário, o turismo do RJ é único e diversificado. Já dos outros estados são pontuais.

4 - o GDF sofre o mesmo processo do RJ, assume o ônus da omissão de outros estados. Só que o GDF tem o FC, e o RJ o petróleo.

Agora vamos para o esclarecimento que não foi feito à população. Simplesmente todo o petróleo do pré sal é dividido igualmente para todos os estados, Todo o pré sal.

O que a emenda Ibsen faz é rever Todos os contratos antigos, ou seja, os que estão mais perto da costa, ou seja, que não estão no Pré sal.

A emenda Ibsen é hipócrita e esconde atras dessa desculpa de igualdade o desejo desses políticos corruptos passarem a receber os recursos Hoje, e não quando o pré sal começar a produzir.

Enfim, minha postagem é pimenta malagueta pura.:hell:

MAMUTE
Oct 5, 2011, 12:40 PM
MPF irá pedir investigação ao Ministério da Fazenda sobre alto preço de automóveis



A 3ª Câmara de Coordenação e Revisão (CCR) do Ministério Público Federal, em sua 7ª sessão ordinária, aprovou diligência que solicita à Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda investigação sobre eventual lucro abusivo das montadoras de automóveis. A situação se verifica em relação a veículos vendidos no Brasil, quando comparados com os mesmos carros vendidos no exterior. O MPF também quer a revisão da chamada Lei Ferrari (Lei 6.729/1979), que dispõe sobre a concessão comercial entre produtores e distribuidores de veículos automotores no país.



O pedido de investigação ao Ministério da Fazenda é motivado pelo envio, de forma sigilosa, de uma cópia de matéria jornalística enviada à Procuradoria da República no DF. As reportagens noticiam o alto preço cobrado pela venda de veículos no Brasil em comparação com outros país e sugerem, ainda, que o alto preço seria decorrência do lucro abusivo praticado pelas montadoras brasileiras. Para o coordenador da 3ª CCR, subprocurador-geral da República Antonio Fonseca, “dentro da atribuição de zelar pelos princípios constitucionais relativos à atividade econômica e à defesa do consumidor, cabe ao MPF provocar os órgãos federais competentes a voltar sua atenção para o tema”.



De acordo com o voto coletivo aprovado na 3ª CCR, “a Lei Ferrari pode ter tido algum papel, há 30 anos, na época da reestruturação dos mercados de veículos no Brasil, numa época em que vigia uma economia de controle de preços. Mas hoje existem fortes suspeitas de que essa lei é desnecessária e até prejudicial”. Assim, o MPF, no âmbito de suas atribuições de zelar pela observância dos princípios constitucionais relativos à atividade econômica, decidiu requisitar à SEAE/MF investigar, em até 180 dias, questões relacionadas à importação de veículos, como a execlusividade na venda de veículos novos e a proibição de restrições territoriais na comercialização.



Para a 3ª CCR, órgão de cúpula do MPF dedicado à defesa dos direitos do consumidor e à proteção da ordem econômica; além das barreiras à importação, da carga tributária e da mão-de-obra; os preços altos podem ser indício de falhas de mercado e de regulamentos obsoletos, como a chamada Lei Ferrari. Nesse sentido, a 3ª CCR também irá solicitar ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que desenvolva estudos para verificar se existe conveniência ou não na manutenção da Lei Ferrari. De posse dos estudos fundamentados, o MPF avaliará a possibilidade de provocar outros órgãos governamentais, seja para aprofundar a investigação de eventuais falhas de mercado ou para considerar a revisão regulatória ou legislativa.




http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=367964

MAMUTE
Oct 5, 2011, 11:14 PM
Câmara aprova MP que institui cobrança de IOF sobre derivativos



Proposta do Executivo visa conter especulação no mercado de câmbio.
Exportadores terão desconto em operações em que o imposto já incide.


A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (5) a medida provisória 539, que institui a cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre operações de derivativos (contratos cujos valores estão ligados ao preço de outro bem ou ativo) vinculados à taxa de câmbio do dólar.

A cobrança de IOF sobre derivativos tem como objetivo conter a especulação cambial. O texto autoriza o Conselho Monetário Nacional (CMN) a definir regras específicas para as negociações no mercado de derivativos e a tributar essas operações com o imposto

Para aprovar o texto, o governo fez algumas concessões à oposição. Os contratos derivativos em aberto, por exemplo, foram excluídos das regras de controle do Conselho Monetário Nacional.

De acordo com o texto, os exportadores podem descontar o IOF pago nas operações de derivativos com o valor devido em outras operações nas quais esse tributo incide. Se houver sobra de crédito, ela poderá ser compensada com outros impostos devidos à Receita Federal.

Após a votação do texto principal, os deputados ainda analisavam emendas (alterações pontuais) no projeto. Depois, a proposta deverá ser analisada no Senado.

A medida
A tributação sobre as operações com derivativos – usados como apostas das empresas e bancos, brasileiros e estrangeiros no mercado futuro, e que pressionam para baixo a cotação do dólar – foi anunciada em julho pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Pela Medida Provisória publicada então no Diário Oficial, essa taxação pode chegar a 25%.

A medida foi tomada, naquele mês, por conta da desvalorização contínua do dólar frente ao real, que chegou a fechar abaixo de R$ 1,54, o menor patamar em mais de 12 anos. A cobrança funcionaria, segundo Mantega, como um tipo de "pedágio" nas operações de derivativos, diminuindo sua rentabilidade e contribuindo, deste modo, para diminuir a pressão por queda do dólar.

No mês passado, com a inversão do câmbio e valorização do dólar frente ao real, em virtude do aprofundamento da crise externa, o ministro informou que a data do recolhimento da cobrança maior do IOF sobre derivativos passou de 5 de outubro para dezembro deste ano.

Derivativos
Os derivativos são instrumentos financeiros cujo preço de negociação é baseado no preço futuro de algum outro ativo, como ações, câmbio ou juros.

Investidores utilizam esse instrumento em diversas formas no mercado financeiro: uma delas funciona como se fosse um seguro de preço e tem como objetivo proteger o investidor contra variações de taxas, moedas ou preços.

Para ter proteção contra as variações do câmbio, por exemplo, os investidores podem optar por uma operação de derivativos.












http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/10/camara-aprova-cobranca-de-iof-sobre-derivativos.html

MAMUTE
Oct 5, 2011, 11:59 PM
Morre Steve Jobs, fundador da Apple


Criador da Apple impôs visão de simplicidade no mercado da tecnologia.
Da experiência com drogas às brigas, conheça a trajetória do empresário.


http://s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2011/08/24/jobs10.jpg


Morreu nesta quarta-feira (5) aos 56 anos o empresário Steven Paul Jobs, criador da Apple, do estúdio de animação Pixar e pai de produtos como o Macintosh, o iPad, o iPhone e o iPad.

Idolatrado pelos consumidores de seus produtos e por boa parte dos funcionários da empresa que fundou em uma garagem no Vale do Silício, na Califórnia, e ajudou a transformar na maior companhia de capital aberto do mundo em valor de mercado, Jobs foi um dos maiores defensores da popularização da tecnologia. Acreditava que computadores e gadgets deveriam ser fáceis o suficiente para ser operados por qualquer pessoa, como gostava de repetir em um de seus bordões prediletos era "simplesmente funciona" (em inglês, "it just works"), impacto que foi além de sua companhia e ajudou a puxar a evolução de produtos como o Windows, da Microsoft.

A luta de Jobs contra o câncer desde 2004 o deixou fisicamente debilitado nos anos de maior sucesso comercial da Apple, que escapou da falência no final da década de 90 para se transformar na maior empresa de tecnologia do planeta. Desde então, passou por um transplante de fígado e viu seu obituário publicado acidentalmente em veículos importantes como a Bloomberg.






http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/10/morre-steve-jobs-fundador-da-apple.html

Maths2
Oct 6, 2011, 12:14 AM
^^^^
Ainda estou em estado de choque...Msm sabendo que ele já não estava bem de saúde não imaginava que uma das mentes mais brilhantes das últimas 2 décadas ia falecer...Não agora...Pelo menos o legado dele é enorme...Simplismente mudou nossas vidas nos últimos 10 anos...

MAMUTE
Oct 6, 2011, 12:29 AM
:previous:Realmente, ele era uma das mentes mais inovadoras do mundo tecnológico mundial, uma grande perda:(

emblazius
Oct 6, 2011, 1:52 AM
Nesse momento a gente pensa. Os bons morrem cedo. Smpre acesso o SSP e antigo SSC pelo Ipad. Revolucionou tudo para mim que ganhei uma hernia só de usar notebook no colo deitado na cama. Viva o Ipad, viva SJ.

MAMUTE
Oct 6, 2011, 6:10 PM
Ações da SABMiller disparam com rumores de possível venda para a AB InBev



Oferta feita pela segunda maior cervejaria do mundo teria sido de US$ 80 bilhões. Papéis da SABMiller sobem 5,07% na bolsa de Londres


Os papéis da SABMiller negociados na bolsa de Londres dispararam hoje (06/10), depois da notícia de uma possível venda para AB Inbev, maior cervejaria do mundo, por US$ 80 bilhões.

Segunda maior cervejaria do mundo, a SABMiller observava uma alta de 5,07% em seus papéis às 12h10 (horário de Brasília).

A notícia da possível oferta foi dada pelo colunista Guilherme Barros, do iG.

Segundo matéria do Wall Street Journal, nenhuma das empresas quis se manifestar sobre o assunto. Ainda de acordo com o jornal, os analistas estão um tanto quanto céticos sobre o assunto.

http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios2/foto/0,,53111910,00.jpg
Ações da empresa subiram 5,07% com notícia de possível oferta de venda por US$ 80 bilhões


"Não descartamos o negócio, mas o fato de que o artigo não cita quaisquer fontes nos leva a ser cautelosos quanto à sua credibilidade," disse o analista da MFGlobal, Andy Ford.

A analista da S&P, Carl Short, também expressou cautela. “Eu não estou super-animada. Houve rumores antes e haverá rumores no futuro.”

Um acordo entre as empresas é visto como a última peça importante em uma indústria que tem visto a consolidação generalizada nos últimos anos.

A SABMiller está para completar a sua aquisição de US$ 9,9 bilhões do grupo australiano Foster, amadurecendo sua presença no mercado mundial de cerveja.

A própria AB InBev é produto de uma fusão entre a norte-americana Anheuser-Busch e a InBev, com sede na Bélgica, e tem se focado na economia operacional e na redução da dívida.

Segundo a avaliação de analistas, a SABMiller é um alvo atraente para AB InBev, devido às suas extensas operações nos mercados emergentes de rápido crescimento da Ásia, América Latina, África e Europa Oriental, responsáveis por cerca de 80% de seus lucros. Sua presença em mercados emergentes representa cerca de 50% da registrada por seus rivais.

No Brasil, a SABMiller comercializa as marcas Miller, Carling, Cristal, , Dreher, Foster's e Pilsen.





http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI271072-16355,00-ACOES+DA+SABMILLER+DISPARAM+COM+RUMORES+DE+POSSIVEL+VENDA+PARA+A+AB+INBEV.html

MAMUTE
Oct 6, 2011, 6:21 PM
Anbima: renda fixa privada soma R$ 1,42 tri em setembro


Os ativos de renda fixa emitidos por empresas e bancos fecharam setembro com estoque de R$ 1,42 trilhão. Incluindo os títulos do governo, o estoque sobe para R$ 3,19 trilhões, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Os papéis emitidos por bancos para captarem recursos somam boa parte do estoque privado de títulos de renda fixa. No final de setembro, o total de Certificados de Depósitos Bancários (CDB) estava em R$ 731,5 bilhões. Já o de letras financeiras chegou a R$ 114,1 bilhões, segundo os dados da Anbima. No mesmo mês do ano passado, o estoque de letras era de R$ 18 bilhões. As letras foram criadas em 2009 pelo governo para os bancos captarem recursos de longo prazo.


Os títulos emitidos por empresas, como debêntures, chegaram a estoque de R$ 391 bilhões em setembro, o equivalente a 27% do saldo de papéis privados de renda fixa.


A grande maioria dos títulos de renda fixa privados (89,9%) é indexado pelas taxas do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). Os dados foram divulgados no 4º Seminário Anbima de Renda Fixa.






http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/68825_ANBIMA+RENDA+FIXA+PRIVADA+SOMA+R+142+TRI+EM+SETEMBRO

MAMUTE
Oct 6, 2011, 6:25 PM
Produção brasileira de grãos deve crescer 6,6% em 2011, diz IBGE


A produção brasileira de grãos deverá crescer 6,6% em 2011 em relação ao ano passado, e alcançar 159,4 milhões de toneladas, contra 149,6 milhões de toneladas em 2010. A estimativa faz parte do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quinta-feira, 6, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com a estimativa de agosto, de 159 milhões de toneladas, a estimativa para a safra de grãos cresceu 0,3% em setembro





http://www.valor.com.br/brasil/1039238/producao-brasileira-de-graos-deve-crescer-66-em-2011-diz-ibge

MAMUTE
Oct 7, 2011, 1:03 AM
Senador propõe chicotadas para preso que não trabalhar


O senador Reditario Cassol (PP-RO) defendeu hoje, da tribuna do Senado, o fim do auxílio-reclusão para os condenados que estiverem cumprindo pena e a adoção da pena de chicotadas contra os presos que se recusarem a trabalhar nos presídios. Ele alega que "pilantras, vagabundos e sem-vergonha" recebem um tratamento melhor do que os trabalhadores brasileiros.



"Nós temos de fazer o nosso trabalho, ilustre presidente e nobres senadores, modificar um pouco a lei aqui no nosso Brasil, que venha favorecer, sim, as famílias honestas, as famílias que trabalham, que lutam, que pagam impostos para manter o Brasil de pé", defendeu. "E não criar facilidade para pilantra, vagabundo, sem-vergonha, que devia estar atrás da grade de noite e de dia trabalhar, e quando não trabalhasse de acordo, o chicote voltar, que nem antigamente", defendeu.


Suplente de seu filho, o ex-governador de Rondônia Ivo Cassol, que está licenciado, Reditario questionou o "desamparo" dos parentes das vítimas, enquanto o governo - segundo ele - gastar por ano "mais de R$ 200 milhões do orçamento para sustentar a família dos presos que cometera crime hediondo, crime bárbaro".


"O vagabundo, sem-vergonha, que está preso recebe uma bolsa de R$ 802,60 para seu sustento. Mesmo que seja auxílio temporário, a prisão não é colônia de férias", protestou. No seu entender, a pessoa condenada por crime grave deve sustentar os dependentes com o trabalho nas cadeias. Ele comparou a situação aos trabalhadores desempregados que, "além de tudo isso, muitas vezes é assaltado, tem a casa roubada e precisa viver recluso atrás das grades de sua própria casa".



Em aparte, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), disse que compreendia a "indignação" do colega, mas que, em nenhuma hipótese, aprovaria a utilização do chicote, "porque seria uma volta da Idade Média".








http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=368439

MAMUTE
Oct 7, 2011, 1:12 AM
"O senador Reditario Cassol (PP-RO) defendeu hoje, da tribuna do Senado, o fim do auxílio-reclusão para os condenados que estiverem cumprindo pena e a adoção da pena de chicotadas contra os presos que se recusarem a trabalhar nos presídios. Ele alega que "pilantras, vagabundos e sem-vergonha" recebem um tratamento melhor do que os trabalhadores brasileiros."


:multibow::superwhip:dead::whip2:whip2:whip2:

MAMUTE
Oct 7, 2011, 11:30 AM
Índia lança tablet de R$ 64 para estudantes


Valor é subsidiado pelo governo e aparelho é destinado a estudantes

http://www.maisbrasilia.com/mb2011/adm/Crop/imagens/Album/8961-8166-Imagem.bmp


A Índia apresentou nesta quarta-feira o que considera ser o tablet mais barato do mundo, destinado a estudantes, ao preço subsidiado de US$ 35 (R$ 64).

O governo indiano está comprando as primeiras unidades do produto, chamado Aakash, que significa céu em hindi, por US$ 50 (R$ 92) cada um, de uma empresa britânica que está montando os dispositivos na Índia.

Os tablets, inicialmente, serão fornecidos gratuitamente aos estudantes, em um projeto piloto envolvendo 100 mil unidades. "Os ricos têm acesso ao mundo digital, os pobres e comuns têm sido excluídos. Aakash terminará com a divisão digital", disse o ministro das Telecomunicações e da Educação, Kapil Sibal.

DataWind, pequena empresa britânica que desenvolveu o tablet, disse que o custo será menor quando iniciar a produção em massa. Após a distribuição gratuita, o governo pretende vender os produtos aos estudantes por US$ 35 (R$ 64) no próximo ano. A versão do tablet voltada ao varejo será comercializada por cerca de US$ 60 (R$ 111).








http://www.maisbrasilia.com/mb2011/noticias/conteudo/8961/%CDndia_lan%E7a_tablet_de_R%24_64_para_estudantes_.html

HLbsb
Oct 7, 2011, 1:07 PM
:previous:

:sly:

Com subsídios U$35
Sem subsídios U$50:whatthefuck:


Isso é ótimo para difundir a internet, mas mesmo com produção em massa e mão de obra escrava e seja mais o que for não se justifica chegarem a um valor comercial U$50 sem subsidios... Vai entender!

MAMUTE
Oct 7, 2011, 4:08 PM
Inflação oficial em 12 meses chega a 7,31%, maior taxa desde maio de 2005


A inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), subiu pelo terceiro mês consecutivo e ficou em 0,53% em setembro deste ano. O índice é superior aos registrados nos meses de agosto deste ano (0,37%) e setembro de 2010 (0,45%). O dado foi divulgado nesta sexta-feira (7/10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No acumulado do ano, o IPCA chega a 4,97%. Nos últimos 12 meses, o índice está em 7,31%, a maior taxa desde maio de 2005 (8,05%). A meta do governo para a inflação oficial este ano e em 2012 tem centro de 4,5%, com limite inferior de 2,5% e superior de 6,5%.

Os principais responsáveis pela inflação maior de agosto para setembro foram os alimentos, que tiveram aumento de preços de 0,64%, e os transportes, com aumento de 0,78% (com destaque para as passagens aéreas, que aumentaram 23,4%).

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para as famílias com renda até seis salários mínimos, variou 0,45% em setembro. O INPC acumula inflação de 4,61% no ano e de 7,30% nos últimos 12 meses.











http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/10/07/internas_economia,273066/inflacao-oficial-em-12-meses-chega-a-7-31-maior-taxa-desde-maio-de-2005.shtml

MAMUTE
Oct 7, 2011, 8:01 PM
Itaú estaria negociando compra de parte do HSBC no Brasil, dizem fontes



Operação envolvida seria a de varejo, seguindo o modelo da aquisição já feita no Chile na semana passada


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/20385/size_590_logo-itau.jpg?1291742964
Itaú: banco estaria negociando parte das operações do HSBC no Brasil


São Paulo - O banco Itaú estaria negociando a compra de pelo menos uma parte das operações do HSBC no Brasil.

Procurados, tanto Itaú quanto HSBC negaram que a negociação esteja em curso, mas a informação foi confirmada a EXAME.com por três fontes de dentro dos bancos nesta manhã.

O desenho da operação ainda não está claro, mas o mais provável é que o negócio envolva a parte de varejo do HSBC. Assim, o banco ficaria apenas com a gestão de fortunas e mercado corporativo, nos mesmos moldes da transação fechada entre o próprio Itaú e HSBC no Chile, na última quarta-feira.

A saída do mercado de varejo não seria algo inédito para o HSBC, já que o banco vendeu recentemente o negócio de cartão de crédito nos Estados Unidos para a Capital One. Também foi anunciada a venda de agências em Nova York e de parte do varejo na Rússia. Na Polônia, a unidade de varejo também foi fechada.

Estratégia

Mundialmente, o HSBC passa por um momento de revisão de portfolio e tenta focar em nichos de mercado com maiores margens.

No Brasil, por exemplo, o HSBC chegou a conversar com o BTG Pactual este ano sobre a venda da sua carteira de financiamento de veículos. As negociações não avançaram, mas a equipe da divisão “auto finance” do banco inglês foi incorporada pelo BTG.

A posição oficial do HSBC é de que eles simplesmente pararam de financiar automóveis no Brasil e que a decisão sobre vender ou não esta operação ainda não foi tomada.

Euforia

Dentro do Itaú, a expectativa já toma conta dos funcionários, informou uma fonte. “Não se ouve outra coisa pelos corredores e a compra faz bastante sentido”, disse a pessoa a EXAME.com. “A compra do HSBC no Chile já era um sinal de que a estratégia seria a mesma para o Brasil”, afirmou.

Ainda segundo ela, o caminho está mais livre ainda, já que, nesta semana, foi concluída a integração do Unibanco e os esforços podem se voltar a uma nova operação de grande porte.

No Brasil, o HSBC possui 865 agências, distribuídas em 545 municípios. A carteira de clientes pessoa física do banco soma mais de 5,4 milhões de clientes.

HSBC nega


Em nota, HSBC negou que está em negociações com o Itaú. Veja o comunicado do banco:

"O HSBC Bank Brasil, por meio de sua assessoria de imprensa, desmente, atribuindo a boatos e rumores de mercado sem fundamento, sua suposta venda parcial ou total para outra instituição financeira no Brasil.

O papel prioritário do HSBC Bank Brasil na estratégia global do Grupo HSBC de ser o banco de comércio e conectividade internacional de escolha nos 86 países onde está presente foi confirmado inequivocamente pelo novo presidente mundial do banco britânico, Stuart Gulliver, durante sua primeira visita oficial ao Brasil há duas duas semanas.

Na sua passagem pelo país, Gulliver disse em entrevistas à imprensa brasileira que Grupo prepara nova injeção de capital em suas operações brasileiras no primeiro trimestre do ano que vem para aumentar a oferta de crédito para pequenas, médias e grandes empresas brasileiras.

O Brasil é atualmente a quarta maior fonte de contribuição para os resultados da HSBC Holdings, depois de Hong Kong, Reino Unido e China."






http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/itau-negocia-compra-de-parte-do-hsbc-no-brasil-dizem-fontes?page=2&slug_name=itau-negocia-compra-de-parte-do-hsbc-no-brasil-dizem-fontes

MAMUTE
Oct 7, 2011, 8:02 PM
:previous:Onde há fumaça pode haver fogo!!!!!!

MAMUTE
Oct 7, 2011, 11:49 PM
Nova tecnologia eólica promete triplicar produção de energia


Anel ao redor da área das pás dos geradores acelera o fluxo de ar nas lâminas. Turbinas são organizadas em forma de colmeia


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/40891/size_590_energia-eolica.jpg?1318016683
Produto reduz preço da eletricidade eólica e compete com carvão e fontes nucleares


A Universidade de Kyushu, no Japão, desenvolveu uma turbina eólica que promete produzir três vezes mais energia do que as atuais. A nova tecnologia é chamada de lente eólica e alguns protótipos já estão em fase de testes no centro acadêmico.

Para que o equipamento tivesse uma produção energética mais eficiente não foi preciso aumentar o tamanho dos geradores. O modelo consiste em um anel e circunscreve a área das pás dos geradores, que têm a função de acelerar o fluxo de ar nas lâminas. Com este processo, o sistema gera de duas a três vezes mais energia do que as turbinas comuns. Toda a estrutura soma 112 metros de diâmetro.

O design do produto foi criado na Exibição Internacional de Energias Renováveis de Yokohama, em 2010. O modelo tem uma plataforma hexagonal, assim as turbinas são organizadas no formato de uma colmeia. Segundo o líder da pesquisa, Yuji Ohya, os geradores têm a vantagem de não causarem tanta poluição sonora como os convencionais.

Outra grande vantagem do produto será reduzir o preço da eletricidade eólica. A estrutura entraria em competição com o carvão e fontes nucleares e os custos da energia alternativa seriam menores, acreditam especialistas.

Com o desenvolvimento de novas tecnologias cresce o número de alternativas eólicas para a produção energética. O impasse, até então, é a necessidade de uma área muito grande para que toda a eletricidade necessária fosse gerada a partir da nova estrutura de energia eólica. De acordo com especialistas, nos Estados Unidos, por exemplo, seria preciso ter uma área disponível de pelo menos 440 mil km2, equivalente a 25% do estado do Alaska.







http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/noticias/nova-tecnologia-eolica-promete-triplicar-producao-de-energia

MAMUTE
Oct 8, 2011, 12:32 PM
Justiça proíbe Caixa de negar crédito para quem deixou de pagar empréstimo há mais de cinco anos

Brasília – Clientes que deixaram de pagar empréstimos há mais de cinco anos não podem ter o crédito restringido pela Caixa Econômica Federal. Por unanimidade, a Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) determinou que qualquer informação negativa de correntistas inseridas em cadastro ou banco de dados interno antes desse prazo não pode ser usada na concessão de empréstimos e financiamentos. Caso o cliente tenha o crédito rejeitado, o banco também terá de apresentar uma justificativa.

A decisão é válida para todo o país e tem como base o Código de Defesa do Consumidor. A legislação, de acordo com o tribunal, estabelece que os cadastros de consumidores não podem conter informações negativas de mais de cinco anos e garante acesso a esses dados pelos clientes. O Ministério Público Federal, autor da ação, alega que essa norma tem como objetivo impedir que o consumidor seja eternamente punido por fatos antigos, o que configura pena de caráter perpétuo, proibida pela Constituição Federal.

O processo teve origem na 8ª Vara da Justiça Federal no Ceará, que condenou o banco em primeira instância. A Caixa recorreu no TRF-5, onde também perdeu a ação, mas decidiu contestar novamente a sentença por meio de embargos de declaração. Para o TRF-5, a decisão não prejudica os riscos de negócio da Caixa, porque a instituição pode continuar a avaliar o perfil, a renda e o endividamento do cliente, desde que não sejam considerados dados de mais de cinco anos. Procurado pela Agência Brasil, o banco não informou se foi notificado nem se recorrerá da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ).











http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-10-07/justica-proibe-caixa-de-negar-credito-para-quem-deixou-de-pagar-emprestimo-ha-mais-de-cinco-anos

MAMUTE
Oct 9, 2011, 12:39 AM
União investirá R$ 1 bi para desafogar presídios do País



O governo federal prepara um programa de ampliação de vagas e construção de cadeias públicas para desafogar o sistema carcerário do País. Dados do Ministério da Justiça apontam que mais de 50 mil presos provisórios aguardam julgamento em delegacias, o que obriga as secretarias de segurança a tirar policiais das ruas para cuidar da carceragem. "As delegacias são absolutamente inadequadas para receber presos, seja do ponto de vista da segurança, seja do ponto de vista das condições carcerárias e humanas para o preso, seja do ponto de vista policial, porque você acaba deixando policiais que deveriam estar nas ruas para que fiquem cuidando de carceragens em delegacias", disse o ministro José Eduardo Cardozo.

Em entrevista exclusiva à Agência Estado, o ministro contou que a presidente Dilma Rousseff aprovou o programa, que será lançado ainda neste ano. A proposta do governo é repassar R$ 1,1 bilhão para os Estados, que ficarão responsáveis pela execução das obras. "Vamos fornecer os recursos até um certo valor por vaga e o Estado entrará com uma contrapartida",explicou o ministro.


O Ministério da Justiça faz um mapeamento da situação carcerária de cada Estado para definir o valor que será repassado para cada governo estadual. De acordo com o ministro, os 26 Estados e o Distrito Federal receberão recursos do programa. Onde for possível reformar as cadeias, será possível ampliar o número de vagas no curto prazo. Em alguns locais, será necessário construir novas unidades prisionais. "Nós vivemos um momento muito difícil no sistema prisional brasileiro", avaliou o ministro.


De acordo com ele, a presidente está ciente de que não conseguirá resolver a questão da superlotação nas cadeias até o final de seu mandato, por isso a meta inicial do governo é desafogar o sistema carcerário. "O problema não se resolve em quatro anos, mas pelo menos vai desafogar uma situação que é gravíssima e que tem sido objeto de denúncias nas cortes internacionais em face de alguns presídios que apresentam situações inaceitáveis para os presos", disse Cardozo.




http://maiscomunidade.com/conteudo/2008-05-19/brasil/113370/UNIÃO-INVESTIRÁ-R$-1-BI-PARA-DESAFOGAR-PRESÍDIOS-DO-PAÍS.pnhtml

MAMUTE
Oct 10, 2011, 12:13 PM
Brasil inicia produção de nova frota de submarinos, em parceria com França

Não é de hoje que o Brasil deseja submarinos montados e projetados no país. O primeiro equipamento desse tipo incorporado à Marinha remonta a 1914, mas levou quase 80 anos até que o primeiro navio com capacidade de submergir fosse construído em território nacional. Tratava-se do Tamoio, um IKL-209 de tecnologia alemã, produzido em1993. Agora, passados mais 18 anos, finalmente chegam à superfície os planos de produção de um submarino projetado no país, graças ao Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) — parceria estratégica entre os governos brasileiro e francês firmada em 2008 e aprovada pelo Senado somente em abril deste ano.

Os franceses dominam a tecnologia de produção de submarinos convencionais e nucleares. A transferência de tecnologia a ser feita diz respeito à classe Scorpène, do estaleiro Direction des Constructions Navales Services (DCNS). O projeto prevê a construção de quatro submarinos convencionais (S-BR), movidos a motores diesel-elétricos, e um nuclear. Todos serão feitos em novo estaleiro da Itaguaí Construções Navais, criada a partir de uma parceria entre a DCNS e a Norberto Odebrecht. O estaleiro e as demais instalações — que incluem uma base naval, a Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (Ufem) e a planta da Nuclebrás Equipamentos Pesados (Nuclep), estatal que fará as seções cilíndricas do casco — ficarão prontos em 2015. O custo total do programa está orçado em 6,7 bilhões de euros, o equivalente a R$ 16 bilhões, quase o triplo estimado para o reequipamento completo da Marinha brasileira.

O primeiro casco começou a ser feito em 16 de julho, mas os submarinos vão para a água de maneira escalada, sendo que o primeiro entrará em serviço em 2015. O último será finalizado em 2025, sendo que a conclusão do navio nuclear está prevista para 2023. Na prática, é o final da novela do submarino nuclear, cujo programa ficou praticamente em hibernação entre 1994 e 2006 e voltou à tona graças a descoberta de novas reservas de petróleo, o pré-sal, o que demandará novas exigências da Marinha.

No passado, o afundamento do cruzador argentino Belgrano, em 2 de maio de 1982, pelo submarino nuclear britânico Conqueror, na Guerra das Malvinas, reforçou a necessidade de o Brasil ter armas desse tipo — foi o único ataque de um submarino do tipo a uma embarcação até hoje. Quatro embarcações parecem pouco, mas, segundo a Marinha, com o parque formado e a nacionalização de componentes, será mais fácil fazer outros submarinos. O programa espera capacitar 140 fornecedores locais, que serão responsáveis por cerca de 20% das peças, o equivalente a 36 mil itens, como quadros elétricos, bombas hidráulicas, sistema de combate e de controle e baterias de grande porte. Contudo, todas as empresas serão escolhidas pelos franceses, em razão da experiência do estaleiro.

Brasileirinhos
Os Scorpènes nacionais serão alongados em relação ao original CM-2000, de 62m, projetado em conjunto com a empresa espanhola Izar. O peso vai até as 2 mil toneladas, contra 1.500 do Scorpène original. A propulsão usa quatro geradores movidos a diesel para recarregar as baterias, responsáveis por entregar a energia usada pelos motores elétricos para impulsionar a embarcação. Submerso, o novo submarino brasileiro (S-BR) chega aos 20 nós, o equivalente a 37km/h, que caem para 22km/h na superfície. Em ritmo de cruzeiro, o alcance chega a 12 mil quilômetros, o que diminui para pouco mais de mil quilômetros em navegação submersa, sendo que a profundidade de operação chega aos 350m. Os Scorpènes ainda podem ficar até 50 dias debaixo da água. A tripulação terá pelo menos 32 homens, contingente pequeno em razão da automação dos sistemas de controle e armas. Para se ter ideia, os antigos submarinos da Classe Oberon exigiam 74 tripulantes. Na América do Sul, o Chile já tem duas embarcações do tipo Scorpène, usadas também por outros países, como a Índia e a Malásia.

Em relação ao Scorpène original, com mais de 100m de comprimento e deslocamento de até 6 mil toneladas, a variante nuclear será amplamente modificada em razão do espaço superior exigido pelo núcleo do reator. No caso, o Scorpène servirá apenas como base para o desenho final. Estratégicos, os submergíveis nucleares fazem parte de poucos arsenais no mundo: apenas de China, Estados Unidos, França, Inglaterra e Rússia. Surgidos em 1954, quando o norte-americano USS Nautilus foi lançado, os submarinos nucleares são objeto de desejo do Brasil desde 1978, quando também se desenvolveu o programa nuclear nacional. O responsável pela propulsão nuclear do submario é o Centro Tecnológico da Marinha em Iperó, interior paulista, que desenvolve o circuito primário da propulsão, sendo que o combustível (urânio enriquecido) já foi desenvolvido pela instituição.

Ação
Os equipamentos a serem produzidos no Brasil serão de ataque, usados para combater submarinos, embarcações ou outros alvos de superfície. Entre os armamentos, estão seis tubos de torpedos que podem levar 18 torpedos (12 reservas), mísseis antinavio Exocet ou até 30 minas. Toda a manipulação de armas é automatizada. Para diminuir a chance de ser atingido, o casco tem baixo índice de detecção por sonares. A despeito da capacidade de fogo, a dissuasão é o ponto de principal de importância estratégica. A introdução dos S-BRs não tirará os antigos de serviço — quatro submarinos da classe Tupi (IKL-209) e um Tikuna, que ficarão baseados em Itaguaí.

Cada submarino terá aplicações diferentes. Enquanto os convencionais se encarregarão de patrulhar um ponto sempre próximo da costa, o nuclear usará suas vantagens de maior autonomia e capacidade de manter altas velocidades para se deslocar. Algo ideal para a grande extensão de litoral, como destaca a Marinha.



















http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2011/10/10/interna_ciencia_saude,273270/brasil-inicia-producao-de-nova-frota-de-submarinos-em-parceria-com-franca.shtml

MAMUTE
Oct 10, 2011, 11:44 PM
Investimento público em educação ficará entre 7% e 10% do PIB, diz ministro



O investimento público em educação deverá ficar entre 7% e 10% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos dez anos, disse nesta segunda-feira (10/10) o ministro da Educação, Fernando Haddad. A fatia do Orçamento destinada ao setor será definida no Plano Nacional de Educação válido até 2020, que tramita na Câmara dos Deputados.

“Estou aguardando uma manifestação do Congresso [Nacional], que deve dar a última palavra nas próximas semanas. Não vai ser menos do que 7% e não vai ser maior do que 10%. E eu entendo que [com essa definição] o Brasil dará um grande passo”, declarou Haddad, ao participar, no Rio de Janeiro, de um seminário sobre os desafios da educação básica no país, promovido pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

O ministro destacou que, atualmente, o Brasil investe o percentual equivalente à media dos países que integram a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne as nações mais industrializadas da economia de mercado, como a França, o Japão e a Alemanha. Ele defendeu, no entanto, que esses investimentos aumentem para reduzir a “dívida educacional” brasileira.

“A média da OCDE é 5%, mas o PIB deles é maior que o nosso e a dívida educacional é menor que a nossa. Temos que fazer um esforço um pouquinho maior que a média mundial para honrar a dívida que acumulamos desde a proclamação da República”, acrescentou.












http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/10/10/internas_economia,273379/investimento-publico-em-educacao-ficara-entre-7-e-10-do-pib-diz-ministro.shtml

MAMUTE
Oct 11, 2011, 1:42 PM
Emprego no setor industrial volta a crescer em agosto, indica IBGE


O número de empregos no setor industrial aumentou 0,4% na passagem de julho para agosto de 2011, segundo a Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes), divulgada nesta terça-feira (11/10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a primeira alta do indicador depois de duas quedas consecutivas. Na passagem de junho para julho e de maio e junho, embora considerado em um patamar estável, o emprego na indústria diminuiu 0,1%. No acumulado dos últimos 12 meses encerrados em agosto, o aumento chega a 2,3%.

Na comparação com agosto de 2010, o número de vagas no setor cresceu 0,6%, sendo que, no acumulado entre janeiro e agosto, houve aumento de 1,6%, "ritmo ligeiramente abaixo do observado nos último meses", diz o comunicado do IBGE.

Entre as 14 regiões metropolitanas avaliadas na pesquisa, nove apresentaram aumento do número de empregos na indústria. Os destaques são o Paraná (6,7%), a Região Norte e Centro-Oeste (3%) e Pernambuco (7,6%). São Paulo registrou a principal influência negativa (-1,6%).

Entre os setores industriais, dez dos 18 pesquisados aumentaram a oferta de vagas, principalmente alimentos e bebidas (4,4%), meios de transporte (6,5%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (6,1%), além de outros produtos da indústria de transformação (3,5%). Por outro lado, exerceram pressão negativa os setores de papel e gráfica (-8,45) e de calçados (-7,5%).

De acordo com o IBGE, o número de horas pagas aos trabalhadores industriais também aumentou 0,4% em agosto em relação a julho.

A folha de pagamento real dos trabalhadores também cresceu no período, pela quarta vez consecutiva. Em relação a julho, houve aumento de 3,3%, impulsionado pela indústria extrativa e pelo pagamento de participações nos lucros e resultados de empresas consideradas importantes no setor.

Na comparação com o indicador de agosto de 2010, a folha de pagamento real cresceu 7,1%. No acumulado dos último oito meses encerrados em agosto, o aumento chega a 5,2%.














http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/10/11/internas_economia,273464/emprego-no-setor-industrial-volta-a-crescer-em-agosto-indica-ibge.shtml

MAMUTE
Oct 12, 2011, 12:22 AM
TST determina fim da greve dos Correios a partir de quinta-feira


O Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que os funcionários dos Correios retornem ao trabalho a partir da 0h desta quinta-feira (11/10), sob pena de multa diária de R$ 50 mil. Parados desde 13 de setembro, os sindicatos da categoria se recusaram a aceitar as diversas propostas da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) por não concordarem com o desconto no pagamento dos dias parados. Pela decisão do tribunal, contudo, sete dos 28 dias sem trabalhar serão abatidos dos vencimentos. Os demais 21 dias terão de ser compensados com trabalho extra aos fins de semana, a começar pelo próximo. A estimativa é que 185 milhões de correspondências deixaram de ser entregues e a estatal calcula que o serviço levará sete dias para ser normalizado.

O dissídio estabelece um reajuste de 6,87% a partir de agosto — mês que corresponde à data base da categoria — e aumento linear de R$ 80 a partir de outubro. Além disso, haverá aumento do vale refeição de R$ 23 para R$ 25 por dia, vale extra de R$ 563,50 e um vale cesta básica de R$ 140. Dessa forma, o TST manteve os pontos que haviam sido acordados entre a estatal e a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect) em audiência realizada no último dia 4, mas que foi desautorizada nas assembleias levadas aos sindicatos. Outra tentativa de conciliação intermediada pelo TST ocorreu dia 7, mas dessa vez não houve consenso o que levou ao dissídio julgado ontem.

"Não identifiquei, entre as 6,6 mil páginas dos autos, provas de que a greve tenha tido ações abusivas por parte dos trabalhadores", declarou o relator do dissídio, ministro Maurício Godinho, que votou pela compensação de todos os dias, sem nenhum desconto. Já o presidente do TST, ministro João Oreste Delazen, votou pelo desconto de todos os 28 dias. "Houve falta de razoabilidade dos sindicatos. A solução poderia ter sido alcançada nas diversas propostas feitas pelos Correios, mas pessoas infiltradas usaram a categoria como massa de manobra para fins políticos", declarou. "O movimento sindical está podre. Se lhes foi dado o direito de greve, que o façam com seriedade", emendou o ministro Barros Levenhagen, que acompanhou o voto de Delazen. Devido à divisão de interpretações entre os ministros, a decisão considerou um termo médio, com o desconto de parte dos dias parados e compensação dos demais.











http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2011/10/11/internas_economia,273561/tst-determina-fim-da-greve-dos-correios-a-partir-de-quinta-feira.shtml

MAMUTE
Oct 12, 2011, 12:24 AM
Lei sobre desoneração de tablets é sancionada e preço deve cair 30%


A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta terça-feira (11/10) a lei que concede isenção de PIS e Cofins na venda a varejo de tablets fabricados no Brasil. A intenção é reduzir em mais de 30% o preço final do produto ao consumidor. A lei entra em vigor a partir de quinta-feira (13/10).

Por esta lei, os tablets são definidos como "máquinas automáticas de processamento de dados, portáteis, sem teclado, que tenham uma unidade central de processamento com entrada e saída de dados por meio de uma tela sensível ao toque de área superior a 140 cm² e inferior a 600 cm² e que não possuam função de comando remoto".

O texto foi enviado ao Congresso Nacional por meio de medida provisória, assinada pela presidente no final de maio, e sofreu algumas modificações.
















http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/33,65,33,3/2011/10/11/internas_economia,273557/lei-sobre-desoneracao-de-tablets-e-sancionada-e-preco-deve-cair-30.shtml

MAMUTE
Oct 12, 2011, 12:49 AM
Aquisição da Schincariol pela Kirin é aprovada pelo TJ


O Tribunal de Justiça negou pedido de parte dos acionistas e permitiu a venda da cervejaria para os japoneses


A japonesa Kirin agora pode colocar as mãos na Schincariol. A compra da cervejaria brasileira foi aprovada hoje pela Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo. Os juízes entenderam que a venda ocorreu de maneira correta e respeitando os acionistas.

Anunciada no início de agosto, a venda de 50,45% da segunda maior cervejaria brasileira para a Kirin, foi fechada por um valor de R$ 3,95 bilhões, à vista, quantia bem acima de outra proposta feita pela SABMiller, de R$ 2 bilhões. Mas uma liminar concedida pela 1ª Vara Cível de Itu, no interior de São Paulo, determinou a suspensão do negócio.



http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios2/foto/0,,54222653,00.jpg
Schincariol: decisão de hoje coloca cervejaria nas mãos dos japoneses


A liminar foi pedida pela Jadangil, empresa formada pelos irmãos José Augusto, Daniela e Gilberto Júnior, donos de 49,55% das ações da empresa e primos dos irmãos Adriano e Alexandre Schincariol, sócios majoritários que fecharam a venda com os japoneses. Os sócios contrários pediram a suspensão do negócios alegando que não tinham sido consultados sobre a negociação. E, como acionistas, teriam preferência na compra do controle da companhia.

Analisando os documentos, os juízes entenderam que os sócios vinham sendo informados da intenção de vender a empresa desde dezembro de 2010 e, por isso, aprovaram o negócio.

A decisão ainda cabe recurso, mas de acordo com fontes ouvidas por Época NEGÓCIOS, pelas características do processo e pelo placar da decisão (3 votos a zero), as chances de haver uma revisão são praticamente nulas.

Schincariol: minoritários vão recorrer de decisão do TJ

Os advogados da Jadangil, que reúne os acionistas minoritários da Schincariol, divulgaram comunicado no qual afirmam que já trabalham em um recurso contra a decisão da Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo.

"Diante do surpreendente julgamento, a defesa dos minoritários informa que já elabora recurso contra a decisão". "A Câmara Reservada de Direito Empresarial admitiu que a venda das ações da Schincariol violou o direito de preferência dos acionistas minoritários mas, ao mesmo tempo, decidiu que, como a compradora já fez o depósito relativo à compra, por 'razoabilidade', o negócio irregular deve ser tocado em frente 'para não prejudicar a empresa', acrescentam os advogados.















http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI272077-16373,00-AQUISICAO+DA+SCHINCARIOL+PELA+KIRIN+E+APROVADA+PELO+TJ.html

MAMUTE
Oct 12, 2011, 2:38 AM
Filiada da Globo, RBS pode comprar portal iG



http://info.abril.com.br/aberto/infonews/fotos/pedro-ripper-20111011160832.jpg
O presidente do iG, Pedro Ripper: “Estamos conversando com a RBS e mais dois ou três players



O grupo RBS, filiada da rede Globo no sul do país, pode comprar o portal iG, controlado pela Oi, disse o site Meio & Mensagem, nesta terça-feira.


De acordo com o site, existe um leilão em andamento para que a venda do portal de notícias seja efetivada. Além do RBS, há outras companhias interessadas em comprar o iG. No entanto, o grupo sulista é o mais cotado para adquirir o portal.

Pedro Ripper, presidente do iG, negou ao M&M que o portal esteja à venda, mas não descartou que existem várias conversas em andamento com o grupo RBS e outras empresas de mídia.


“Estamos conversando com a RBS e mais dois ou três players. São parcerias que fazem sentido e podem ser para canais (de conteúdo) ou para publicidade”, afirmou o executivo ao M&M.


Em 2008, a RBS comprou 90% da participação dos sites de entretenimento Guia da Semana e ObaOba.


Atualizada às 17h10:


Procurado, o grupo RBS, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que não tem planos para comprar o iG.





http://info.abril.com.br/noticias/mercado/filiada-da-globo-rbs-pode-comprar-portal-ig-11102011-34.shl

MAMUTE
Oct 13, 2011, 1:55 PM
Hacker invade blog do Planalto e pede aprovação da Ficha Limpa



No lugar da homepage, o invasor colocou uma foto da marcha contra a corrupção e pediu que os brasileiros "salvem o Brasil"


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/41261/size_590_hackearam-blog-do-planalto-2.jpg?1318499142
Informações do blog mantido pelo governo Dilma estavam fora do ar


São Paulo - Um hacker, que se identificou pela conta @DonR4UL no Twitter, invadiu a página do Blog do Planalto, mantido pela Presidência da República. No lugar da homepage, o invasor colocou uma mensagem pedindo a aprovação da Lei Ficha Limpa, que impede a eleição de candidatos com condenações judiciais.

A página do Blog do Planalto exibia nesta manhã uma foto da marcha contra a corrupção que ocorreu ontem, com manifestantes usando vassouras verdes e amarelas na passeata.

O hacker pediu que os brasileiros "salvem o Brasil" e também colocou uma frase da letra da música "Sociedade Alternativa", de Raul Seixas: "Faz o que tu queres. Há de ser tudo da Lei". A mensagem principal colocada na home do Blog do Planalto foi: "POLITICO DEVE SER ÍNTEGRO, INCORRUPTÍVEL ! FICHA LIMPA JÁ! VOTO ABERTO NO CONGRESSO!".

@DonR4UL se identificou como o "hacker beleza", fazendo referência a outra música de Raul Seixas, "Maluco Beleza".

Até o momento, as informações do blog mantido pelo governo Dilma estão inacessíveis.








http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/hacker-invade-e-tira-o-blog-do-planalto-do-ar

MAMUTE
Oct 14, 2011, 12:16 PM
Tok&Stok está procurando um comprador, diz jornal



Rede de móveis contratou o banco BTG Pactual, de André Esteves, para tocar as negociações


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/28454/size_590_tok&stok-590.JPG?1303918197
Tok&Stok: rede busca um comprador


A Tok&Stock está à venda e contratou o banco BTG Pactual para interceder nas negociações, segundo informações divulgadas pelo jornal Valor Econômico, desta sexta-feira

A rede, com mais de 30 anos de operação, ainda é controlada por seus sócios-fundadores, Regis e Ghislaine Dubrele. O valor do negócio deve girar em torno de 800 milhões de reais, montante similar ao faturamento das 34 lojas que a Tok&Stock possui, em 12 diferentes estados do país.

Ainda de acordo com o jornal, era de interesse dos controladores da rede abrir o capital da empresa e assim, com a venda da totalidade de suas ações, saírem do negócio. No entanto, as incertezas no mercado engavetaram a possibilidade do IPO.

Fontes próximas ao casal Dubrele, ouvidas pelo Valor, afirmaram que eles tinham planos de sair da operação ao completar 60 anos de idade. Os dois já passaram dos 60. Hoje, as operações da rede estão nas mãos de Paul Dubrele, filho dos fundadores.

Procurados, a Tok&Stok e o BTG não comentam a informação







http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/tok-stok-esta-procurando-um-comprador-diz-jornal

MAMUTE
Oct 15, 2011, 1:43 AM
Bancários fecham acordo e greve pode acabar na terça-feira


No segundo dia de negociações, os bancários e as principais instituições financeiras conseguiram chegar a um acordo de reajuste salarial de 9% para pôr fim à greve, que já dura 18 dias.

Agora, os bancários vão levar a proposta para votar o fim da greve em assembleias na segunda-feira, voltando ao trabalho já na terça.

Ambos os lados cederam, mas conseguiram garantir um reajuste salarial de mais de 1% acima da inflação, diferentemente dos trabalhadores dos Correios, que terminaram a greve, por ordem da Justiça, quase sem aumento real.

Será o oitavo ano em que os bancários terão aumento real.

Inicialmente, os bancários pediam ganho real de 5%, índice que os bancos consideraram "impraticável".

Se aprovado, o aumento vale a partir de setembro. O piso para os bancários que exercem função de caixa passa para R$ 1.900, no caso de jornadas de seis horas. Para a função de escriturário, o piso passa para R$ 1.400.

O acordo prevê ainda aumento da PPR (Participação dos Lucros e Resultados) adicional de R$ 1.100 para R$ 1.400 e do teto da parcela adicional de R$ 2.400 para R$ 2.800.

"Foi um processo de negociação bastante longo, mas que finalmente levou a um acordo contruído na mesa de negociação", disse o diretor de Relações do Trabalho da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), Magnus Apostólico.

HISTÓRICO

De qualquer forma, a greve continua pelo menos até a segunda, atingindo o 21o dia de paralisação.

Ontem, os bancários tiveram a primeira reunião com os bancos desde o início da greve.

A paralisação deste ano já é a maior desde 2004, quando a greve durou 30 dias.

Neste ano, a greve teve forte adesão nos centros administrativos dos bancos. Segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo (ligado à CUT), a greve parou pelo menos 35 mil dos 170 mil bancários da região.



http://f.i.uol.com.br/folha/mercado/images/11276761.jpeg














http://www1.folha.uol.com.br/mercado/991042-bancarios-fecham-acordo-e-greve-pode-acabar-na-terca-feira.shtml

MAMUTE
Oct 15, 2011, 1:46 AM
:previous:Tomara que seja encerrada essa maldita greve:hell:

MAMUTE
Oct 15, 2011, 1:48 AM
Países exportadores de carros reclamam na OMC sobre alta de IPI


Além do Japão, a Coreia do Sul, a Austrália, os EUA e a União Europeia também manifestaram nesta sexta-feira, durante reunião do Comitê de Acesso ao Mercado da OMC (Organização Mundial do Comércio), preocupação contra a elevação do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para carros importados pelo Brasil.

De acordo com a assessoria de imprensa do Itamaraty, foram intervenções curtas, feitas após o Japão levantar questionamento sobre o caráter protecionista da medida brasileira.

A reação, ainda na reunião, foi protocolar. Os brasileiros disseram que irão encaminhar a reclamação para Brasília e repetiram o discurso do Ministério da Fazenda: o aumento é temporário (vale somente até dezembro do ano que vem) e não um sinal de protecionismo, apenas uma forma de resolver uma distorção no mercado de carros no Brasil.

Não se trata ainda de uma disputa oficial entre os países, o que exigiria uma resposta formal do governo brasileiro. Mas é um sinal claro de que a medida incomodou muito as nações que exportam carros para o Brasil.

"O primeiro passo para um contencioso é levantar questionamento durante as reuniões dos comitês da OMC. Isso não quer dizer que a ação do Japão necessariamente virará um contencioso, mas esse costuma ser o caminho, tradicionalmente", explica o advogado especializado em direito internacional Rabih Ali Nasser.

"Quando um país se decide por esse caminho, procura o Órgão de Solução de Controvérsias da organização e apresenta um pedido de investigação", afirma.

A ação do Japão é a primeira contra o aumento do imposto na OMC. A reclamação não estava na pauta do comitê, que hoje fez uma de suas três reuniões anuais. Foi anexada fora do prazo e pegou de surpresa a representação brasileira.

CONTEÚDO NACIONAL

No dia 15 de setembro, o governo federal anunciou a elevação nas alíquotas de IPI para veículos que tenham menos de 65% de conteúdo nacional. Antes, o tributo variava de 7% a 25% e, com a medida, passou para 37% a 55%.

A mudança não deve atingir a maioria das montadoras japonesas, como Honda e Toyota. A reclamação foi lida de duas formas: pode ser a defesa de montadoras que não estão no Brasil ou um recado para que outros países não adotem medidas semelhantes, que de fato prejudicariam as grandes japonesas.

A presidente Dilma Rouseff falou sobre a o aumento, hoje, em Porto Alegre: "Elevamos o IPI dos produtos, dos automóveis em geral. E, especialmente em relação àqueles produzidos no Brasil, gerando empregos brasileiros e com agregação de valor, nós reduzimos o mesmo imposto. Isso significa que nós damos muita importância à produção e à compra de automóveis pela população brasileira."

Na época do anúncio, o ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou que a medida poderia deixar os carrros de 25% a 28% mais caros.

EXCEÇÕES

O México e Argentina, que têm acordo automotivo com o Brasil, não estão incluídos na regra. Nesse caso, a exigência é de 60% de peças produzidas em quaisquer das duas partes: no Brasil e na Argentina ou no Brasil e no México.

Os carros do Uruguai também foram liberados da cobrança.






http://www1.folha.uol.com.br/mercado/990790-paises-exportadores-de-carros-reclamam-na-omc-sobre-alta-de-ipi.shtml

MAMUTE
Oct 17, 2011, 2:05 AM
País pode crescer abaixo de 3% em 2011 e 2012, diz economista


BRASÍLIA – A economia brasileira corre risco “expressivo” de crescer abaixo de 3% neste e no próximo ano. Se isso ocorrer, terá desempenho bem pior que o esperado pelo governo e mesmo pelo mercado. O alerta é do economista-chefe do banco Credit Suisse, Nilson Teixeira, que prevê expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011 de 2,9%. Se não houver retomada expressiva da atividade econômica neste trimestre e no primeiro de 2012, probabilidade que ele considera baixa, o PIB pode avançar apenas 2,2% no ano que vem.



http://www.valor.com.br/brasil/1052920/pais-pode-crescer-abaixo-de-3-em-2011-e-2012-diz-economista

pesquisadorbrazil
Oct 17, 2011, 12:08 PM
Cadê os foristas do outro forum que curtiam as empresas de ratings e empresas de consultoria, que faziam planilhas falsificadas....

emblazius
Oct 17, 2011, 1:19 PM
:previous::previous:

Eu não curto o mercado. Estou fora desta. Mas a questão do crescimento se refere, creio, mais ao mercado externo (união européia e usa). Isso, sem planilhas e no achismo, deve estar afetando nossas exportações (o câmbio puxando pra baixo). O que ainda mantêm o nível de crescimento é o novo mercado consumidor, que por sua vez já esta atolado em dívidas.

Hoje o maior entrave é o famoso custo Brasil, sem rformas trabalhistas e tributárias a coisa fica amarrada mesmo. Junta-se a isso a corrupção que trava os investimentos públicos. Dinheiro tem, o problema é a gestão dos recursos aliada a corrupção.

pesquisadorbrazil
Oct 17, 2011, 1:53 PM
Sem duvida, mas vem uma pergunta, e depois da reforma tributária e trabalhista. Se não derem certo, quais seriam os alvos a serem atacados. Não adianta fazer as reformas sem o principal. INFRAESTRUTURA. Veja o caos dos aeroportos. Isso porque não houve um crescimento continuo de 7% ao ano. Imagina se estivessemos crescendo 7% ao ano desde o primeiro governo LULA. Iria faltar energia, aeroporto, estrada, ferrovia, hidrovia e por ai vai.

emblazius
Oct 17, 2011, 3:38 PM
Pois é. Só para essa questão da Infra-Estrutura. Meu cargo, de economista, faz parte do Ciclo de carreiras estratégicas, não são típicas, são carreiras estratégicas. O Governo Federal pegou cinco cargos de sua estrutura e recompôs a tabea remuneratória defasada. Nada absurdo, mas foi uma recomposição salarial. Aliado a isso, os colocou todos em postos chave da Administração Federal.

Pq eu falo isso, pois é uma coisa de RH e gestão interna do Governo Federal, o qual eu participo como dirigente de uma associação.

O que ocorreu por bastante tempo foram engenheiros, arquitetos, economistas, estatísticos, estarem em setores não técnicos e meio.

Nos últmos 3 anos houve uma pequena, mas muito pequena mudança nisso.

O setor de infra-estrutura irá caminhar com uma carreira própria com as profissões de engenheiria, arquitetura, geólogos, economistas e estatísticos.

O problema, infelizmente, é que ainda não chegamos nos postos de decisão do Executivo, isso ainda esta politizado, na mão de indicação de deputados/senadores e partidos políticos.

As coisas estão mudando, devagar, mas nós do lado de dentro do governo, temos toda a intenção e sabemos o que precisa, o problema é que não nos deixam chegar ao poder decisório.

Em breve as entidades dos engenheiros e economistas irão soltar um Estudo técnico sobre a infra-estrutura nacional bem como sugerir atualizações na questão de recursos humanos. Esta em SP para edição e quando ficar pronto eu repasso.

Resumindo: o Governo Federal tem corpo técnico altamente qualificado para a função e dispõe de mecanismos para contratação externa de especialistas, porém, a politicagem TRAVA tudo aqui dentro!!!

MAMUTE
Oct 17, 2011, 7:13 PM
Brasil vende 4 vezes mais carros novos que o México


Os brasileiros estão comprando quatro vezes mais carros que os mexicanos, apesar de pagarem praticamente o dobro do preço, revela uma comparação entre os números do setor automobilístico verificados em setembro nas duas maiores economias da América Latina.

Em setembro, cerca de 73.000 carros novos foram comprados no México, praticamente o mesmo nível de dez anos atrás, segundo a Associação da Indústria Automobilística Mexicana, que representa o setor. No Brasil, quarto maior mercado do mundo de veículos domésticos, as vendas de setembro ficaram em 294.000 unidades.


Isto significa que a venda de carros per capita do Brasil, com cerca de 200 milhões de habitantes, é praticamente o dobro da do México, cuja população é de 112 milhões. Em números brutos, os brasileiros compram quatro vezes mais carros que os mexicanos.


No México, um carro novo pode ser considerado barato em relação ao Brasil. Um subcompacto completo chega ao consumidor mexicano pelo equivalente a US$ 15.000, ao passo que no Brasil, onde o custo de financiamento também é mais elevado, o mesmo veículo é vendido pelo equivalente a quase US$ 30.000.


Guillermo Rosales, da Associação Mexicana de Distribuidores de Automóveis, diz que a matemática parece favorecer os mexicanos, cuja renda per capita é similar à do brasileiro. No entanto, uma observação mais a fundo expõe grandes diferenças entre os dois países: enquanto o México é inundado por carros usados baratos vindos dos Estados Unidos, a expansão da economia brasileira, ao contrário da mexicana, não está tão atrelada ao ciclo econômico norte-americano.


"Não podemos ignorar os cenários diferentes dos dois países", disse Rosales. "O Brasil vive hoje um momento parecido com o vivido pelo México nas décadas de 1960 e 1970, com expectativa de bonança econômica e a população mais pobre passando à classe média, com um melhor relacionamento entre governo, iniciativa privada e sociedade", avalia ele. O México, diz Rosales, "atravessa um acentuado pessimismo econômico".


Além disso, a disponibilidade de veículos importados de segunda mão oriundos dos EUA distorce o mercado de carros novos do México, pois deprime as vendas de carros usados e dificulta para os donos de carros a venda de seus veículos a um preço razoável, dizem fontes na indústria automobilística mexicana.


As mesmas fontes avaliam que os brasileiros não enfrentam esse problema e apontam para o fato de o governo do Brasil ter restringido a importação de veículos usados. O Brasil também impulsionou as vendas de carros novos por intermédio da redução da carga tributária após a crise financeira de 2008, apesar de uma recente elevação dos impostos sobre veículos importados ter levado potenciais compradores a adiarem aquisições até que a medida saia de vigor no fim do próximo ano, prosseguem as fontes mexicanas. As informações são da Dow Jones.










http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/69858_BRASIL+VENDE+4+VEZES+MAIS+CARROS+NOVOS+QUE+O+MEXICO

HLbsb
Oct 17, 2011, 8:19 PM
Cadê os foristas do outro forum que curtiam as empresas de ratings e empresas de consultoria, que faziam planilhas falsificadas....

:previous::previous:

Eu não curto o mercado. Estou fora desta. Mas a questão do crescimento se refere, creio, mais ao mercado externo (união européia e usa). Isso, sem planilhas e no achismo, deve estar afetando nossas exportações (o câmbio puxando pra baixo). O que ainda mantêm o nível de crescimento é o novo mercado consumidor, que por sua vez já esta atolado em dívidas.

Hoje o maior entrave é o famoso custo Brasil, sem rformas trabalhistas e tributárias a coisa fica amarrada mesmo. Junta-se a isso a corrupção que trava os investimentos públicos. Dinheiro tem, o problema é a gestão dos recursos aliada a corrupção.

Sem duvida, mas vem uma pergunta, e depois da reforma tributária e trabalhista. Se não derem certo, quais seriam os alvos a serem atacados. Não adianta fazer as reformas sem o principal. INFRAESTRUTURA. Veja o caos dos aeroportos. Isso porque não houve um crescimento continuo de 7% ao ano. Imagina se estivessemos crescendo 7% ao ano desde o primeiro governo LULA. Iria faltar energia, aeroporto, estrada, ferrovia, hidrovia e por ai vai.

Que EUA e Europa estão comprando menos é fato faz tempo. A questão atual é que o prolongamento da crise nessas regiões já está afetando também a China, que já é o principal parceiro comercial do Brasil. Já vi previsões de que se a China passa a crescer menos de 8% aa teremos problemas sérios por aqui... Mas a China está com faca e queijo na mão e já começou a se mobilizar para resgatar a Europa.

Não faço a menor idéia se esses percentuais de crescimento apresentados pelo banco suíço são plausíveis. Claro que a precariedade estrutural influenciam, mas isso ocorre principalmente em momento expancionista. Se o Brasil tivesse a perspectiva de crescer 7% aa teria problemas estruturais graves limitando essa expansão. Mas o cenário nem é esse.

Também me pergunto até quando os gargalos estruturais persistirão, mas isso não tem muita relação com o desaquecimento da economia nesse momento. É fundamental ocorrer também uma reforma tributária, mas a guerra federativa no Brasil impossibilita qualquer avanço nesse sentido.

Pra falar a verdade, macroeconomia é muito chata e abstrata. Cada qual que cuide de suas economias e apenas se informe sobre o que está acontecendo no ambiente macro. Nem o presidente do FED, nem o ministro de finanças chines, menos ainda o presidente do BACEN. Nenhum desses é capaz de prever as relações macroeconomicas, mas ao menos tem as ferramentas para influenciar. Ainda assim tem sempre um economista achando que tem as respostas que podem salvar ou desacreditar um país inteiro:whip:

MAMUTE
Oct 18, 2011, 1:27 AM
Bancários de todo o País voltam ao trabalho


Assembleias realizadas hoje à noite em todo o Brasil decidiam pelo fim da paralisação e retorno imediato ao trabalho


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/39993/size_590_greve-banco.jpg?1317146195
A maioria dos funcionários aceitaram a proposta de reajuste salarial de 9%



Depois de 21 dias de greve, os bancários voltam amanhã ao trabalho. Assembleias realizadas hoje à noite em todo o Brasil decidiam pelo fim da paralisação e retorno imediato ao trabalho.

A maioria dos funcionários aceitaram a proposta feita pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste salarial de 9% (1,5% de aumento real mais a inflação de 7,4% no período). Até às 20h45, algumas assembleias ainda estavam em andamento.

A proposta já havia sido aprovada em capitais como São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Salvador, além de grandes centros como Campinas e Blumenau, entre outras.





http://exame.abril.com.br/economia/brasil/noticias/bancarios-de-todo-o-pais-voltam-ao-trabalho

emblazius
Oct 18, 2011, 2:49 AM
Que EUA e Europa estão comprando menos é fato faz tempo. A questão atual é que o prolongamento da crise nessas regiões já está afetando também a China, que já é o principal parceiro comercial do Brasil. Já vi previsões de que se a China passa a crescer menos de 8% aa teremos problemas sérios por aqui... Mas a China está com faca e queijo na mão e já começou a se mobilizar para resgatar a Europa.

Não faço a menor idéia se esses percentuais de crescimento apresentados pelo banco suíço são plausíveis. Claro que a precariedade estrutural influenciam, mas isso ocorre principalmente em momento expancionista. Se o Brasil tivesse a perspectiva de crescer 7% aa teria problemas estruturais graves limitando essa expansão. Mas o cenário nem é esse.

Também me pergunto até quando os gargalos estruturais persistirão, mas isso não tem muita relação com o desaquecimento da economia nesse momento. É fundamental ocorrer também uma reforma tributária, mas a guerra federativa no Brasil impossibilita qualquer avanço nesse sentido.

Pra falar a verdade, macroeconomia é muito chata e abstrata. Cada qual que cuide de suas economias e apenas se informe sobre o que está acontecendo no ambiente macro. Nem o presidente do FED, nem o ministro de finanças chines, menos ainda o presidente do BACEN. Nenhum desses é capaz de prever as relações macroeconomicas, mas ao menos tem as ferramentas para influenciar. Ainda assim tem sempre um economista achando que tem as respostas que podem salvar ou desacreditar um país inteiro:whip:

Perfeita análise. A China mantem nossa balança comercial positiva com as importações maciças de commodities. Obviamente essas abastecem o mundo, que esta em crise. A China sofre pressão do Tio Sam para para deixar de desvalorizar sua moeda. Essa é uma política que afeta as exportações, por isso a china esta literalmente shitting and walking pro Obama.

Só nos rest torcer para não ocorrer um jovo crash!!!

Sobre nosso crescimento/infraestrutura, isso é terrível, classe política vagabunda a nossa.

MAMUTE
Oct 18, 2011, 4:18 PM
Concursos públicos poderão exigir exame antidoping



O exame antidoping poderá passar a ser exigido em testes de esforço físico realizados em concursos públicos. Essa recomendação consta de projeto de lei aprovado, nesta terça-feira (18), pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). A matéria segue agora para votação, em caráter terminativo, pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).



A proposta determina ainda que o exame antidoping seja realizado conforme normas e procedimentos adotados pelas entidades brasileiras de administração do esporte olímpico, com divulgação obrigatória no edital do concurso.



A justificação é que o chamado doping constitui uma prática que permite vantagem desleal de um competidor sobre os demais e, num concurso público, acabaria por ferir o princípio constitucional de igualdade entre os candidatos.








http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=370300&secao=N

MAMUTE
Oct 18, 2011, 4:21 PM
:previous: Se isso for aprovado, o que vai ter de maconheiro de universidade reclamando:yes:

MAMUTE
Oct 18, 2011, 4:25 PM
Amorim pede limite de prazo para decisão sobre caças



A França é um dos países interessados em vender. O governo francês negocia a venda de até 36 caças Rafale, fabricados pela Dassault Aviation, em um acordo que pode chegar a US$ 5 bilhões


http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios2/foto/0,,34577525,00.jpg
O governo francês negocia a venda de até 36 caças Rafale

O ministro da Defesa, Celso Amorim, afirmou hoje que o País não pode adiar indefinidamente a decisão sobre a compra de novos caças para renovar a frota de aeronaves. Em uma entrevista concedida em Paris, após uma reunião com o ministro de Defesa da França, Gerard Longuet, Amorim comentou que a necessidade de equipamentos de defesa do Brasil é tão grande que "uma decisão não pode ser adiada indefinidamente".

Segundo ele, a decisão para escolher os substitutos dos atuais caças Mirage é "urgente", mas essa resolução deve levar em conta a complicada situação da economia global.

A França é um dos países interessados em vender novos caças ao Brasil. O governo francês negocia a venda de até 36 caças Rafale, fabricados pela Dassault Aviation, em um acordo que pode chegar a US$ 5 bilhões. Também estão no páreo os caças Super Hornet, da norte-americana Boeing, e as aeronaves Gripen NG, da sueca Saab. As três fabricantes também estão negociando uma significativa transferência de tecnologia para o Brasil. As informações são da Dow Jones.











http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI273425-16418,00-AMORIM+PEDE+LIMITE+DE+PRAZO+PARA+DECISAO+SOBRE+CACAS.html

emblazius
Oct 18, 2011, 4:44 PM
:previous::previous:

Para assuntos deste tipo, recomendo os ótimos blogs da "Trilogia de Defesa".

www.naval.com.br
www.forte.jor.br
www.aereo.jor.br

Engenheiros aeronáticos, pilotos, militares. Debate e informações do mais alto nível!

MAMUTE
Oct 18, 2011, 5:00 PM
:previous::previous: Valeu Emblazius, ja tinha visto o www.forte.jor.br, mas s outros eu desconhecia, bom saber desses sites...

MAMUTE
Oct 19, 2011, 2:45 PM
CNI/Ibope: 46% da população é a favor da pena de morte



A pesquisa "Retratos da Sociedade Brasileira: segurança pública", realizada pela CNI/Ibope e divulgada nesta quarta-feira, aponta que 79% dos entrevistados acreditam que penas mais rigorosas podem reduzir a criminalidade. Entre os entrevistados, 46% defendem a pena de morte (31% defendem totalmente e 15%, em parte). A prisão perpétua é também aceita por 69% dos entrevistados. A pesquisa também aponta que 86% dos entrevistados aceitam a redução da maioridade penal.

Assim como 46% dos entrevistados defendem a pena capital, o mesmo percentual rejeita a prática, o que representa uma divisão clara na sociedade entre os que são a favor ou contra a pena de morte. "Claramente a gente sabe que há uma divisão na pena de morte, isso não é um consenso", disse o gerente-executivo da pesquisa, Renato da Fonseca.

Os principais resultados da pesquisa apontam que mais da metade da população (51%) considera a segurança pública no Brasil "ruim" ou "péssima". Os temas segurança pública e drogas aparecem respectivamente em 2º e 3º lugares entre as maiores preocupações dos brasileiros, atrás apenas da saúde, que é apontada por 52% como mais preocupante.

Sobre o desarmamento, 70% se mostraram contrários ao direito ao porte de armas. O uso das Forças Armadas no combate à criminalidade é aceito por 79% dos brasileiros. A privatização dos presídios também foi verificada pela pesquisa e 53% se mostraram favoráveis.

"Fica muito claro que as pessoas não estão podendo circular livremente pela cidade. Claramente a violência está impactando na vida das pessoas e nos hábitos das pessoas", avaliou o gerente-executivo da pesquisa, Renato da Fonseca.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios, entre os dias 28 e 31 de julho.











http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5422206-EI5030,00-CNIIbope+da+populacao+e+a+favor+da+pena+de+morte.html

MAMUTE
Oct 19, 2011, 2:50 PM
:previous:Eu não sou a favor da pena de morte:dead: porque nunca se sabe do futuro:coolugh::haha::haha::haha:

MAMUTE
Oct 19, 2011, 9:39 PM
Exportações chegam a US$ 202 bilhões e já superam montante registrado em todo o ano de 2010


O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) anunciou hoje (19) que as exportações brasileiras em 2011 chegaram a US$ 202,071 bilhões entre janeiro e ontem (18). O resultado supera o valor das exportações em todo o ano de 2010 (janeiro a dezembro), quando foi registrado um resultado recorde.

Segundo o ministério, a meta para as exportações brasileiras em 2011 é de US$ 257 bilhões. O número projeta um crescimento de 27% sobre o total exportado em 2010.

Na segunda-feira, o ministério informou que, no acumulado do ano, até a semana passada, com 198 dias úteis, as vendas ao exterior somavam US$ 199,809 bilhões (média diária de US$ 1,009 bilhão). Na comparação com a média diária do mesmo período de 2010 (US$ 778,9 milhões), as exportações cresceram 29,6%. As importações foram de US$ 175,898 bilhões, com média diária de US$ 888,4 milhões. O resultado está 26% acima da média registrada no mesmo período de 2010 (US$ 704,8 milhões).

No acumulado do ano, o superávit comercial está em US$ 23,911 bilhões, crescimento de 66,4% em relação ao mesmo período de 2010 (US$ 14,372 bilhões). Na comparação pela média diária, o crescimento foi de 63% em relação a igual período do ano passado (US$ 74,1 milhões).









http://maiscomunidade.com/conteudo/2008-05-19/brasil/114499/EXPORTACOES-CHEGAM-A-US-202-BILHOES-E-JA-SUPERAM-MONTANTE-REGISTRADO-EM-TODO-O-ANO-DE-2010.pnhtml

MAMUTE
Oct 19, 2011, 10:53 PM
BC corta Selic em 0,5 ponto, e taxa vai a 11,5% ao ano



O Banco Central (BC) reduziu a taxa básica de juros em 0,5 ponto nesta quarta-feira, para 11,5% ao ano, em meio a um cenário de crescente deterioração externa e de evidências de desaceleração da economia doméstica.




A decisão veio em linha com o esperado pela maioria dos analistas de mercado, que consideravam o corte de 0,5 ponto compatível com o discurso de "ajustes moderados" na política monetária defendido pelo BC nas últimas semanas. Pesquisa Reuters mostrou 22 de 26 instituições prevendo redução para 11,5%.




Em curto comunicado divulgado no anúncio da decisão, o Comitê de Política Monetária reiterou o recado da moderação.




"Dando seguimento ao processo de ajuste das condições monetárias, o Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic para 11,50% ao ano, sem viés. O Copom entende que, ao tempestivamente mitigar os efeitos vindos de um ambiente global mais restritivo, um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012".




Para o ex-diretor de política monetária do BC e atual economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio, Carlos Thadeu de Freitas, se o cenário internacional continuar ruim, haverá novo corte de 0,5 ponto na próxima reunião.




"Se o quadro internacional continuar do jeito que está, o BC deve novamente cortar a Selic em 0,5 ponto na próxima reunião. Apenas uma ruptura justificaria um corte mais forte."




Mauricio Rosal, economista da consultoria Raymond James, também acredita que o BC deve continuar a baixar a Selic nas próximas reuniões. "O que eles insinuam é que o caminho (da redução dos juros)não deve ser curto não. Eles estão do início para o meio (do processo)."




"A decisão veio dentro do script. O mercado tinha chegado a cogitar aceleração do corte, mas houve esforço grande do BC de vir a público e mencionar que o cenário estava em linha com o esperado. O comunicado mais enxuto dá certa tranquilidade com respeito ao ritmo dos ajustes. Duas variáveis caminham de acordo com o BC: o cenário internacional pior e a percepção de mais desaceleração da

atividade doméstica. Mas a inflação ainda não está agradando. Últimos índices ainda foram ruins e as expectativas para 2012 estão piorando", disse o economista da Santander Asset Ricardo Denadai.




No final de agosto, o Copom chocou o mercado ao promover um corte de 0,5 ponto na Selic após um ciclo de cinco altas seguidas, justificando a decisão devido ao cenário externo adverso.




Havia um consenso naquele momento entre os analistas de que o juro seria mantido, apesar da forte turbulência externa, uma vez que a inflação doméstica estava correndo acima do teto da meta. No mercado de juros futuros, porém, já havia algumas apostas de corte de 0,25 ponto.




A decisão do BC gerou fortes críticas de economistas ao BC de Alexandre Tombini. Mas desde agosto o cenário externo se deteriorou ainda mais, com a contínua indefinição para um desfecho da crise da dívida da zona do euro. Embora a Grécia esteja sendo o foco principal, Itália, Espanha e Portugal também seguem no turbilhão.




Internamente, a economia doméstica sofreu desaceleração maior que a esperada por analistas em agosto, segundo o Índice de Atividade Econômica do BC, considerado dado antecedente do Produto Interno Bruto, que mostrou queda de 0,53% ante julho.




Também em agosto, as vendas no varejo tiveram a primeira queda na comparação mensal desde abril, e a ativiade industrial apresentou ligeira retração. Em setembro, a produção de veículos despencou 19,7% ante o mês anterior.




A inflação, contudo, segue sendo uma preocupação importante. As expectativas do mercado para a inflação no ano que vem crescem há sete semanas, segundo a sondagem Focus do BC, e estão em 5,61% - bem acima da meta central de 4,5% que o BC insiste que será alcançada em 2012.




Para este ano, as projeções do mercado são de uma inflação de 6,52%, acima do teto de meta, de 6,50%. Em setembro, o IPCA, índice de preços ao consumidor que é usado como parâmetro para o regime de metas, registrou alta de 7,31% no acumulado em 12 meses.




O Copom voltará a se reunir nos dias 29 e 30 de novembro












http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201110192144_TRR_80365223

MAMUTE
Oct 20, 2011, 1:02 AM
Petróleo: Estados e municípios não produtores receberão mais

O plenário do Senado aprovou, na noite desta quarta-feira, o projeto de lei da Casa (PLS) 448/2011 que propõe novos termos para a divisão de royalties (compensação cobrada das concessionárias pela exploração de petróleo) e participação especial (compensação paga pelas petroleiras à União em campos de grande rentabilidade) advindos com a exploração de petróleo na camada pré-sal. União e Estados e municípios produtores ou afetados pela extração de petróleo têm sua participação na receita gerada por estre tributo diminuída em função do aumento da parte para Estados e municípios não produtores ou não afetados pela exploração.

O royalty é uma espécie de compensação cobrada das concessionárias que exploram a matéria prima. A divisão dos recursos entre Estados e municípios produtores e não produtores é a maior causa de polêmica no projeto. No ano passado, o ex-presidente Lula vetou, num dos projetos que compõem o marco regulatório do pré-sal, o item que tratava da divisão dos recursos.

Pela proposta aprovada, o porcentual recebido pela União cai de 30%, atualmente, para 20%. Para Estados e municípios produtores ou afetados pela extração de petróleo, o porcentual cai de 61,25% atuais para 40% em 2012; 38% em 2013; 36% em 2014; 34%, em 2015; 32% em 2016; 29% em 2017; 27% em 2018; e 26% a partir de 2019.

Em contrapartida, a participação dos Estados e municípios não produtores ou não afetados subiria dos atuais 8,75% para 40% em 2012; 42% em 2013; 44% em 2014; 46% em 2015; 48% em 2016; 51% em 2017; 53% em 2018; e 54% a partir de 2019.

Participação especial

Já em relação à participação especial, uma outra taxa paga pelas petroleiras em campos de grande rentabilidade, também houve mudanças. De acordo com o texto aprovado, a União tem sua parcela reduzida de 50%, atualmente, para 39%, em 2012. O montante aumenta para 43% em 2013, 44% em 2014, 45% em 2015 até chegar a 46% em 2016 e manter esse percentual até 2020 (data em que a divisão é válida).

A parte destinada aos Estados e municípios produtores e afetados cai dos atuais 50% para 39% no ano que vem. A redução no percentual cairia gradualmente (37%, em 2013; 34%, em 2014; 31%, em 2015; 29% em 2016; 27% em 2017; e 25% em 2018) até atingir 24% em 2019.

Já Estados e municípios não produtores, que hoje não recebem nada de participação especial, passariam a receber 19% do total a partir de 2012 e aumentariam gradualmente (20% em 2013; 22% em 2014; 24% em 2015; 25% em 2016; 27% em 2017; 29% em 2018) até chegar ao percentual de 30% em 2019.

Novos contratos

Já para os novos contratos, de áreas que ainda não foram repassadas para exploração das empresas petrolíferas, o regime não será mais de concessão, mas de partilha. Até hoje, o governo leiloa uma área e a empresa interessada paga royalties e taxas para o Estado, como a participação especial. No novo marco, o governo estabeleceu a produção partilhada, em que as companhias envolvidas concordam em dar ao governo um percentual do petróleo produzido no campo. O sistema de partilha envolve leilões entre diferentes companhias, sendo que a companhia que oferecer o maior percentual de petróleo para o governo vence o leilão.

Pela proposta do senador Rêgo, nos contratos regidos pelo modelo de partilha a União ficará com 20% dos roaylties, os Estados e municípios produtores e os municípios afetados dividirão 29% do que for pago em royalties e os demais Estados e municípios ficam com 51%.

A partir das próximas licitações, que serão feitas sob o regime de partilha nas áreas do pré-sal, não haverá mais participação especial.

Vital do Rêgo retirou o primeiro artigo do texto original, que abria a possibilidade para a União participar como sócia da Petrobras na exploração do petróleo - a chamada joint venture -, dividindo lucros e possíveis prejuízos com a concessionária do campo de produção. A medida, que será analisada posteriormente, foi alvo de críticas dos parlamentares da bancada de produtores, que alegaram tentativa de estatização da produção de petróleo.

Antes da votação do relatório de Vital do Rêgo, o plenário rejeitou, por 45 votos a 20, o projeto do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que continha uma alternativa ao parecer original. A bancada dos produtores de petróleo fez duras críticas ao projeto do senador peemedebista, alegando que ela acarretaria prejuízos aos Estados. A proposta de Rio de Janeiro e Espírito Santo aumentava o percentual pago pelas petroleiras à União pela exploração do insumo. Em contrapartida, a União repassaria o dinheiro excedente para os Estados e municípios não produtores.

Definição das linhas marítimas

Após polêmica que envolveu até o nome da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) decidiu retirar do seu parecer sobre a distribuição de royalties do pré-sal um modelo que determina novos limites de faixas de mar para os Estados litorâneos brasileiros. O assunto foi retirado do projeto de lei do Senado (PLS) 448/2011 e deve tramitar separadamente, em regime de urgência.

Vital do Rêgo havia incorporado à sua proposta um projeto apresentado por Ideli quando a ministra era senadora. Pelo texto, Paraná e Santa Catarina (Estado da ministra) ganhariam faixas maiores de mar e passariam a ser considerados produtores de petróleo - recebendo, assim, mais recursos com o pagamento pela extração. Por outro lado, o Rio de Janeiro perderia a Bacia de Santos e parte da Bacia de Campos, as maiores produtoras do insumo.

A ministra Ideli Salvatti, por meio de nota, negou ingerência sobre o projeto e afirmou que "nunca solicitou a nenhum parlamentar que incluísse tal proposta no atual debate sobre os royalties". Ideli também negou que o tema tenha sido tratado em reuniões no governo e afirmou não se responsabilizar pelo "acolhimento de um projeto de sua autoria quando era senadora", já que os textos continuam tramitando mesmo com a saída de um senador.

União arrecadará menos em 2012

Após uma reunião de parlamentares com o Ministério da Fazenda, o governo aceitou reduzir ainda mais a sua fatia da participação especial no ano que vem, com a condição de que a fatia da União aumente gradativamente, até atingir 46% em 2016. A partir das próximas licitações, que serão feitas sob o regime de partilha nas áreas do pré-sal, não haverá mais participação especial. Dos atuais 50%, a União vai passar a receber, em 2012, 42% do total. O excedente será repassado ao fundo especial - que reúne Estados e municípios não produtores - para que esses entes recebam mais recursos no ano que vem.

Vinculação das receitas da União

O relator retirou do texto o item que determinava que a União destinasse 3% de toda a sua arrecadação para o Ministério da Defesa e aumentou de 20% para 22% o percentual de arrecadação da União com os royalties no regime de partilha. Os recursos da União serão destinados à educação, infraestrutura, saúde, segurança, programas de erradicação da miséria, cultura, esporte, pesquisa, meio ambiente, defesa civil, prevenção ao uso de drogas e tratamento de dependentes químicos. A definição dos percentuais, no entanto, será de responsabilidade do Poder Executivo, por meio do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual dos governos estaduais e municipais.

Entenda

Desde 1979, a Petrobras vinha tentando comprovar a existência de óleo, mas as descobertas não foram significativas até 2005. Em agosto de 2005 foram encontrados os primeiros indícios de petróleo no pré-sal na Bacia de Santos, no bloco BM-S-10, próximo a Parati.

O grande anúncio sobre o pré-sal ocorreu em novembro de 2007, quando o consórcio formado por Petrobras, BG Group e Galp conclui análises do segundo pólo do MS-S-11, na área de Tupi, que indicaram volumes recuperáveis entre 5 e 8 bilhões de barris de petróleo e gás natural. A descoberta chamou a atenção do mundo para o pré-sal.

As reservas da camada geológica do pré-sal são uma das maiores do mundo. O governo estima que os blocos na região podem conter entre 50 bilhões e 80 bilhões de barris, ou seja, cinco vezes as atuais reservas comprovadas do País. O maior campo identificado no bloco até o momento é o de Tupi, onde a Petrobras calcula que possa recuperar entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris de petróleo e gás natural. O poço de Franco possui um volume de petróleo recuperável de 4,5 bilhões de barris. Iara, de propriedade da Petrobras, abriga reservas de entre 3 bilhões e 4 bilhões de barris.

Desde 2007, o governo brasileiro se prepara para definir um plano de como explorar as reservas e o que fazer com o capital obtido com as riquezas. Em julho de 2008, o governo formou uma comissão interministerial para apresentar sugestões de mudanças institucionais e regulatórias para a exploração e produção de petróleo e gás natural na camada pré-sal. Começaram então as discussões para o novo marco regulatório. A proposta do governo para explorar as reservas, conhecida como marco do pré-sal, só ficou pronta um ano depois, em agosto de 2009. Segundo a União, 71% das reservas da área geológica ainda não foi licitada e será regida pelas novas regras. O marco do pré-sal foi dividido em quatro pilares:

Mudança do modelo de exploração

Até agora, o modelo de exploração de petróleo no País é o de concessão. O governo leiloa uma área e a empresa interessada paga royalties e taxas para o Estado, como a participação especial. No novo marco, o governo propõe a produção partilhada. A partilha prevê que a União fique com determinado percentual da produção do petróleo, ao passo que deve caber às empresas exploradoras o restante do insumo recolhido. O novo paradigma foi adotado pelo fato de o governo entender que os poços do pré-sal têm altas chances de ter grande quantidade de óleo. Com o provável baixo risco de frustração, o governo acredita que as empresas exploradoras têm a obrigação de repartir com a União parte da produção.

Criação da Pré-Sal S.A.

Para executar os trâmites burocráticos do governo no sistema de partilha foi proposta a criação de uma empresa, a Pré-Sal S.A.. A empresa será 100% estatal e vai tratar apenas de conferir se o que as empresas privadas estão repassando está correto e vender este óleo. A Pré-Sal S.A. não irá fazer exploração. Os integrantes do Conselho de Administração da empresa terão mandato de quatro anos prorrogáveis por igual período. A proposta determina que a Pré-Sal S.A. disponibilize na internet suas demonstrações financeiras e estabelece que as decisões colegiadas da diretoria executiva sejam tomadas por maioria absoluta de seus membros quando pelo menos três quintos deles estiverem presentes.

Criação do Fundo Social

O Fundo Social concentrará recursos governamentais relativos à arrecadação com a exploração de petróleo na região do pré-sal. O fundo receberá uma parte do que a União arrecadar com o pré-sal, entre bônus de assinatura dos contratos de partilha; royalties da União deduzidas as destinações específicas; resultado da comercialização do óleo e do gás que caberá à União na partilha e aplicações financeiras. Segundo o governo, o Fundo Social será vinculado à Presidência da República.

O fundo funcionará como fonte para regular os recursos para realização de projetos e programas nas áreas de combate à pobreza e desenvolvimento da educação, da cultura, da ciência e tecnologia e da sustentabilidade ambiental. Embora parte dos recursos do fundo já tenha destino certo, outra parte da verba poderá ser investida fora do País. De acordo com o governo, o Fundo Social permitirá que o Brasil não seja vítima da chamada "doença holandesa", situação na qual um exportador de produtos primários, como o petróleo, com a entrada excessiva de divisas, abre espaço para a apreciação cambial e o desmantelamento da indústria nacional.

Capitalização da Petrobras

A Petrobras foi definida pelo governo como exploradora única do petróleo e gás no pré-sal. Ou seja, a estatal terá participação em todos os blocos que forem criados para obtenção dos recursos. Para isto, a empresa precisava de dinheiro para comprar equipamentos e investir em pesquisa. O projeto estipulou duas operações principais. Uma foi a cessão das reservas e a outra, a autorização para a União subscrever ações da Petrobras e emitir títulos para pagar por elas. Na prática, a Petrobras pagou com ações para a União o direito de explorar os blocos. A União repassou à Petrobras os direitos de exploração de reservas ainda não licitadas que contenham 5 bilhões de barris de óleo equivalente (boe). A empresa pagou um total de US$ 42,533 bilhões (em forma de ações) pelos 5 bilhões de barris que estão em seis blocos: Franco, o maior deles, que deverá fornecer cerca de 3,1 bilhões de barris; Tupi Sul, Florin, Tupi Nordeste, Guará e Iara. Há, ainda, o campo de Peroba, que será uma reserva, caso os demais campos não somem 5 bilhões.

Outra parte das novas ações emitidas em setembro de 2010 foi repassada ao mercado, que comprou R$ 120,36 bilhões em papéis da empresa - a maior operação de capitalização de uma empresa na história.

Divisão de royalties pagos pelas petrolíferas

A divisão dos tributos pagos pelas empresas que exploram as áreas com petróleo no País não estava entre os grandes pilares a serem discutidos pelo governo no marco do pré-sal. Contudo, a dificuldade em chegar-se a uma solução conciliatória fez com que o tema fosse discutido em separado e se tornado como o ponto mais demorado a ser resolvido. Desde 2009 governo federal, Estados, municípios e congressistas debatem sobre o tema. Não só os tributos pagos pelo petróleo tirado nas áreas a serem licitadas, mas os campos do pré-sal que já estão nas mãos das empresas entraram na discussão.

Dentre os maiores tributos pagos pelas empresas petrolíferas atualmente ao País estão royalties e participação especial. O royalty é uma espécie de compensação cobrada das concessionárias que exploram a matéria prima. De acordo com a legislação brasileira, Estados e municípios produtores - além da União - têm direito à maioria absoluta dos royalties do petróleo. A divisão atual é de 40% para a União, 22,5% para Estados e 30% para os municípios produtores. Os 7,5% restantes são distribuídos para todos os municípios e Estados da federação. Estados e municípios não produtores e não afetados pela extração querem aumentar sua participação, enquanto os produtores e afetados pela produção não querem diminuir a deles. A proposta é que a União cedesse parte de sua parte. E é exatamente esta divisão que tem atravancado a aprovação total do marco do pré-sal.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a defender a distribuição igualitária dos royalties, mas voltou atrás diante da pressão dos Estados produtores e passou a defender um tratamento diferenciado para essas administrações. Mas os deputados não aceitaram a proposta e aprovaram uma emenda, apresentada pelos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), Humberto Souto (PPS-RS) e Marcelo Castro (PMDB-PI), que prevê a distribuição dos royalties do pré-sal para todos os Estados da federação. A divisão aprovada na Câmara por 369 votos a favor e 72 contrários é de que 30% dos royalties sejam destinados aos Estados, 30% aos municípios e 40% à União, sem tratamento diferenciado para os produtores. A chamada "emenda Ibsen" foi além da camada pré-sal e estendeu a nova distribuição de royalties também às bacias tradicionais, incluindo as já licitadas. Em um de seus últimos atos, Lula vetou este acordo.

A questão então voltou ao Congresso e a última proposta, que ainda precisa ser aprovada na Câmara e sancionada pela presidente Dilma Rousseff, é que para os Estados e municípios produtores ou afetados pela extração de petróleo o porcentual caia de 61,25% atuais para 40%, em 2012; 38%, em 2013; 36%, em 2014; 34%, em 2015; 32%, em 2016; 29%, em 2017; 27%, em 2018; e 26% a partir de 2019. Em contrapartida, a participação dos Estados e municípios não produtores ou não afetados subiria dos atuais 8,75% para 40%, em 2012; 42%, em 2013; 44%, em 2014; 46%, em 2015; 48%, em 2016; 51%, em 2017; 53%, em 2018; e 54% a partir de 2019.

Já em relação à participação especial, uma outra taxa paga pelas petroleiras à União em campos de grande rentabilidade, a parte destinada aos Estados e municípios produtores e afetados cairia dos atuais 50% para 39% no ano que vem. A redução no percentual cairia gradualmente (37%, em 2013; 34%, em 2014; 31%, em 2015; 29%, em 2016; 27%, em 2017; e 25%, em 2018) até atingir 24% em 2019. Já Estados e municípios não produtores, que hoje não recebem nada de participação especial, passariam a receber 19% do total a partir de 2012 e aumentariam gradualmente (20%, em 2013; 22%, em 2014; 24%, em 2015; 25%, em 2016; 27%, em 2017; 29%, em 2018) até chegar ao percentual de 30% em 2019.

Já para os novos contratos, a União ficará com 20% dos roaylties, os Estados e municípios produtores e os municípios afetados dividirão 29% do que for pago em royalties e os demais Estados e municípios ficam com 51%. A partir das próximas licitações, que serão feitas sob o regime de partilha nas áreas do pré-sal, não haverá mais participação especial.




http://not.economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201110192306_TRR_80365481

MAMUTE
Oct 21, 2011, 1:45 AM
Supremo suspende aumento do IPI de carros importados


BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o aumento de IPI de carros importados. A medida foi determinada por decreto do governo, em 15 de setembro. Ela foi derrubada por unanimidade pelos ministros da Corte.

Os minsitros consideraram que o governo não respeitou o prazo de 90 dias necessário para o aumento entrar em vigor. A exigência desse prazo está no artigo 150 da Constituição, que exige anterioridade de 90 dias para que os cidadãos sejam previamente informados a respeito de aumentos de impostos.

“O princípio da anterioridade representa garantia do contribuinte perante o Poder Público”, afirmou o ministro Marco Aurélio Mello, relator do processo.

“Eu entendo que para alterar o IPI ou mesmo para majorá-lo o prazo nonagesimal deve ser observado”, completou o ministro Ricardo Lewandowski. “É um caso patente de inconstitucionalidade aritmética, de afronta frontal ao texto da Constituição”, disse Gilmar Mendes.

Com a decisão, o aumento de IPI só pode valer a partir de 15 de dezembro.












http://www.valor.com.br/brasil/1061478/supremo-suspende-aumento-do-ipi-de-carros-importados

MAMUTE
Oct 21, 2011, 1:47 AM
:previous: essa história vai longe:hell:

MAMUTE
Oct 21, 2011, 1:48 AM
Relatório do Orçamento indica salário mínimo de R$ 622,20 em 2012


BRASÍLIA – Influenciado pela trajetória ascendente da inflação, o relatório preliminar do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2012, apresentado hoje à Comissão Mista de Orçamento, indica um aumento do salário mínimo ainda maior do que o previsto inicialmente pelo governo. A reestimativa aumentou, de R$ 619,21 para R$ 622,20, o salário que passará a vigorar a partir de janeiro de 2012. Hoje, o mínimo é de R$ 545.












http://www.valor.com.br/politica/1061970/relatorio-do-orcamento-indica-salario-minimo-de-r-62220-em-2012

MAMUTE
Oct 21, 2011, 12:54 PM
Presidente Dilma decide afastar Ministro do Esporte, diz jornal


Ex-prefeita de Olinda Luciana Santos é cotada para assumir o cargo



Dilma Rousseff convocou uma reunião na noite da última quinta-feira, logo que chegou de um compromisso em Angola, para tratar da crise envolvendo o ministro do Esporte, Orlando Silva, e o escândalo de corrupção no programa "Segundo Tempo". A presidente irá afastá-lo do cargo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com a publicação desta sexta-feira, o PCdoB ainda deverá continuar com o comando da pasta. Para o lugar de Silva, é cogitado que Luciana Santos, ex-prefeita de Olinda (PE), seja escolhida.

Na última noite, Dilma ouviu o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, sobre a investigação do caso. O policial militar João Dias Ferreira e o motorista Célio Soares Pereira acusam o Ministério de desvio de verbas destinadas ao programa, em operação em que ambos também participaram.

Orlando Silva irá se reunir com a presidente nesta sexta-feira. O PCdoB diz que quem pediu a investigação foi o próprio ministro, que deve ser desligado da pasta para poder formular sua defesa, segundo o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante.

O jornal ainda revela que pessoas próximas de Dilma no Palácio do Planalto acreditam que a Fifa e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) tenham contribuído para o desgaste da relação com o ministro. Na última quarta, ela retirou de Silva a condição de interlocutor nas negociações da Copa do Mundo de 2014, centralizando todas as determinações em relação ao evento.











http://www.df.superesportes.com.br/app/1,307/2011/10/21/noticia_copa_do_mundo,199497/presidente-dilma-decide-afastar-ministro-do-esporte-diz-jornal.shtml

MAMUTE
Oct 21, 2011, 5:13 PM
Senado dos EUA rejeita planos de emprego e impostos



O projeto democrata previa a transferência de US$ 35 bilhões aos governos estaduais e locais, a fim de que eles mantivessem e recontratassem funcionários públicos


http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios2/foto/0,,55045387,00.jpg
Congresso dos EUA: sem acordo para plano de empregos de Ob




O Senado dos Estados Unidos rejeitou ontem duas propostas de incentivo à criação de empregos. Um dos planos era dos Democratas e o outro, dos Republicanos. Após descartar as propostas rivais, o Congresso continua o debate sobre o papel do governo na geração de postos de trabalho.

O projeto democrata previa a transferência de US$ 35 bilhões aos governos estaduais e locais, a fim de que eles mantivessem e recontratassem funcionários públicos, como enfermeiros, policiais e professores. O projeto seria financiado por um imposto de 0,5% da renda de quem ganha mais de US$ 1 milhão por ano.

A liderança republicana, por sua vez, havia proposto o cancelamento de um imposto de 3% sobre o salário dos funcionários temporários do governo, que é recolhido na fonte. Os US$ 11 bilhões dessa renúncia fiscal seriam pagos pela recuperação de um montante equivalente de verbas que não foram gastas e que estão em contas de agências do governo.

As propostas foram rejeitadas pelos senadores em votações separadas. Variações de ambos os projetos formaram parte do plano de geração de empregos do presidente Barack Obama, que foi derrotado no Senado na semana passada.








http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,EMI274369-16367,00-SENADO+DOS+EUA+REJEITA+PLANOS+DE+EMPREGO+E+IMPOSTOS.html

MAMUTE
Oct 21, 2011, 8:21 PM
Venda de tablets supera a de netbooks, apesar de preço mais elevado



Apesar de serem produtos de segmentos diferentes, as vendas mundiais de tablets já superaram as dos netbooks no segundo trimestre deste ano. O preço desses produtos, no entanto, não ajuda a explicar essa tendência, já que um tablet custa praticamente o dobro que um netbook.

De acordo com a ABI research, as vendas de tablets entre abril a junho alcançaram 13,6 milhões de unidades, volume superior aos 7,3 milhões de unidades vendidas de netbooks. No trimestre anterior, foram vendidas 6,4 milhões de unidades de tablets e 8,4 milhões de netbooks.

Por que os tablets?

De acordo com o diretor do grupo, Jeff Orr, a tendência observada no segundo trimestre deste ano dificilmente será revertida. “Como são de segmentos diferentes, isso não é um comportamento de substituição, mas uma mudança de liderança para um tipo de dispositivo mais interessante", avalia Orr.

O diretor também faz suas considerações a respeito dos elementos que motivam os consumidores a comprar um tablet, em vez de um netbook. Em primeiro lugar, os tablets são percebidos como um aparelho mais fácil de ser utilizado, comparando com os teclados e mouses dos netbooks.

Os tablets também se mostram como opção para aqueles indivíduos que por muito tempo evitaram os PCs, por acharem este aparelho muito complicado. Com os tablets, eles podem se reintroduzir no mundo da internet, já que o aparelho é aparentemente mais simples.

Perspectivas

A expectativa é que em 2011 sejam vendidos 60 milhões de tablets no mundo todo e 32 milhões de netbooks. Nos países menos desenvolvidos, os netbooks ainda chamam bastante atenção, principalmente porque os PCs ainda não estão amplamente disponíveis.

Os tablets vão ser vendidos, sobretudo, em países da Europa Ocidental, nos Estados Unidos, Japão e Coreia.












http://dinheiro.br.msn.com/comportamento/venda-de-tablets-supera-a-de-netbooks-apesar-de-pre%c3%a7o-mais-elevado?page=0

MAMUTE
Oct 22, 2011, 8:02 PM
Termina uma guerra que custou aos EUA 4,4 mil baixas e mais de US$ 800 bi


O presidente americano Barack Obama confirmou nesta sexta-feira que irá retirar, até o fim do ano, a maioria dos quase 50 mil soldados que permanecem no Iraque, cumprindo seu pacto com o Governo de Bagdá.






Desta maneira, os Estados Unidos põem fim a uma guerra que começou há oito anos e nove meses, uma campanha que matou cerca de 4,4 mil de seus soldados, além de ferir outros 31 mil, e que gerou uma despesa de US$ 800 bilhões. Na ocupação iniciada pelo presidente George W. Bush, o país enviou 120 mil soldados, e na luta contra a insurgência iraquiana, o contingente superou os 160 mil soldados.



Mais de 1 milhão de homens e mulheres serviram na zona de conflito do Iraque, uma campanha que alterou profundamente a doutrina de guerra, as táticas e a conformação das Forças Armadas americanas.



"Nossas tropas sairão do Iraque de cabeça erguida", disse Obama em um anúncio que, na realidade, significa a falta de um acordo com o Governo iraquiano para que as tropas permaneçam nesse país depois de 31 de dezembro.



Segundo o Pentágono, que só revela o número de soldados mortos depois de notificar as famílias, até hoje caíram no Iraque 4.421 soldados e civis americanos (deles, 3.489 em combate), e 31.921 sofreram ferimentos. Já o site iCasualties levanta uma apuração que revela um total de 4.479 soldados americanos mortos.



O ano de mais baixas foi 2007, quando morreram 904 militares. Os números começaram a melhorar em 2008, ano em que se assinou um acordo para a retirada das tropas do país quando foram registradas 314 mortes.



Em 2010, ano em que as tropas americanas saíram das principais cidades do país, morreram 60 militares, um número não muito superior aos 49 de 2011.














http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=371147

MAMUTE
Oct 24, 2011, 3:52 PM
Bunge pode comprar Mabel, diz jornal



Bimbo e Pepsico também estariam interessadas na fabricante de biscoitos


http://exame.abril.com.br/assets/pictures/34262/size_590_MabelRetro-590.jpg?1310582649


A fabricante de biscoitos Mabel pode ser comprada pela Bunge, segundo informações publicadas, nesta segunda-feira, pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Esta não é, no entanto, a primeira vez que a Mabel é negociada. Há dez anos, a empresa esteve perto de ser vendida, mas as negociações fracassaram.

Ainda de acordo com o jornal, além da Bunge, a Bimbo e a Pepsico também estariam interessadas em comprar a popular companhia de biscoitos. Mas, segundo apurou o Estadão, a Bunge tem mais chances de fechar o negócio.

A Mabel possui unidades fabris em cinco estados brasileiros, a companhia também exporta para mais de 35 países. Com um portfólio amplo de produtos, a companhia está em operação há mais de 50 anos no país.








http://exame.abril.com.br/negocios/empresas/noticias/bunge-pode-comprar-mabel-diz-jornal

MAMUTE
Oct 24, 2011, 7:59 PM
Biometria vai substituir as senhas bancárias


Tecnologia identificará cliente pelas digitais, mãos ou outras características únicas


http://www.maisbrasilia.com/mb2011/adm/Crop/imagens/Album/9372-8568-Imagem.JPG

Clientes bancários no Brasil estão se adaptando a uma nova tecnologia – o uso da biometria em caixas eletrônicos. A tecnologia identifica o cliente pela leitura das digitais, da palma da mão ou de outras características únicas e pode substituir o uso de senha.

O corretor de seguros Derick Crispin Gomes, 19 anos, considera que a tecnologia traz mais segurança. “A maior vantagem é a confiança que temos, pois as impressões digitais são únicas para cada pessoa, então acho que fica mais difícil para fraudes. Outra vantagem é a questão das senhas. O uso de muitas senhas acaba confundindo a gente, então o sistema traz benefícios”, argumenta. Mas Derick também aponta desvantagens. “Existem muitas sugestões de sistemas de segurança, contudo considero que nenhum é realmente seguro. Uma das desvantagens é que por ser um sistema novo ainda apresenta algumas falhas no reconhecimento. Muitas vezes dá erro na leitura”, disse.

O contabilista Melquiades Augusto, 42 anos, ainda não teve acesso ao novo sistema, mas espera experimentar logo a novidade. “Para mim, todas as tecnologias são boas para a sociedade, apostar em novidades que facilite a vida das pessoas é um ganho para todos nós, ainda mais essas novidades que trazem segurança. Eu usaria o sistema, e espero que ele chegue logo a todos os bancos”, disse.

A biometria nos caixas eletrônicos no país começou a ser usada em 2006 pelo Bradesco. O banco escolheu a tecnologia Palm Secure, que captura a imagem do padrão vascular da palma da mão e funciona como uma senha. Atualmente, em todas as agências do banco é possível encontrar pelo menos um equipamento de autoatendimento com a tecnologia. Segundo o Bradesco, desde que a biometria foi adotada, cerca de 6 milhões de clientes optaram por usar sistema de leitura biométrica para realizar suas transações, instalado em 21.752 máquinas de autoatendimento.

No Banco do Brasil (BB), a expectativa é que a partir do próximo ano comecem a ser instalados os módulos nos caixas eletrônicos para que seja possível fazer o uso da biometria.

Segundo o gerente executivo da Unidade Gestão de Canais do BB, Pedro Acácio Bergamasco, a expectativa é que em 2013 todos os equipamentos estejam adaptados e os clientes não precisem mais usar senha nos caixas eletrônicos. Atualmente, o banco tem 40 mil caixas eletrônicos. “A tecnologia reduz a possibilidade de fraudes, como clonagem de cartão”, disse Bergamasco. Quando os caixas estiverem adaptados, os clientes poderão fazer o cadastro biométrico nas próprias máquinas de autoatendimento.

A Caixa também tem projeto de uso das informações biométricas em caixas eletrônicos. No dia 18 de agosto, o banco anunciou que irá receber do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os dados do cadastro biométrico de eleitores. A ideia é usar as informações para garantir a segurança e evitar fraudes no pagamento de benefícios previdenciários e do Programa Bolsa Família e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Na época, o vice-presidente de Tecnologia da Caixa, Joaquim Lima de Oliveira, afirmou que no futuro será possível sacar benefícios sem usar senha e cartão, apenas por meio da digital do cidadão. De acordo com ele, atualmente muitos beneficiários perdem a senha ou recorrem a outras pessoas para sacar o benefício no banco.












http://www.maisbrasilia.com/mb2011/noticias/conteudo/9372/Biometria_vai_substituir_as_senhas_banc%E1rias.html

MAMUTE
Oct 25, 2011, 1:46 PM
Riqueza das famílias deve mais que dobrar até 2016



Relatório realizado pelo Credit Suisse estima que a riqueza das famílias brasileiras irá mais que dobrar de 2011 até 2016, chegando a US$ 9,2 trilhões. Se a previsão for confirmada, o nível de riqueza familiar do Brasil daqui a cinco anos será equivalente ao registrado nos Estados Unidos em 1948.

http://www.jornalalobrasilia.com.br/noticias/img/noticias/foto_25102011083827.jpg

Ainda de acordo a segunda edição do relatório “Global Wealth Report” (Relatório de riqueza mundial, em português”), realizado em outubro pelo banco suíço, deverá mais que dobrar nos próximos cinco anos o número de milionários no Brasil: subirá dos atuais 319 mil para 815 mil, expansão de 155%.

O movimento de expansão da riqueza observado no Brasil não será isolado, conforme aponta o documento do Credit Suisse; as economias emergentes deverão ganhar forte participação no ranking das maiores riquezas das famílias pelo mundo.

É esperado que os Estados Unidos mantenham sua liderança no ranking, com uma riqueza das famílias total projetada em US$ 82 trilhões.

De acordo com o relatório, a China deve substituir o Japão como a segunda economia mais rica do mundo, com um total de riqueza das famílias de US$ 39 trilhões em 2016, avanço em relação aos US$ 31 trilhões previstos para o Japão.

Atualmente, de acordo com o documento, a riqueza das famílias da China é de US$ 20,1 trilhões, o que equivale à riqueza das famílias norte-americanas em 1968.

Até 2016, o número de milionários na China deve saltar de cerca de 1 milhão para quase 2,4 milhões.

Somada, a riqueza na China e na África deve crescer cerca de 90% até a data, diz o relatório.

Apesar de ter quase 300 milhões de adultos a mais que nos Estados Unidos, a riqueza total da África em 2011, de US$ 3 trilhões, é comparável à riqueza total dos Estados Unidos em 1908.

“Apesar de prevermos uma melhora substancial no nível de riqueza da África nos próximos cinco anos, o crescimento levará apenas ao nível de riqueza dos Estados Unidos em 1928.









http://www.alo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=143528

MAMUTE
Oct 25, 2011, 1:52 PM
Classe C move comércio na net


Empresária fatura vendendo roupas pela internet. Maior gasto, no entanto, é com eletrônicos


http://www.jornalalobrasilia.com.br/noticias/img/noticias/foto_24102011083918.jpg
Sites especializados em venda de roupas, as “butiques virtuais”, viraram febre na internet

As empresas investem cada vez mais no comércio virtual e criam facilidades de pagamento para atrair o novo público consumidor: a classe C. Uma pesquisa do E-bit, uma empresa especializada em informações de comércio eletrônico, revela que, só nos últimos dois anos, 5 milhões de novos consumidores da classe C passaram a fazer compras pela internet.

“O ticket médio (valor médio da compra) do consumidor com renda até R$ 3 mi, é de R$ 320 por compra. Não é muito diferente da internet geral, que é de R$ 355”, diz Alexandre Umberti, diretor de marketing da empresa.

E o maior gasto desse novo consumidor pela internet é com os eletrônicos. São celulares, câmeras digitais, notebooks e todo tipo de acessórios. Segundo empresários, o consumidor da classe C tem um pouco de desconfiança com a internet, que, para ele, ainda é novidade. Por isso, uma das funções da loja física é transmitir segurança aos clientes.

Sucesso na rede - A empresária Andrea Bertagnoli descobriu um mercado promissor: vender roupas pela internet para mulheres da classe C. Ela montou uma butique virtual de camisas, calças, vestidos e shorts. “O consumidor da classe C descobriu a internet nos últimos anos. (...) e a tendência é crescer muito. No próximo ano nos vamos bombar de fato a venda de moda na internet”, diz Andrea.

A empresária investiu R$ 600 mil no negócio em 2009, segundo reportagem publicada no G1. O dinheiro foi usado para construir o site, reformar este espaço, fazer estoque e divulgação.

Para vender roupas sem que o cliente possa experimentar, a empresária tem alguns segredos. O primeiro está no tecido flexível, que se molda ao corpo da cliente. Outro está com as costureiras: cada peça é medida de cima a baixo, comprimento, quadril, cintura, até largura de perna e braço. E as medidas vão pro site. E aí entra mais uma ideia que revolucionou as vendas.

Em São Paulo, um dos maiores centros do comércio de eletrônicos está no bairro de Santa Ifigênia, na região central da cidade. No local existem centenas de boxes, como o pertencente aos empresários Rita Airis e José Feitosa. Desde 1999, o casal vende telefones celulares e acessórios e, há dois anos, eles descobriram que podem faturar alto com a internet. Com investimento de R$ 2,5 mil, eles montaram um site de vendas voltado para a classe C. o negócio virtual já vende o mesmo que a loja física. “70 %dos clientes da internet são da classe C. E cada vez mais eles entram no site pra comprar, é o novo consumidor da internet”, diz Rita.












http://www.alo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=143333

pesquisadorbrazil
Oct 25, 2011, 5:58 PM
Esse mercado em Brasília é IGNORADO por todo tipo de comércio, inclusive o hoteleiro, o de restaurantes e por ai vai. Então toda e qualquer pesquisa de mercado, principalmente em Brasília são FURADAS. Certa vez conversei com o dono da NEOCOM e falei a respeito, o cara veio dar risadas, falando que a cidade vive e sobrevive dos funcionários públicos. Inclusive falando que NUNCA as cidades do Gama, Ceilândia, Samambaia e Planaltina teriam drive thrus do Mc Donalds.

Então porque será que justamente nessas cidades, menos Samambaia, estão sendo construídos ou serão construídos drive thrus do Mc Donalds...